Nobel da Física defende uso de iluminação LED para combater aquecimento global

Lux Magazine / Flickr

Shuji Nakamura, um dos inventores do díodo eletroluminescente (LED)

Shuji Nakamura, um dos inventores do díodo eletroluminescente (LED)

O prémio Nobel da Física Shuji Nakamura defende o uso das lâmpadas LED como alternativa mais eficiente do que as antigas fontes de luz para reduzir o consumo de energia e combater o aquecimento global.

“De forma a evitarmos o aquecimento global, temos de reduzir o consumo de energia drasticamente, mas, no campo da eletricidade, a única opção atualmente são os LED”, disse esta sexta-feira, à margem de uma palestra no Centro de Ciência de Macau.

Professor na Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, Shuji Nakamura foi um dos três laureados no ano passado com o Prémio Nobel da Física, juntamente com Isamu Akasaki e Hiroshi Amano pela invenção do díodo eletroluminescente (LED), tecnologia que permite significativas poupanças de energia.

Os três investigadores produziram raios brilhantes de luz azul a partir de semicondutores no início da década de 1990, desencadeando uma transformação fundamental na tecnologia de iluminação, segundo o júri do prémio Nobel.

Antes, já existiam díodos vermelhos e verdes, mas sem a luz azul não podiam ser criadas lâmpadas brancas. Criar o LED azul foi um desafio que se arrastou por três décadas.

As lâmpadas LED emitem uma luz branca brilhante, têm longa duração e usam muito menos energia do que as lâmpadas incandescentes criadas por Thomas Edison no século XIX.

Por terem necessidades de eletricidade muito baixas, as lâmpadas LED podem ser ligadas à energia solar, barata e local, uma vantagem para mais de 1,5 mil milhões de pessoas em todo o mundo que não têm acesso à rede de eletricidade.

Shuji Nakamura também falou em Macau sobre a sua investigação atual de iluminação a laser. “Está em desenvolvimento. O preço ainda é muito alto e a eficiência não é elevada em comparação com os LED, por isso temos de resolver estes dois problemas, o que pode levar entre cinco e dez anos”, estimou.

Questionado sobre o problema da poluição luminosa em Macau, o físico respondeu com outra pergunta: “Mas isto é um local de entretenimento, como é que as pessoas vão desfrutar da diversão se não houver luz lá fora?”

Para o investigador, a questão deve ter um tratamento diferenciado nas zonas residenciais e de diversão, a exemplo do que acontece nos Estados Unidos, onde “é tudo muito escuro” fora das áreas de entretenimento.

Organizada pelo Centro de Ciência e coorganizada pela Associação para a Promoção da Ciência e da Tecnologia de Macau, a palestra inseriu-se nas comemorações do Ano Internacional da Luz e das Tecnologias baseadas em Luz, proclamado para 2015 pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Infetados que furem quarentena podem arriscar prisão preventiva

Em Portugal, o crime de propagação de doença tem uma moldura penal que pode ir até oito anos de prisão, admitindo ainda medidas de coação privativas da liberdade, como é o caso da prisão preventiva. Assim, …

Conquistadores espanhóis usaram técnicas indígenas para construir as suas armas

Um novo estudo concluiu que os invasores espanhóis foram obrigados a aprender com os indígenas da Mesoamérica sobre a produção de cobre. Descobertas arqueológicas em El Manchón, no México, apoiam a ideia de que invasores espanhóis, desesperados …

Açambarcamento de medicamentos por Portugal? "É um total absurdo", diz Infarmed

O Infarmed - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde reagiu à acusação feita por uma organização belga, que dizia que Portugal está a fazer um armazenamento excessivo de medicamentos essenciais para o tratamento …

Descoberto âmbar com 40 milhões de anos com duas moscas a acasalar

Há 40 milhões de anos, no supercontinente Gonduana, duas moscas que se encontravam a acasalar viram-se, inesperadamente, numa situação complicada. De alguma forma, este par de moscas de pernas longas (Dolichopodidae) ficou preso na seiva pegajosa …

40 marinheiros do porta-aviões Charles de Gaulle com sintomas de covid-19

Quarenta marinheiros do porta-aviões francês Charles de Gaulle apresentaram recentemente "sintomas compatíveis" com os da infeção pelo novo coronavírus e estão sob "observação médica reforçada", anunciou o Ministério da Defesa. "A partir de hoje, uma equipa …

Medidas para as prisões, apoios às empresas, suspensão de tarifas. Parlamento discute mais de 100 iniciativas

Medidas excecionais para prisões e banca, mais apoios às empresas ou à cultura ou a suspensão de propinas e das tarifas de gás e luz são alguns dos temas que vão passar esta quarta-feira pelo …

Trump tem "interesse financeiro" em farmacêutica que produz hidroxicloroquina (a sua "cura" para a Covid-19)

Donald Trump falou da hidroxicloroquina como uma potencial "cura milagrosa" para a Covid-19, apesar das recomendações contrárias de especialistas e da falta de estudos científicos válidos que confirmem os benefícios da substância. O The New …

Restos de bombas atómicas revelam longa vida dos tubarões-baleia

Cientistas estão a determinar a esperança de vida do maior peixe dos oceanos com a ajuda de testes de bombas atómicas realizados durante a Guerra Fria, entre os anos 50 e 60. Em perigo de extinção, …

Telescópio russo apanha o despertar de um buraco negro

O telescópio russo ART-XC do observatório espacial Spektr-RG detetou uma fonte brilhante de raios-X no centro da Via Láctea, que acabou por revelar ser o "despertar" do buraco negro 4U 1755-338. A descoberta ocorreu no passado …

O cometa interestelar 2I/Borisov partiu-se em dois

O cometa interestelar 2I/Borisov, o primeiro do seu tipo a ser descoberto em agosto do ano passado, começou a dividir-se em duas partes na semana passada. As imagens contínuas do telescópio espacial Hubble do objeto interestelar …