“A nossa casa está a arder”. Macron diz que incêndios na Amazónia são crise internacional

Ian Langsdon / EPA

Emmanuel Macron

O Presidente francês, Emmanuel Macron, apelou na quinta-feira para que os incêndios na Amazónia sejam discutidos na cimeira do G7, que se realiza este fim de semana em Biarritz, no sudoeste de França, afirmando que esta se trata de uma “crise internacional”.

“A nossa casa está a arder. Literalmente. A floresta amazónica, o pulmão que produz 20% do oxigénio do nosso planeta, está em chamas. É uma crise internacional. Membros da cimeira do G7, vamos discutir esta emergência de primeira ordem em dois dias”, pediu o chefe de Estado na rede social Twitter, citado pela agência Lusa.

Na cimeira do G7, dos países mais industrializados do mundo, participam os líderes da Alemanha, Canadá, Estados Unidos da América, França, Itália, Japão e Reino Unido.

Também a Organização das Nações Unidas (ONU) está preocupada com os incêndios, devido aos danos imediatos e alterações climáticas, considerando na quinta-feira que a sustentabilidade desta floresta é “crítica para o bem-estar da humanidade”.

O porta-voz do secretário-geral da ONU, Stephane Dujarric, disse que a organização ainda não tem informações precisas sobre a causa dos incêndios que consomem a floresta amazónica há 16 dias, segundo a comunicação social, escusando-se a fazer comentários sobre a origem do desastre ambiental.

O porta-voz acrescentou que “a saúde destas enormes florestas é crítica para o bem-estar da humanidade” e contribui para a saúde em todo o mundo.

Ainda na quinta-feira, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, mostrou-se “profundamente preocupado” com os incêndios, onde se registaram, entre janeiro e 18 de Agosto, mais de 38 mil focos.

“Estou profundamente preocupado com os incêndios na floresta Amazónia. No meio da crise climática global, não podemos permitir mais danos a uma das mais importantes fontes de oxigénio e biodiversidade. A Amazónia deve ser protegida”, escreveu no Twitter.

A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta. Tem cerca de cinco milhões e meio de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, do Peru, da Colômbia, da Venezuela, do Equador, da Bolívia, da Guiana, do Suriname e da Guiana Francesa (território pertencente à França).

O número de incêndios no Brasil cresceu 70% este ano, em comparação com período homólogo de 2018, tendo o país registado 66,9 mil focos até ao passado domingo, com a Amazónia a ser o bioma (conjunto de ecossistemas) mais afetado.

Dados do sistema de monitorização por satélite chamado Deter, que é mantido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais brasileiro (INPE) indicam que em julho a desflorestação da Amazónia aumentou 278% em relação ao mesmo mês do ano passado.

O INPE é o organismo do Governo brasileiro que monitoriza os dados sobre a desflorestação e queimadas no país.

Bolsonaro critica “mentalidade colonialista” de Macron

Depois de o Presidente francês ter apelado para que os incêndios na Amazónia fossem debatidos na cimeira do G7, o seu homólogo brasileiro Jair Bolsonaro partiu ao ataque, referiu a Rádio Observador, citando a agência Lusa.

“Lamento que o Presidente Macron procure instrumentalizar uma questão interna do Brasil e de outros países amazónicos para ganhos políticos pessoais. O tom sensacionalista com que se refere à Amazónia – apelando até com fotos falsas – não contribui em nada para a solução do problema”, escreveu no Twitter.

Jair Bolsonaro sublinhou que “o governo brasileiro segue aberto ao diálogo, com base em dados objetivos e no respeito mútuo”, dizendo ainda que a sugestão de Emmanuel Macron, de que assuntos amazónicos sejam discutidos no G7 sem a participação dos países da região, “evoca mentalidade colonialista descabida no século XXI”.

Já num vídeo em direto para as redes sociais, o Presidente brasileiro admitiu ainda a falta de meios disponíveis para combater os incêndios na região, lançando até críticas à sugestão do Ministério da Justiça e Segurança Pública de enviar 50 homens da Força Nacional para combater o fogo. “Não tem recurso. Agora, mandar 50 homens para lá, pelo amor de Deus, não tem cabimento. Ínfimo isso aí”, sublinhou.

O deputado brasileiro Eduardo Bolsonaro, filho do Presidente e indicado para assumir o cargo de embaixador nos Estados Unidos (EUA), partilhou na quinta-feira um vídeo no qual apelida de “idiota” o chefe de Estado francês, Emmanuel Macron.

https://twitter.com/BolsonaroSP/status/1164685841370943494

“Recado para Macron”, escreveu no Twitter o terceiro filho de Jair Bolsonaro, numa publicação em que partilha um vídeo intitulado “França em Crise: Macron é um idiota”, da autoria de um ‘youtuber’ brasileiro.

Ao longo do vídeo, datado de dezembro de 2018, são mostradas imagens dos protestos dos “coletes amarelos” contra as políticas de Emmanuel Macron, enquanto o ‘youtuber’ Bernardo Küster, apoiante de Jair Bolsonaro, tece insultos à figura do chefe de Estado francês, assim como à sua forma de governar.

Ajuda internacional a chegar

O Presidente chileno, Sebastián Piñera, ofereceu “dois ou três aviões” para ajudar no combate aos fogos na região e o Presidente argentino, Mauricio Macri, revelou ter conversado com Jair Bolsonaro para se informar da situação dos incêndios e para pôr à disposição do Brasil e da Bolívia a cooperação argentina. “Estamos comprometidos a ajudar os nossos vizinhos a combater os incêndios florestais”.

Horas depois, Sebastían Piñera informou nas redes sociais que “também falou com o Presidente da Bolívia, Evo Morales, para lhe oferecer colaboração”. Esta disponibilidade para a Bolívia ajudar tem ainda mais peso porque os dois países mantém uma tensa e distante relação, devido a disputas territoriais.

A situação na Bolívia é igualmente devastadora: 744 mil hectares e 1.817 famílias que vivem na região de Chiquitania, no leste do país, foram já atingidas pelo fogo.

A Venezuela, que também tem floresta amazónica, ofereceu a sua “modesta ajuda” no combate aos incêndios. O governo de Nicolás Maduro expressou “profunda preocupação” com a situação na região.

À semelhança do que tem acontecido nos últimos dias, Jair Bolsonaro voltou a lançar críticas às organizações não governamentais (ONG), argumentando que estas não trabalham para o bem do Brasil, mas “para quem paga”.

“Esses países não mandam dinheiro por caridade. Espero que dê para entender isso daí. Mandam com interesse. Para atingir a nossa soberania”, afirmou. Antes, questionado se os fazendeiros poderiam estar na origem das queimadas, respondeu: “Pode, pode ser fazendeiro, pode. Todo mundo é suspeito, mas a maior suspeita vem de ONGs”.

E acrescentou: “Devemos dar uma reposta para o mundo e mostrar que somos responsáveis e maiores para dizer que a Amazónia é nossa. Caso contrário, vocês sabem o que pode acontecer”.

Colômbia propõe projeto de prevenção

Na quinta-feira, a Colômbia propôs aos homólogos do Brasil, Bolívia, Equador e Peru a realização de um “projeto conjunto” de prevenção face à catástrofe ambiental que se gera na zona brasileira da Amazónia.

“Propomos a realização de um projeto conjunto para avançar com a prevenção dos incêndios florestais na Amazónia e construir uma agenda conjunta para fazer face aos efeitos das alterações climáticas, da desflorestação e da degradação dessa zona”, disse o ministro colombiano do Ambiente, Ricardo José Lozano, em conferência de imprensa.

Para este projeto, afirmou que “já tem resultados muito bons na luta contra a desflorestação” e lembrou que o país registou 197.159 hectares de áreas desflorestadas de bosques naturais no ano passado, o que supõe uma redução de 22.814 hectares face aos 219.973 de 2017.

O projeto proposto pela Colômbia inclui “empreendimentos com comunidades locais, prevenção e pactos para as florestas nas quais a comunidade concorda em não realizar práticas proibidas em épocas de seca como o mês de agosto”, exemplificou o governante sul-americano.

Marcelo “profundamente sensibilizado”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, solidarizou-se na quinta-feira com o Estado e o povo do Brasil devido aos incêndios na Amazónia, mostrando-se “profundamente sensibilizado pela tragédia ambiental” que representam.

“O Presidente da República, como qualquer cidadão do Mundo, não pode ficar indiferente a estes incêndios que continuam a devastar um ‘pulmão’ do planeta”, referiu uma nota publicada na página da Presidência da República. O chefe de Estado fez “votos para que, com a brevidade possível, seja possível” pôr cobro a estes incêndios.

“O ambiente e a emergência que representam as alterações climáticas têm de ser cada vez mais uma preocupação central e comum da Humanidade”, alertou.

Fim de semana marcado por manifestações

A situação na Amazónia levou também a que fossem organizadas várias manifestações em defesa da preservação da região, um pouco por todo o mundo. No Brasil são pelo menos dez cidades com protestos agendados: São Paulo, Santos, Rio de Janeiro, Curitiba, Salvador e Atalanta esta sexta-feira e em Belo Horizonte, Manaus, Ribeirão Preto, São Carlos, Natal e Porto Velho este sábado.

No domingo, há também manifestações agendadas para algumas capitais europeias: Londres, Paris, Madrid, Lisboa e Dublin.

TP, ZAP //

PARTILHAR

16 COMENTÁRIOS

  1. Tanta hipocrisia junta! Tanta ajuda, mas ninguém ajuda! Todos falam e nenhum faz! Anda tudo profundamente abalado! Esse franciu…. Tavas melhor calado! Hipócrita.

    • Tristeza é o que tú inspiras com a tua pobreza de espírito, como diziam os índios que os espíritos do fogo te purifiquem.

  2. A Humanidade vai-se auto-destruir.
    Existe de facto população a mais no nosso planeta, e embora cada vez mais pessoas se preocupem com o meio ambiente, aqueles que gerem as grandes empresas preocupam-se cada vez menos.

  3. O que um francês que não dá conta de governar seu próprio país está falando do Brasil?
    Se ele está preocupado com o desmatamento da amazônia, que vá plantar florestas no seu território.
    Ou será que o verdadeiro problema era que a França (e outros países da Europa) se beneficiava de extração ilegal de alumínio na amazônia e agora o presidente proibiu e multou a empresa que fazia isso?

    • Tristeza é o que tú inspiras com a tua pobreza de espírito, como diziam os índios que os espíritos do fogo te purifiquem. pode ser que essa soberba um dia se desvaneça e te deixe ver que ele está a defender a vossa riqueza que mais ninguém tem e que um dia vão sentir a falta e que ao contrário de estarem a fazer tudo para a preservar olham encantados para as chamas e batem palmas. os teus descendentes vão maldizer-te para sempre e não vais poder desculpar-te com os Portugueses.

      • Triste é saber que a mídia Brasileira não cansa de boicotar o atual governo Brasileiro (que por sinal é o melhor governo brasileiro a no mínimo 20 anos pois realmente luta contra a corrupção) e a mídia portuguesa só sabe republicar as informações veiculadas da mídia brasileira sem realmente investigar a verdade (ou talvez também tenha seus interesses $$$). E por fim os portugueses (assim como o mundo inteiro) acabam sendo manipulados por motivos particulares a imprensa brasileira. Procure se informar, não acredite em tudo que se lê, por fim esse jornalismo opinativo sempre tem segundas intenções.

  4. Para apagar os incêndios da Amazónia, precisava CHOVER moderadamente, durante algum tempo.
    De onde vem a chuva que habitualmente cai sobre a a Amazónia? Vem do Pacífico!! As nuvens carregadas de humidade, quando empurradas pelo vento, batem nos picos das montanhas dos Andes, elevam-se, esfriam e o vento empurra essas nuvens que despejam a chuva sobre a Amazónia….
    Porque os ventos não estão a fazer o seu trabalho normal???
    Cliquem (hoje, dia 23 de Agosto) no link do mapa https://www.windy.com/pt/-Concentra%C3%A7%C3%A3o-de-CO-cosc?cosc,-14.760,-53.428,3
    Façam “ctrl +” e observem (através do movimento dos risquinhos brancos) quantos “caracolinhos” estão a “enrolar” o ar (próximo da ponta sul) e a obrigar o vento a rodar em sentido contrário à Amazónia….
    Lá diz um ditado popular: “Muitas são as maneiras de matar piolhos…”
    É hipocrisia internacional, SIM!!!! Façam todas as manifestações possíveis, mas não abram os olhos para VER o que na verdade se passa… e verão se terá algum efeito….
    Praticamente apenas falam na Amazónia brasileira, mas, a Bolívia também está em chamas…

    • Assim é que deveria ser dito: “os incêndios na Amazónia, são CRIME internacional!!!”.
      O mesmo é válido para os outros grandes incêndios florestais que estão a devastar o Planeta.
      Quem anda desperto na vida, quem anda acordado, ENXERGA a verdade!!!

  5. De facto o maior problema do planeta é o excesso populacional. Aliado ao estilo de vida consumista, que vorazmente consome os recursos naturais, os governos mundiais dificilmente conseguirão resolver o assunto de forma isolada e sem resolver o problema da sobrepopulação.
    Quanto às suspeitas sobre as ONG’s, a verdade é que, até nas situações de ajuda humanitária (comprovada nos casos por exemplo do Haiti e República Democrática do Congo), estas são tudo menos isentas e benévolas. Concorrem entre si pelo financiamento que lhes permite continuar a funcionar, e não se coordenam, dando azo a situações de sobreposição de ajudas e casos de vazio. Estas “vendem” a ajuda que os seus financiadores impõem (produtos, ideologia, etc).

  6. Não é por Macron dizer o que diz – tenho-o na conta de precário político, na acção e no pensamento, e em pior conceito tenho o Bolsonaro, cuja credibilidade é igual a zero – mas a teia blindada entre o poder político e económico, vulgo corrupção, atingiu tal intensidade e abrangência que a fúria e a loucura da ganância ultrapassaram, no Brasil, todos os limites, tornando este país inimputável, estando a Amazónia, parte da qual conhecemos muito bem, a atingir o limite do não retorno. Assim, é preciso que a comunidade internacional chame a si e rapidamente a gestão da Amazónia, que é património da Humanidade e não coutada privada de meia dúzia de delinquentes perigosíssimos, que devem ser presos e levados a julgamento pelo Tribunal Penal Internacional por crime contra a humanidade. Os vindouros não nos perdoarão se não salvarmos os poucos ecossistemas que no Planeta ainda podem ser salvos.

  7. Como sempre, os esquerdistas culpam os direitistas e vice-versa. Se nesta questão, olharmos não para a direita e nem para a esquerda e sim para a FRENTE, veremos o verdadeiro fato: estão empenhados na destruição grileiros, madeireiros, garimpeiros e fazendeiros pecuaristas presentes em toda a região amazônica, ao contrário do governo brasileiro, cuja presença é débil e precária. É cultural neste país atear fogo para limpar um terreno, seja para a pecuária ou outro fim. Lá temos reservas maiores que um país europeu com apenas dois funcionários na vigilância, como apontou um ex-ministro, historiador e diplomata brasileiro. Falta tudo: aviões, helicópteros, equipamento moderno de comunicação, viaturas. O pouco que se obteve foi graças a doações como as do Fundo Amazônia (Alemanha e Noruega). O governo do Brasil nem precisa fazer nada de especial para que o desmatamento (= queimadas) aumente. Basta cruzar os braços, já que os destruidores estão apenas esperando o sinal verde para agir. Sinal que este governo vem fornecendo a cada dia, por meio da impunidade.

  8. Boicote á carne e madeira vinda do Brasil até o governo Brasileiro levar o aquecimento global e a proteção da amazónia com a sua divida seriedade.
    Adicionar ao tratado Mercosur – EU artigos que salvaguardem o ambiente!!

  9. Guerra comercial, como toda guerra, castiga sempre o mais indefeso, o que já é a vítima. Emita consciência sobre a culpa destes políticos malignos. Como disseram, muito sabiamente acima: que queimem no fogo dos espíritos indígenas da floresta!!!

RESPONDER

Veneza com "centenas de milhões" de euros de prejuízo por causa das cheias

A cidade de Veneza, com inundações nos últimos dias, voltou este domingo a registar uma maré alta, mas de menor magnitude, tendo as chuvas intensas que afetam Itália levado a alertas para as cidades de …

Vila Galé abandona projeto que ameaçava reserva indígena no Brasil

O Vila Galé anunciou que vai abandonar o projeto para a instalação de um resort na região da Bahia, que tem estado debaixo de críticas por estar previsto para um local de potencial reserva indígena. Em …

Depois de ter sido expulsa da Hungria, universidade criada por George Soros reabre na Áustria

A Universidade da Europa Central, criada pelo bilionário George Soros em Budapeste, na Hungria, em 1991, foi expulsa do país depois que o primeiro-ministro Viktor Orbán a acusou de promover valores liberais no país, incluindo …

Bloco defende fim de portagens nas ex-Scut do interior

A coordenadora do BE defendeu esta segunda-feira, no Porto, o fim das portagens nas ex-Scut do interior do país e a necessidade de "rever" as parcerias público-privadas rodoviárias por serem "absolutamente lesivas para os cofres …

Jovem muçulmana de Tavira já tem equipamento para jogar basquetebol

A jovem atleta do Clube de Basquetebol de Tavira, impedida de alinhar num jogo no passado domingo, já possui o equipamento que lhe permite jogar segundo as regras da modalidade e da religião muçulmana. Fátima Habib …

Presidente da Catalunha começa a ser julgado por desobediência

O presidente do Governo regional da Catalunha reconheceu, esta segunda-feira, que não cumpriu a ordem da comissão nacional de eleições espanhola de remover os símbolos separatistas alegando ser "ilegal" e de cumprimento "impossível". "Sim, eu desobedeci", …

Um restaurante acabou de abrir a um quarteirão da Casa Branca. Chama-se "Comida de Imigrante"

Um restaurante chamado "Immigrant Food" ("Comida de Imigrante") abriu a um quarteirão da Casa Branca. O local quer fazer com que ajudar imigrantes seja tão fácil como pedir comida de um menu. Assim, além de comida, …

Trump admite testemunhar no inquérito para a sua destituição

O Presidente dos EUA admitiu, esta segunda-feira, "considerar seriamente" a possibilidade de testemunhar por escrito no inquérito para a sua destituição, que decorre no Congresso. "Embora não tenha feito nada de errado e não goste de …

INE espanhol está a "espiar" telemóveis para estudo estatístico

Um estudo do INE espanhol está a receber duras críticas por alegadamente infringir a privacidade de dados dos cidadãos. O gabinete irá monitorizar os telemóveis dos espanhóis. O Instituto Nacional de Estatística (INE) de Espanha deu …

Donald Tusk vai presidir o Partido Popular Europeu

O presidente do Conselho da União Europeia (UE) é o único candidato à presidência do Partido Popular Europeu (PPE) e vai suceder no cargo ao francês Joseph Daul. Esta será a primeira vez que um europeu …