Nobel da Literatura para bielorrussa Svetlana Alexievich

Elke Wetzig / Wikimedia

A jornalista bielorrusa Svetlana Alexievich, Nobel da Literatura 2015

A jornalista bielorrusa Svetlana Alexievich, Nobel da Literatura 2015

O Prémio Nobel da Literatura 2015 foi atribuído à escritora e jornalista bielorrussa Svetlana Alexijevich “pelos seus escritos polifónicos, um monumento ao sofrimento e à coragem nos nossos tempos”.

A bielorussa, de 67 anos, é a 112º vencedora do prémio mais prestigiado da literatura, anunciado esta quinta-feira pela nova secretária permanente da Academia de Ciências Sueca, Sara Danius.

Numa declaração divulgada pela Academia, Danius afirmou que Alexijevich “esteve ocupada nos últimos trinta ou quarenta anos a mapear o indivíduo pós-soviético“.

“Não se trata de uma história sobre acontecimentos, mas sobre emoções”, afirmou Sara Danius, sublinhando que os temas retratados por Svetlana Alexievitch, como o desastre nuclear de Chernobyl, são “pretextos para conhecer o indivíduo soviético e pós-soviético”.

Svetlana Alexijevich, que sucede ao autor francês Patrick Mondiano, publicou este ano em Portugal o livro “O fim do homem soviético – um tempo de desencanto“, pela Porto Editora.

A editora Elsinore já revelou que, em 2016, publicará “Vozes de Chernobyl” (título provisório), outra obra da série “Vozes da utopia”, dedicada ao fim da era soviética.

Exílio e investigação

Nascida sob bandeira soviética, em Ivano-Frankovsk, na Ucrânia, Svetlana Alexijevich é filha de um militar bielorrusso e mãe ucraniana. Entre 1967 e 1972, a autora estudou jornalismo na Universidade de Minsk.

A academia refere que, devido às posições políticas críticas ao regime, Alexijevich viveu exilada na Itália, França, Alemanha e Suécia.

Os seus livros estão traduzidos em 22 línguas e alguns foram já adaptados para cinema e teatro.

Em 2013 foi distinguida com o Prémio Médicis Ensaio pela obra “O fim do homem soviético”, que encerra a série de cinco volumes “Vozes da utopia”, na qual aborda a ex-União Soviética (URSS) e a sua queda, numa perspectiva individual.

A série foi iniciada com “A guerra não tem o rosto de uma mulher” (tradução livre), primeiro livro da autora e que se baseia em entrevistas a centenas de mulheres que participaram na II Guerra Mundial (1939-45).

Em declarações por telefone à televisão pública sueca SVT, Alexijevich disse que conquistar o Nobel da Literatura é “uma sensação fantástica, mas, ao mesmo tempo, um pouco perturbadora”.

“Penso de imediato em grandes nomes como Bunin Pasternak”, disse, referindo-se a Boris Pasternak, poeta e romancista russo, autor de “Dr. Jivago”, distinguido com o Nobel da Literatura em 1958.

Ao jornal Svenska Dagbladet, a autora explicou que, pessoalmente, o galardão ser-lhe-á favorável: “Significa que já não será tão fácil os poderosos da Bielorrússia e da Rússia repudiarem-me com um gesto”.

Para além de Alexijevich, vários nomes tinham sido dados como favoritos pela imprensa internacional, como o queniano Ngugi wa Thiong’O, o japonês Haruki Murakami, o poeta sírio Adonis, os norte-americanos Philip Roth e Joyce Carol Oates, o norueguês Jon Fosse e o sul-coreano Ko Un.

Mulheres no Nobel

De acordo com a página oficial dos prémios Nobel, a Academia Sueca recebeu 259 candidaturas, tendo escolhido 198 autores, entre os quais 36 que foram nomeados pela primeira vez.

Atribuído pela primeira vez em 1901 ao escritor Sully Prudhomme, o Nobel da Literatura distinguiu em 1998 o escritor português José Saramago.

O prémio tem um valor monetário de 860 mil euros.

Na história do Nobel da Literatura somam-se agora 14 mulheres distinguidas com o galardão, sete delas nos últimos 25 anos.

A mais recente foi a escritora canadiana Alice Munro, em 2013, antecedida da alemã de origem romena Herta Müller, em 2009, da britânica Doris Lessing, em 2007, da austríaca Elfriede Jelinek, em 2004, da norte-americana Toni Morrison, em 1993, e da sul-africana Nadine Gordimer, em 1991.

A poetisa alemã Nelly Sachs, em 1966, a chilena Gabriela Mistral, em 1945, a romancista norte-americana Pearl S. Buck, em 1938, a escritora norueguesa Sigid Undset, em 1928, e a italiana Grazia Deledda, em 1926, foram as anteriores.

A sueca Selma Lagerlöf, autora de “A maravilhosa viagem de Nils Holgersson”, foi a primeira mulher distinguida com o Nobel da Literatura, em 1909.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Turista danifica escultura do século XIX enquanto posa para fotografia (e é apanhado pelas câmaras de vigilância)

A polícia italiana identificou um austríaco de 50 anos que danificou uma estátua do século XIX num museu em Itália, enquanto posava para uma fotografia. O incidente ocorreu no passado dia 31 de junho, segundo …

Covid-19: Brasil supera as 100.000 mortes

O Brasil ultrapassou hoje a barreira das 100.000 mortes associadas à covid-19, quase cinco meses depois da confirmação do primeiro óbito no país, indicam dados oficiais divulgados pelas secretarias regionais de Saúde. Segundo os mais recentes …

As vacas leiteiras têm relações complexas (que se alteram quando mudam de grupo)

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Chile e dos Estados Unidos concluiu que as vacas leiteiras vivem em redes sociais complexas que se alteram quando estes animais são movidos para outros grupos.  Para …

Virgin Galactic quer desenvolver avião comercial supersónico (que promete superar a velocidade do som)

A Virgin Galactic vai aliar-se à Rolls-Royce para criar um avião comercial supersónico, ainda mais rápido do que o mítico Concorde. A empresa de turismo espacial Virgin Galactic anunciou uma parceria com a Rolls-Royce para desenvolver …

PayPal resiste à pandemia. Volume de pagamentos cresce 30% no segundo trimestre

O volume de pagamentos através do PayPal cresceu 30% no segundo trimestre. A empresa parece resistir à pandemia de covid-19, que abalou o setor das viagens, cujos pagamentos estão muitas vezes associados a meios eletrónicos. …

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de beberem desinfetante para as mãos

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de ingerirem desinfetante para as mãos à base de álcool, revelou um relatório do Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) do país esta quarta-feira publicado. De …

Jim Hackett deixa a Ford após três anos de liderança

Ao fim de três anos como CEO da Ford, Jim Hackett será substituído por Jim Farley. Um mandato que fica marcado por problemas financeiros, de produção e pela morte dos três volumes e utilitários. O mandato …

Covid-19: Portugal tem mais 186 casos e quatro pessoas morreram desde sexta-feira

Portugal regista hoje mais quatro mortos e 186 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sexta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o relatório da DGS sobre a situação …

Versão americana da Eurovisão chega em 2021

O Festival Eurovisão da Canção — o maior espetáculo de entretenimento televisivo do mundo — vai chegar aos Estados Unidos no final do próximo ano. A novidade foi divulgada, esta sexta-feira (7), em comunicado oficial. A …

Contratações na TVI após apoios financeiros "suscitam preocupação"

O professor universitário e ex-ministro Miguel Poiares Maduro manifestou "preocupação" relativamente às contratações na TVI, da Media Capital, grupo que beneficia do apoio do Estado, através da compra antecipada de publicidade institucional. Em entrevista à Lusa, …