Norte-americano detido no Egito morre após uma prolongada greve de fome

Moustafa Kassem, com nacionalidade egípcia e americana, foi condenado a 15 anos de prisão e iniciou a primeira de várias greves de fome, em protesto contra uma “prisão injusta”.

Moustafa Kassem foi detido no Cairo, no Egito, em agosto de 2013 durante a repressão sangrenta que se seguiu ao golpe militar que levou ao poder Abdel Fattah al-Sisi, general do Exército e agora Presidente do Egito. Com nacionalidade egípcia e americana, Kassem morreu esta segunda-feira depois de uma longa greve de fome.

Segundo o The New York Times, Kassem insistiu que não tinha quaisquer vínculos com a oposição e que tinha sido detido injustamente por soldados que agarraram no seu passaporte dos Estados Unidos e o pisaram.

Depois de vários anos detido, num estabelecimento de alta segurança mas com más condições, onde disse que a sua diabetes e uma doença cardíaca não foram tratadas, Kassem foi condenado a 15 anos de prisão em setembro de 2018. A partir daí, decidiu iniciar a primeira de várias greves de fome, recusando ingerir alimentos sólidos durante meses em protesto.

De acordo com o Expresso, na última sexta-feira, Kassem foi transferido para um hospital no centro da capital egípcia depois de se recusar também a ingerir líquidos, e morreu na tarde de segunda-feira.

Em junho de 2019, o Working Group on Egypt, especialistas em relações externas, abordou o caso de Moustafa Kassem numa carta endereçada ao Secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo.

Na missiva, o grupo alertava para o risco iminente de morte de Kassem, ao qual Pompeo respondeu que o bem-estar dos cidadãos americanos detidos era para ele “uma prioridade“.

Justiça egípcia ordena investigação sobre a morte

O Procurador-Geral do Egito ordenou, esta terça-feira, a realização de uma autópsia no corpo de Moustafa Kassem, que morreu na segunda-feira numa prisão egípcia em greve de fome e após quase sete anos preso.  “O Procurador-Geral ordenou hoje a realização de uma autópsia ao condenado Moustafa Kassem para conhecer as causas da morte (…)”, anunciou o Ministério Público num comunicado que a agência de notícias EFE teve acesso.

Segundo a nota, Kassem, de 54 anos, morreu na noite de segunda-feira depois de ter sido transferido do hospital da prisão de Tora, nos arredores do Cairo, para o centro médico de Qasr al-Aini para tratamento. O Procurador-Geral, Hamada al Sawy, também solicitou o registo médico do falecido e pediu que o pessoal de saúde de ambos os centros hospitalares fossem interrogados.

David Schenker, assistente do secretário de Estado dos Estados Unidos para o Médio Oriente, confirmou aos jornalistas na segunda-feira a morte de Kassem. “A sua morte sob custódia foi desnecessária, trágica e evitável. Continuarei a levantar as nossas sérias preocupações sobre os direitos humanos e os norte-americanos detidos no Egito a cada oportunidade”, disse.

Em 2018, Kasem iniciou uma greve de fome parcial para protestar contra a sua prisão, mas na quinta-feira decidiu parar de ingerir líquidos, tendo sido então transferido para o hospital de Qasr al-Aini, na capital egípcia, onde morreu quatro dias depois, disseram duas organizações não-governamentais numa declaração conjunta.

Segundo a Pretrial Rights International e a The Freedom Initiative, a causa da morte terá sido uma paragem cardíaca, já que o norte-americano era diabético e sofria de problemas cardíacos. As autoridades “limitam o acesso aos medicamentos e tratamentos necessários durante toda a prisão”, denunciam as ONG num comunicado.

Kasem imigrou para os Estados Unidos, onde obteve nacionalidade, e trabalhava como vendedor de peças automóveis. Em 2013, viajou ao Egito para visitar a sua família e foi preso na praça de Rabaa, no Cairo, a 14 de agosto, quando milhares de pessoas se reuniram por mais de um mês para protestar contra a queda do Presidente Mohamed Morsi num golpe em 3 de julho de 2013.

Segundo as ONG, Kassem foi preso quando saía de um centro comercial e, ao ser interpelado pela polícia, mostrou o seu passaporte norte-americano.

A 8 de setembro de 2018, Kassem foi condenado pelo massacre da praça de Rabaa juntamente com outras 700 pessoas e condenado a 15 anos de prisão, de acordo com uma lei anti-protesto que “viola todos os padrões de um processo justo”, denunciaram as organizações de direitos humanos na declaração.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Campanha internacional quer salvar leões subnutridos em parque no Sudão

Várias fotografias de leões subnutridos no zoo de Al-Qureshi, no Sudão, atraíram a atenção de milhares de pessoas, que tentam agora salvar os animais. O fotógrafo Ashraf Shazly encontrou cinco leões malnutridos, enjaulados e sem …

Joacine Katar Moreira defende mais direitos para deputados não inscritos em partidos

A deputada única do Livre, Joacine Katar Moreira, defendeu nesta sexta-feira o alargamento dos direitos regimentais dos deputados não inscritos em partidos, durante uma reunião do grupo de trabalho para racionalizar os votos objecto de …

Nova universidade internacional de Soros pretende combater populismo e alterações climáticas

O filantropo multimilionário George Soros vai investir mil milhões de dólares (cerca de 904 milhões de euros) numa universidade internacional que terá como foco a oposição a governos autoritários e às alterações climáticas. Segundo avançou o …

"O índio está evoluindo e cada vez mais é um ser humano igual a nós", diz Bolsonaro

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse, durante um vídeo em direto em que comentava a criação do Conselho da Amazónia, que "o índio está evoluindo e cada vez mais é um ser humano igual …

Jorge Brito Pereira deixa de ser advogado de Isabel dos Santos

O advogado anunciou, esta sexta-feira, que saiu da sociedade de advogados Uría Menéndez Proença de Carvalho, suspendeu a atividade profissional e, como consequência, vai cessar "o patrocínio jurídico" à empresária angolana. "Face às informações publicadas nos …

621 milhões de euros. Ministra reconhece que redução do défice no SNS ficou aquém

A ministra da Saúde reconheceu, esta sexta-feira, que a redução do défice do SNS em 2019 para 621 milhões ficou aquém do que estava previsto, sublinhando o aumento dos custos com pessoal. A ministra da Saúde, …

Governo prevê descontos nas portagens no interior

A ministra da Coesão Territorial disse esta sexta-feira que o novo modelo de desconto das portagens para o interior do país prevê descontos para quem vive, para quem trabalha e para quem visita no …

Excesso de higiene está a tornar a nossa saúde mais frágil, aponta estudo

Um grupo de investigação do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) divulgou recentemente um estudo sobre a perda de diversidade da flora intestinal - também denominada como microbiota - e as consequências desta diminuição na nossa …

Tiroteio na Alemanha faz pelo menos seis mortos e vários feridos

Pelo menos seis pessoas morreram e várias ficaram feridas num tiroteio, esta sexta-feira, na cidade alemã de Rot am See. Um tiroteio, cujo presumível autor foi detido, fez hoje seis mortos e dois feridos graves em …

IKEA aumenta salário de entrada dos trabalhadores para 700 euros

A IKEA aumentou o salário de entrada para trabalhadores a tempo inteiro de 650 euros para 700 euros brutos mensais, acima do salário mínimo nacional (635 euros), anunciou hoje a cadeia de venda de mobiliário. Em …