Netflix retrata a trágica história de Nicolau II, o último czar da Rússia

A Netflix acaba de lançar The Last Czars, uma série documental sobre a história de Nicolau II e a sua família, que acabou por ditar o fim da dinastia de 300 anos dos Romanov e a queda do Império Russo.

Nicolau II, filho de Alexandre III, governou durante duas décadas após a morte prematura do pai, que morreu em 1894 com apenas 49 anos. Batizado como “o Sanguinário”, o último czar da Rússia assumiu o trono com 29 anos.

O seu reinado foi marcado pela queda catastrófica da Rússia como potência económica e militar. Os protestos do povo foram ganhando força nas ruas, tendo depois a Revolução Russa de 1917 acabado por obrigar Nicolau II a abdicar do trono.

Meses após abdicar para o seu irmão, o grão-duque Miguel Alexandrovich, Nicolau II e sua família – a sua esposa, a imperatriz Alexandra Feodorovna, as suas quatro filhas – Olga, Maria, Anastásia e Tatiana – e o seu único filho homem, o herdeiro Alexei, foram executados no porão de casa pelos bolcheviques na madrugada de 16 para 17 de julho de 1918 por medo que fossem libertados por uma ofensiva do Exército Branco.

O médico da família, um servo, uma camareira e o cozinheiro da família foram também mortos nesta execução atribuída a Vladimir Lenin, que estabeleceu depois um Governo Provisório na Rússia, e ao líder bolchevique Yakov Sverdlov.

Produzia pela Nutopia, a série conta com seis episódios de cerca 40 minutos e alia ficção e história. Situada no início da década de 1910, a produção é já considerada um dos grandes lançamentos da plataforma norte-americana de streaming.

“[A série] é cerca de 80% drama e 20% documentário”, descreveu a atriz Susanna Herbert, que interpreta a czarina Alexandra, citada pelo Harper’s Bazaar UK.

“É um estilo bem novo porque é uma produção realmente de alta qualidade e épica em escala, mas [quem vê] tem também o benefício adicional de ouvir historiadores de classe mundial para explicar alguns dos contextos nos bastidores”, apontou.

A crítica ao sotaque britânico

Apesar do novo estilo da produção, a série tem recebido algumas críticas. Segundo o jornal britânico The Guardian, a série não está a ser bem recebida pelos russos, ao contrário do que aconteceu com Chernobyl, uma produção da HBO que cativou a audiência pelo rigor histórico e pelos detalhes meticulosamente apresentados.

Uma das falhas mais apontadas, quer pela crítica como também pelos utilizadores das redes sociais, é o sotaque britânico com que os atores falam na produção. Susanna Herbert explicou, citada pelo mesmo média, que os criadores da série queriam despertar a reação oposta nos espetadores.

Segundo a atriz, os responsáveis optaram por esta liberdade criativa, permitindo que os atores da série falassem normalmente, não forçando assim um sotaque diferente do seu.

“O diretor e os produtores estavam realmente certos de que queriam que as pessoas se conectassem com os personagens como humanos, como pessoas com quem podiam se relacionar. Não tinha sotaque alemão ou sotaque russo – tinha o meu próprio sotaque”, começou por explicar a atriz.

“Não fui para acentuar os sotaques do drama da época real (…) Nesse sentido, a produção é muito diferente dos outros dramas de época. [O sotaque] não é cortado nem retido. Colocamos tudo na mesa”, completou.

Além do sotaque dos atores, têm sido apontados outros erros na produção. Há uma cena na Praça Vermelha, datada de 1905, onde é possível ver o túmulo de Lenin, que só foi construído vinte anos depois, em 1924, já depois da queda do último czar da Rússia.

Outra falha “irritante”, tal como descreve o diário britânico, está relacionado com o próprio substantivo “czar”. Segundo explica o jornal, o termo czar reflete a tradução americanizada, sendo a versão britânica da palavra, tsar, preferida entre os russos.

Contudo, há quem aclame também a produção, dando conta que se trata de uma série desenhada para uma audiência mais global. O The Guardian elogia a cinematografia e os figurinos que descreve como “lindos”. “Às vezes, a dramatização em si torna-se maravilhosamente agradável, com a mesma vibração melosa de Downton Abbey (que é muito amada pelos telespectadores russos)”.

Já o britânico Wall Street Journal destaca a capacidade da série em manter a audiência agarrada à trama. “É uma produção que mistura factos históricos com uma dramatização capaz de manter o telespectador interessado o tempo inteiro”, pode ler-se.

A história dos últimos czares da Rússia, pontuada com 7,2 no IMBD duas semanas após a sua estreia em Portugal, intriga historiadores há vários anos. Só no ano passado, é que foi possível confirmar que os restos mortais encontrados em 1993 e 2007 perto da cidade russa de Ekaterinburgo pertenciam a Nicolau II e à sua família.

Um século depois da sua morte, a investigação do assassinato da família real continua. O Comité de Investigações da Rússia revelou em julho passado que os cientistas estão a analisar cerca de 2 mil documentos relacionados com a morte dos últimos Romanov.

SA, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Polícias saem à rua para reivindicar promessas do Governo. Chega e mais seis partidos vão ao protesto

Elementos das forças de segurança (PSP e GNR) manifestam-se esta quinta-feira, em Lisboa, para pressionarem o novo Governo a cumprir as reivindicações da classe e as promessas do anterior Executivo. Sob o lema “tolerância zero”, a …

Homens ficam mais stressados quando esposas ganham quase tanto como eles

https://vimeo.com/374392301 Um novo estudo sugere que o homem fica mais stressado quando a mulher ganha mais do que 40% do rendimento do casal. Em sentido contrário, ficam menos ansiosos quando a esposa ganha menos do que …

Estratégia Nacional para Sem-Abrigo prevê que ninguém fique na rua mais de 24 horas

A atual Estratégia Nacional para a Integração das Pessoas em Situação de Sem-Abrigo está assente num modelo de intervenção em que ninguém fique na rua por mais de 24 horas e um conhecimento permanente do …

Protesto nacional de quinta-feira na Colômbia leva governo a encerrar fronteiras

A Colômbia é esta quinta-feira palco de um protesto nacional convocado por sindicatos e movimentos sociais, que levou as autoridades a adotarem várias medidas preventivas, designadamente o encerramento das fronteiras. O objetivo do Governo é assegurar …

Na Austrália, há cobras que saltam (e os cientistas querem saber porquê)

Cientistas da Virgínia, no Estados Unidos, descobriram na Austrália uma espécie de cobra comum das árvores que é capaz de saltar entre galhos e folhas. Tratam-de das cobras de árvores australianas da espécie Dendrelaphis, espécimes …

Entomólogo diz que há "abelhas" em Marte (e tem provas)

Enquanto os cientistas tentam encontrar vida em Marte com experiências no terreno, como a sonda Curiosity, o entomólogo William Romoser, professor emérito na Universidade do Ohio, nos Estados Unidos, afirma que já temos provas da …

Luas de Neptuno dançam de forma única e perpétua

De acordo com uma investigação publicada recentemente, mesmo para os padrões selvagens do Sistema Solar exterior, as órbitas estranhas das duas luas mais interiores de Neptuno não têm rival. Especialistas em dinâmica orbital estão a chamar …

O Senhor dos Anéis. Série já tem segunda temporada garantida (e a primeira ainda nem estreou)

A primeira temporada da série de O Senhor dos Anéis, produzida pela Amazon Prime, ainda nem estreou e a sua segunda temporada já está confirmada. A declaração foi feita por Jennifer Salke, da Amazon Studios, ao …

John Legend atua em julho no festival EDP Cool Jazz

O músico norte-americano, responsável por temas como "All of me" e "Ordinary People", regressa a Portugal, em julho, para um concerto no festival EDP Cool Jazz, em Cascais. John Legend atua a 3 de julho no …

Cruzeiro de luxo que rumava à Antártida está retido há quase 20 dias devido a uma dívida milionária

Um cruzeiro de luxo que rumava à Antártida está retido há quase 20 dias em Buenos Aires, na Argentina, devido a uma dívida milionária.  Trata-se do cruzeiro turísitico RCGS Resolute que pertence à empresa do Canadá …