Nova aplicação controla vício pelo telemóvel

Team Menthal / YouTube

-

Seja em casa, no autocarro, no metro ou mesmo durante o jantar, os smartphones estão sempre por perto, prontos para satisfazer as necessidades dos seus utilizadores. 

Preocupados em identificar até que ponto o “vício por telemóveis” pode ser prejudicial para a saúde, cientistas da Universidade de Bona, na Alemanha, criaram uma aplicação que promete medir o seu vício.

Disponível para Android, o “Menthal” controla o tempo que o utilizador está ao telemóvel, analisando quais as aplicações e comandos mais utilizadas no smartphone. Seguidamente, organiza estatisticamente as informações recolhidas, mostrando se o aparelho está a ser usado de forma exagerada ou não.

Menthal / Google Play Store

Interface do Menthal, aplicação que promete "controlar" o seu vício por telemóveis

Interface do Menthal, aplicação que promete “controlar” o seu vício por telemóveis

De acordo com um estudo de mercado feito pela Flurry, em média os utilizadores de smartphones passam 2 horas e 38 minutos por dia com os seus telemóveis.

Para comprovar estes resultados, uma equipa de psicólogos e cientistas de informática liderados por Alexander Markowetz, professor de Ciências da Informática, estudou durante 6 semanas o comportamento de 50 estudantes ao usarem  smartphones.

Durante este período, mais de um quarto dos estudantes usaram o telefone por mais de duas horas por dia. Além do tempo de uso, gastaram cerca de 12 minutos diários a verificar os telemóveis – em média, 80 vezes por dia.

A maioria dos alunos usaram o telemóvel para enviar mensagens, aceder às redes sociais e jogar.

O “Menthal” baseia-se nas actividades desempenhadas pelos utilizadores para determinar os resultados. Por exemplo, caso o utilizador passe muito tempo no Facebook através do telemóvel, a trocar mensagens com amigos, a aplicação vai perceber o comportamento como algo positivo. O uso da rede social pode mostrar que a pessoa mantém um círculo de amizade activo, o que contribui para a boa disposição do utilizador e seu estado de espírito.

“Suspeitamos que o uso pode mudar durante uma fase depressiva. Os pacientes farão menos ligações e tenderão a sair menos de casa”, explica à CNET o professor Thomas Schläpfer, líder da equipa que criou a app.

“Se isso pudesse ser monitorizado – com a permissão dos utilizadores e de acordo com as leis de privacidade – poderia ajudar os médicos a prever algumas intervenções”, acredita o professor.

Veja aqui o vídeo de apresentação da aplicação e faça download da versão Beta no Google Play Store. Mas antes, fica a questão: está a controlar o seu telemóvel ou a ser controlado/a pelo seu telemóvel?

 

Adriano Padilha, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

A tecnologia usada na Bitcoin também está a ser usada para encontrar o amor

Várias dating apps (aplicações de encontros) estão a recorrer ao blockchain para que os seus utilizadores possam encontrar a cara-metade de uma forma mais segura e transparente. O Tinder é provavelmente a dating app mais usada …

Elon Musk quer enviar passageiros para o Espaço já no próximo ano

O bilionário Elon Musk, também fundador da fabricante de automóveis elétricos Tesla, fez um anúncio surpreendente: quer que pôr passageiros no Espaço já em 2020. “Isto pode soar totalmente louco, mas queremos tentar entrar em órbita …

Cientistas reverteram principal sintoma da esquizofrenia em camundongos

Um medicamento que está atualmente a ser desenvolvido para tratar a leucemia reverteu (em camundongos) um sintoma de esquizofrenia anteriormente intratável: o enfraquecimento da memória de trabalho. A memória de trabalho é um processo cerebral fundamental usado …

Para as criaturas marinhas, as doenças infecciosas são a sentinela da mudança

Uma recente investigação analisou as mudanças nas doenças relatadas em espécies submarinas num período de 44 anos. A conclusão não surpreende: a saúde dos oceanos está a piorar a passos largos. A compreensão das tendências oceânicas …

Solidariedade e ambiente. Nos EUA, já é possível doar as suas peças Lego

Nunca somos demasiado velhos para brincar com peças Lego. No entanto, se estiver a ficar sem espaço para as arrumar e estiver à procura de uma forma de garantir que os seus blocos acabam em …

Eis os primeiros smartphones pensados e fabricados em África

https://vimeo.com/365789486 No Ruanda nasceram os primeiros rebentos do grupo Mara, que anunciou o lançamento dos seus dois primeiros smartphones. São os primeiros a serem totalmente fabricados em África. Estes são os dois primeiros smartphones totalmente fabricados em …

Siza Vieira recebe Grande Prémio da Academia de Belas-Artes francesa

O arquitecto Álvaro Siza Vieira recebeu o Grande Prémio de Arquitetura da Académie des Beaux-Arts, pelo conjunto do seu percurso, no valor de 35 mil euros. “É uma grande honra, porque é um prémio importante. É …

Para os jovens refugiados, um telemóvel pode ser tão importante quanto comida ou água

Entre 2015 e 2018, mais de 200.000 jovens não acompanhados reivindicaram asilo na Europa. Muitos deles, agora na União Europeia, têm uma coisa em comum: os seus smartphones. Não são apenas ferramentas para entretenimento nem uma …

Cientistas observaram pela primeira vez porcos a usar ferramentas

Uma equipa de cientistas registou pela primeira vez uma família de javalis das Visayas, num jardim zoológico em Paris, a usar paus para cavar e construir ninhos. Os porcos não gostam só de chafurdar na lama …

Transição verde: o mundo tem muito a aprender com uma pequena cidade na Islândia

Uma pequena cidade no norte da Islândia tornou-se quase neutra em dióxido de carbono (CO2). Uma equipa de cientistas viajou até ao país insular nórdico para descobrir como podemos aprender com esta cidade. Atualmente, as cidades …