Neurobiólogo descobre “botão” que ativa instinto predatório em cobaias

(CC0/PD) angelic / pixabay

Os mecanismos cerebrais que controlam comportamento predatório em animais ainda são desconhecidos

Os mecanismos cerebrais que controlam comportamento predatório em animais ainda são desconhecidos

Uma equipa de cientistas do Laboratório de Neurobiologia Universidade Yale, nos EUA, afirma ter desvendado o mecanismo cerebral que ativa o comportamento predatório em animais.

No estudo publicado na revista científica Cell, o cientista Ivan de Araújo diz ter descoberto uma espécie de “botão” que desperta o instinto de caça em camundongos, através do uso de lasers numa região específica do cérebro dos animais – a amígdala central.

Investigações anteriores já tinham mostrado que a amígdala central, área do cérebro envolvida na produção de emoções, é ativada quando os camundongos caçam. A equipa de cientistas quis determinar se a amígdala também controla os comportamentos predatórios, e os resultados sugerem que sim.

Através de uma técnica chamada optogenética, os especialistas infetaram os animais com um vírus que torna os neurónios sensíveis à luz azul e, com o uso de uma fibra ótica, iluminaram a amígdala com um laser azul – o que provocou tensão na mandíbula e nos músculos do pescoço.

“Conhecemos muito pouco sobre o funcionamento do mecanismo de caça, que é um arsenal de programas motores que regulam uma série de atividade, desde a velocidade à aniquilação da presa. E nós desvendamos parte do circuito”, explicou Araújo à BBC.

Quando o laser estava ligado, as cobaias caçaram tudo o que foi posto à sua frente – desde grilos a tampas de garrafa. O comportamento foi igual quando os cientistas usaram moléculas, em vez de luz, para estimular a amígdala e ativar os neurónios.

Os comportamentos predatórios foram observados mesmo quando não havia nada para os camundongos caçarem. Em gaiolas vazias, por exemplo, o estímulo fez com que os animais posicionassem as patas dianteiras como se estivessem a segurar um alimento e movessem as bocas como se estivessem a mastigá-lo.

Segundo o cientista Ivan de Araújo, a equipa pensou na hipótese do desenvolvimento de uma agressividade mais generalizada, mas os animais não demonstraram qualquer comportamento agressivo uns com os outros.

“Uma das questões a que temos de responder é porque é que os estímulos não resultaram em ataques. Algo no cérebro das cobaias impediu que se agredissem umas às outras“, destacou.

O especialista acredita que o novo estudo pode facilitar futuras investigações acerca do comportamento animal, incluindo um possível “botão” que ative a agressividade tanto em animais como em humanos.

“Um trabalho como o nosso pode ajudar a melhorar o entendimento de mecanismos humanos. Há investigações, por exemplo, que estudam certos tipos de demência que fazem com que os pacientes mordam objetos“, disse o cientista.

“Na questão da agressividade, ainda há um debate muito grande sobre quanto é que o ambiente pode influenciar um comportamento violento, por exemplo”, acrescentou.

“Outro ponto importante é a constatação de que uma rede neural relativamente simples controla um processo complexo como a caça, e que a amígdala central é uma região fundamental para isso.”

O cientista diz que esta descoberta pode ser relevante para investigações no campo da robótica, como o sistema de navegação de veículos que têm de funcionar em ambientes complexos como outros planetas, mas afirma que ainda há muito trabalho a ser feito no mapeamento de redes neurais e no funcionamento do cérebro.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

"DeepNude". Inteligência Artificial "tirou a roupa" a mulheres nas redes sociais

A empresa de informação Sensity alertou que mais de 100 mil imagens foram carregadas para um canal de Telegram onde um bot "tirou a roupa" de mulheres. A empresa de segurança Sensity revelou recentemente que existe …

Poluição atmosférica "custa" a cada citadino europeu 1.276 euros por ano

A poluição atmosférica "custa" 1.276 euros por ano a cada cidadão europeu residente em cidades, de acordo com um estudo da Aliança Europeia de Saúde Pública (EPHA) divulgado esta quarta-feira. O estudo chegou ao valor médio …

"Emergência arqueológica". O degelo dos Alpes está a "libertar" artefactos escondidos há milhares de anos

As alterações climáticas podem estar a ajudar os arqueólogos a encontrar artefactos escondidos nos glaciares do Alpes há milhares de anos. O derretimento dos glaciares dos Alpes está a "liberta" objetos que permaneceram congelados no tempo …

Thermite RS3 é o primeiro robô de combate a incêndios dos EUA (e está pronto a entrar ao serviço)

O Corpo de Bombeiros de Los Angeles, nos Estados Unidos, deu as boas-vindas ao mais recente membro da equipa: um bombeiro robótico. O Thermite RS3 é um rover de controlo remoto capaz de bombear milhares de …

Inventor dinamarquês que matou jornalista no seu submarino escapou da prisão (mas já foi apanhado)

O inventor dinamarquês Peter Madsen, condenado a prisão perpétua por torturar e assassinar a jornalista sueca Kim Wall, fugiu da prisão esta terça-feira.  As autoridades dinamarquesas capturaram-no minutos depois. Peter Madsen, o dinamarquês condenado a prisão …

Molécula descoberta por menina de 14 anos pode levar a uma cura para a covid-19

A jovem norte-americana de 14 anos, Anika Chebrolu, descobriu uma molécula que pode levar a uma potencial cura para a covid-19. Enquanto cientistas dos quatro cantos do mundo trabalham no desenvolvimento de uma vacina para a …

Cerca de 1.300 reclusos fogem de prisão no Congo após ataque do Estado Islâmico

Cerca de 1.300 reclusos escaparam de uma prisão na República Democrática do Congo na manhã de terça-feira, após um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico, informou a Organização das Nações Unidas (ONU). Embora as autoridades locais tenham …

Amesterdão vai usar flores para impedir que os ciclistas estacionem bicicletas nas pontes

A cidade conhecida pelo uso de bicicletas, vai agora tomar uma medida em relação ao estacionamento destas nas pontes. Tudo para proteger as vistas para os seus famosos canais. Amesterdão orgulha-se de ser uma das cidades …

Morreu voluntário envolvido no ensaio da vacina de Oxford. Tinha 28 anos e era médico recém-formado

As autoridades de saúde brasileiras divulgaram esta quarta-feira a morte de um voluntário dos testes da vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), …

Milo, o "comunicador de ação" que permite conversar em grupo durante atividades ao ar livre

Chegou o Milo, o novo aparelho que vai revolucionar as aventuras em grupo. Este pequeno dispositivo permite-lhe conversar com o seu grupo à distancia sem precisar de levar o smartphone para o meio da montanha, …