Nikola Tesla pagou a sua conta de hotel com um “raio da morte”

Nikola Tesla foi um dos génios e inventores mais impressionantes que o mundo conheceu, mas não estava muito lúcido nos últimos anos da sua vida.

Tesla dizia ter inventado o “raio da morte“, uma arma que, na teoria, poderia enviar um fluxo de energia até distâncias entre 400 e 400 mil quilómetros. Segundo o cientista, a invenção seria capaz de atingir a ionosfera, uma das camadas da atmosfera terrestre.

O inventor foi mais longe e alegou que não só tinha inventado o dispositivo, como tinha também criado um protótipo funcional.

Segundo o IFL Science, Nikola Tesla chegou a viver no Hotel Governor Clinton e tinha uma dívida que ascendia aos 20 mil dólares. A solução passou por oferecer ao hotel uma garantia: um “raio da morte” totalmente funcional.

Se não conseguisse pagar a conta no check-out, o hotel poderia simplesmente vender o dispositivo, assumindo que a indústria dos serviços hoteleiros se deparava com muitos comerciantes de armas.

Nos últimos 10 anos da sua vida, o inventor ficou hospedado no New Yorker Hotel, mesmo não tendo como pagar a estadia. A solução encontrada no caso anterior serviu também neste caso: o hotel ficou satisfeito com o seu inestimável “raio da morte”.

Na altura, Tesla deu-lhes algumas instruções rigorosas sobre como lidar com o dispositivo, até porque não basta entregar uma bomba nuclear e dizer “carregue no botão” – caso contrário, podem suspeitar de que não se trata mesmo de uma bomba nuclear.

A instrução mais clara de todas foi: “não abram a caixa em circunstância alguma“. Parecia suspeito, mas ninguém ousou questionar o homem que inventa, cria e transporta um “raio mortal”.

Nikola Tesla, nascido no Império Austro-Húngaro, morreu a 7 de janeiro de 1943, aos 85 anos, no hotel em Nova Iorque. Para trás ficou uma quantia avultada por saldar.

Após a morte do inventor, engenheiro e matemático a caixa acabou por ser aberta. No interior havia botões e fios, mas nenhum sinal da sua invenção.

Por outras palavras, Tesla atirou alguns componentes elétricos comuns para uma caixa de aspeto elegante e convenceu todos de que se tratava de um “raio da morte” no valor de 10 mil dólares.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.