Cientistas têm nova (e louca) teoria sobre a origem da Lua

Apesar de todas as certezas que a ciência nos dá, os cientistas ainda não conseguiram descobrir com certezas a forma como a nossa Lua se formou. Várias teorias foram apresentadas ao longo dos anos, mas permanecem algumas pontas soltas.

Uma nova teoria apresentada por cientistas – e publicada esta quarta-feira na revista Journal of Geophysical Research – parece amarrar todas as pontas soltas  à volta da formação lunar.

De acordo com o novo estudo, a Lua formou-se dentro da Terra, quando o nosso planeta ainda não se tinha formado completamente e não passava de uma nuvem fervente e giratória de rocha vaporizada, chamada sinestia.

O novo modelo, liderado por cientistas da Universidade da Califórnia e da Universidade de Harvard, resolve vários problemas das teorias atuais sobre a formação lunar.

“O novo trabalho explica os recursos da Lua que são difíceis de resolver com as ideias atuais”, explica Sarah Stewart, professora de Ciências Planetárias e Terra da Universidade da Califórnia. “A Lua é quimicamente quase a mesma coisa que a Terra, mas com algumas diferenças. Este é o primeiro modelo que pode combinar o padrão da composição da Lua”.

Os modelos atuais de formação lunar sugerem que a Lua se formou como resultado de uma colisão entre a Terra primitiva e um corpo de tamanho de Marte, comummente chamado de Theia. De acordo com estes modelos, a colisão entre Terra e Theia atirou para a órbita rocha fundida e metal, que acabaram por se juntar e formar a Lua.

A nova teoria depende, em vez disso, de um novo tipo de objeto planetário proposto por Stewart e Simon Lock, estudante de pós-graduação em Harvard, chamado sinestia. Uma sinestia forma-se quando uma colisão entre objetos de tamanho planetário resulta numa massa giratória rápida de rocha fundida e vaporizada com parte do corpo em órbita em torno de si.

Os cientistas teorizam que as sinestias provavelmente não duram muito tempo – talvez apenas centenas de anos. Elas encolheriam rapidamente enquanto irradiam calor, fazendo com que o vapor de rocha se condense em líquido, finalmente entrando em colapso e formando por fim um planeta.

“O nosso modelo começa com uma colisão que forma uma sinestia. A Lua forma-se então dentro da Terra vaporizada a temperaturas de quatro a seis mil graus Fahrenheit e pressões de dezenas de atmosferas”, explica Lock.

Segundo os dois investigadores, uma vantagem do novo modelo é que existem múltiplas maneiras de uma sinestia adequada se formar – não seria preciso confiar numa colisão com o objeto de tamanho certo que estivesse exatamente da maneira correta.

Uma vez formada a sinestia da Terra, os pedaços de rocha fundida colocados em órbita durante o impacto teriam formado a semente para o nosso satélite. Então, rocha de silicato vaporizado teria se condensado na superfície da sinestia e depois caído sobre a proto-Lua, enquanto a própria sinestia da Terra diminuía gradualmente.

Eventualmente, a Lua surgiu das nuvens da sinestia que arrastava a sua própria atmosfera de vapor de rocha.

A nova teoria explica tanto as semelhanças como as diferenças entre a Lua e a Terra: a Lua herdou a composição da Terra ao formar-se dentro dela, mas, devido à formação a altas temperaturas, teria perdido os elementos que seriam facilmente vaporizados, o que explica a sua composição distinta.

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Começando pelo título… A ciência não dá “certezas” nenhumas, nem é essa a sua função. A função da ciência é criar modelos de representação da realidade que permitam explicar e prever os fenómenos. As “certezas” são objecto das religiões e seus “dogmas”. Não da ciência. Senão para isso a história da ciência era uma sequência de humilhações, com “certezas” consecutivamente a ser desmontadas por outras “certezas”, de cada vez que uma teoria se mostra obsoleta e é substituida por outra mais avançada.

  2. Quer-se dizer, para todo o humano compreender, a Terra estava pranha, e pariu a Lua…cá para mim, estes cientistas tiraram mas é o doutoramento, em bebida, ou em pó branco, só pode!

  3. A teoria de Theia tem dois defeitos. A colisão entre a Terra e Theia teria despedaçado ambos pois os planetas são frágeis. Do ponto de vista gravítico isto parece impossível. Outro problema é o impacto teria parado a rotação da Terra, não lhe garantindo a sua forma esférica. O modelo apresentado não tem em conta a gravidade.

RESPONDER

Nem um carro consegue esmagar este besouro indestrutível

O diabólico besouro de ferro tem um dos mais resistentes exoesqueletos naturais. A forma como este animal consegue sobreviver pode inspirar o desenvolvimento de novos materiais com a mesma dureza. Engenheiros da Universidade da Califórnia e …

OSIRIS-REx recolheu demasiadas amostras do Bennu (e está a perder parte delas)

A NASA revelou que a sonda OSIRIS-REx conseguiu recolher uma grande amostra de partículas do asteróide Bennu - tanto material que fez com que a tampa do compartimento não fechasse corretamente. Na semana passada, a sonda …

Cientistas captam atmosfera de um extraordinário exoplaneta que não deveria existir

Uma equipa de cientistas da Universidade do Kansas, nos Estados Unidos, captou a atmosfera de um exoplaneta "que não deveria existir" ao analisar dados do telescópio TESS da agência espacial norte-americana (NASA). O planeta em causa …

Refrigerantes light causam o mesmo risco de doenças cardíacas que bebidas normais

Um novo estudo da Universidade Sorbonne, em Paris, descobriu que bebidas adoçadas artificialmente - como as light, diet e zero - podem ser tão prejudiciais para o coração quanto os refrigerantes normais. Os investigadores, que acompanharam …

“Monstro patológico”. Documento revela que Henrique VIII planeou decapitação de Ana Bolena

Uma equipa de investigadores encontrou um livro que contém instruções específicas do rei Henrique VIII que mostram que o monarca queria que a sua segunda esposa, Ana Bolena, fosse executada. Neste documento, o rei Henrique VIII …

Robô humanóide sem cabeça empilha e carrega caixas (e já está à venda)

A fabricante de robôs Agility construiu um robô humanóide bípede chamado Digit, que consegue carregar caixas e que está a ser vendido por 250 mil dólares. De acordo com o TechXplore, o robô Digit foi projetado …

Porto 2-0 Olympiacos | Chama do “dragão” trava gregos

O FC Porto venceu na noite desta terça-feira o Olympiacos por 2-0, numa partida relativa à segunda jornada do Grupo C da Liga dos Campeões, sob o olhar dos cerca de 3750 adeptos que se …

Antigos maias construíram filtros de água sofisticados (capazes de funcionar nos dias de hoje)

De acordo com uma pesquisa da Universidade de Cincinnati (UC), os antigos maias da cidade de Tikal construíram sofisticados filtros de água através do uso de materiais naturais importados. Os investigadores da UC descobriram evidências de …

Como é que as pandemias acabam? A História sugere que as doenças vêm para ficar (durante milénios)

Uma combinação de esforços de saúde pública para conter e mitigar a pandemia veio ajudar a controlá-la. No entanto, epidemiologistas acreditam que as doenças infeciosas, como é o caso da covid-19, nunca desaparecem.  Ao longo dos …

ONG identifica entidades norte-americanas como "cúmplices" da destruição da Amazónia

Seis instituições financeiras norte-americanas são apontadas como "cúmplices" da destruição ambiental na Amazónia brasileira, assim como da violação dos direitos das comunidades indígenas da região, segundo um relatório de organizações não-governamentais (ONG). Um estudo elaborado pela …