Nobel da Física defende uso de iluminação LED para combater aquecimento global

Lux Magazine / Flickr

Shuji Nakamura, um dos inventores do díodo eletroluminescente (LED)

Shuji Nakamura, um dos inventores do díodo eletroluminescente (LED)

O prémio Nobel da Física Shuji Nakamura defende o uso das lâmpadas LED como alternativa mais eficiente do que as antigas fontes de luz para reduzir o consumo de energia e combater o aquecimento global.

“De forma a evitarmos o aquecimento global, temos de reduzir o consumo de energia drasticamente, mas, no campo da eletricidade, a única opção atualmente são os LED”, disse esta sexta-feira, à margem de uma palestra no Centro de Ciência de Macau.

Professor na Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, Shuji Nakamura foi um dos três laureados no ano passado com o Prémio Nobel da Física, juntamente com Isamu Akasaki e Hiroshi Amano pela invenção do díodo eletroluminescente (LED), tecnologia que permite significativas poupanças de energia.

Os três investigadores produziram raios brilhantes de luz azul a partir de semicondutores no início da década de 1990, desencadeando uma transformação fundamental na tecnologia de iluminação, segundo o júri do prémio Nobel.

Antes, já existiam díodos vermelhos e verdes, mas sem a luz azul não podiam ser criadas lâmpadas brancas. Criar o LED azul foi um desafio que se arrastou por três décadas.

As lâmpadas LED emitem uma luz branca brilhante, têm longa duração e usam muito menos energia do que as lâmpadas incandescentes criadas por Thomas Edison no século XIX.

Por terem necessidades de eletricidade muito baixas, as lâmpadas LED podem ser ligadas à energia solar, barata e local, uma vantagem para mais de 1,5 mil milhões de pessoas em todo o mundo que não têm acesso à rede de eletricidade.

Shuji Nakamura também falou em Macau sobre a sua investigação atual de iluminação a laser. “Está em desenvolvimento. O preço ainda é muito alto e a eficiência não é elevada em comparação com os LED, por isso temos de resolver estes dois problemas, o que pode levar entre cinco e dez anos”, estimou.

Questionado sobre o problema da poluição luminosa em Macau, o físico respondeu com outra pergunta: “Mas isto é um local de entretenimento, como é que as pessoas vão desfrutar da diversão se não houver luz lá fora?”

Para o investigador, a questão deve ter um tratamento diferenciado nas zonas residenciais e de diversão, a exemplo do que acontece nos Estados Unidos, onde “é tudo muito escuro” fora das áreas de entretenimento.

Organizada pelo Centro de Ciência e coorganizada pela Associação para a Promoção da Ciência e da Tecnologia de Macau, a palestra inseriu-se nas comemorações do Ano Internacional da Luz e das Tecnologias baseadas em Luz, proclamado para 2015 pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O buraco negro mais faminto do Universo engole por dia uma massa equivalente à do Sol

No centro do quasar mais brilhante já descoberto "mora" um dos maiores buracos negros que é também o mais "faminto" de todo o Universo: por dia, engole o equivalente à massa do nosso Sol. As …

Cientistas investigam estranho gelo cor-de-rosa num glaciar dos Alpes italianos

Uma equipa de cientistas anunciou esta segunda-feira estar a tentar averiguar a origem de gelo cor-de-rosa num glaciar nos Alpes italianos. O fenómeno deverá ser provocada por algas que aceleram os efeitos das mudanças climáticas. A origem …

Especialistas de 32 países alertam OMS: covid-19 também se transmite pelo ar

Numa carta aberta à Organização Mundial de Saúde, 239 cientistas pedem que a organização reveja as recomendações que tem emitido, alertando para o facto de a covid-19 poder transmitir-se pelo ar. Numa carta dirigida à Organização …

Moreirense 0-0 Sporting | Nulo em jogo de pólvora seca

A 30ª jornada fechou no Minho com um nulo entre Moreirense e Sporting, que continua sem derrotas sob o comando de Rúben Amorim. A formação leonina poderia muito bem ter vencido em Moreira de Cónegos, pois …

Armazém flutuante. A China está a guardar petróleo no mar (e já se sabe porquê)

A China está a guardar uma quantidade épica de petróleo no mar. De acordo com a CNN, o país comprou tanto petróleo estrangeiro a preços baratos que formou um congestionamento maciço de navios-tanque no mar, …

Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba por causa da covid-19

Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a "pedra negra", presentes na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as …

Países Baixos continuam a abater milhares de martas. 20 quintas afetadas pela pandemia

Esta segunda-feira, as autoridades holandesas abateram milhares de martas em mais duas fazendas onde foram detetados surtos de covid-19. Esta segunda-feira, as autoridades abateram milhares de martas em mais duas fazendas, sendo agora 20 as quintas …

Cientistas criam robô para fazer testes à covid-19 (e proteger os profissionais de saúde)

O Korea Institute of Machinery & Materials (KIMM) desenvolveu um novo robô de coleta remota de amostras que elimina o contacto direto entre os profissionais de saúde e os pacientes, potencialmente infetados com o novo …

"Não use desodorizante". A peculiar estratégia de Berlim para promover o uso de máscaras nos transportes públicos

"Não use desodorizante". Esta é a peculiar campanha adotada pela empresa que controla os transportes públicos em Berlim, na Alemanha, para promover o uso correto de máscaras, evitando assim novos casos de covid-19.  Tal como escreve …

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de amostras do vírus em Espanha, …