Netanyahu quer anexar “todos os colonatos” na Cisjordânia ocupada

World Economic Forum / Flickr

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel

Benjamin Netanyahu afirma que quer “estender a soberania a todos os colonatos”, incluindo alguns que sejam importantes para a herança de Israel. Eleições são esta terça-feira.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, prometeu esta segunda-feira anexar “todos os colonatos” na Cisjordânia ocupada, incluindo um enclave no coração da maior cidade palestiniana, na véspera das eleições em Israel.

“Pretendo estender a soberania a todos os colonatos e blocos (colonatos)”, incluindo “locais que tenham importância de segurança ou que sejam importantes para a herança de Israel”, disse Netanyahu numa entrevista à rádio do exército de Israel. Questionado se isso incluía centenas de judeus que vivem sob pesada guarda militar no meio de dezenas de milhares de palestinianos na volátil cidade de Hebron, Netanyahu respondeu: “É claro”.

Netanyahu luta pela sua sobrevivência política, entre uma corrida eleitoral acirrada e problemas legais que pairam sobre o primeiro-ministro. Os israelitas vão às urnas na terça-feira, pela segunda vez este ano, depois de Netanyahu não conseguir formar governo após a votação de abril, provocando a dissolução do parlamento.

Nas últimas semanas, Netanyahu fez uma série de promessas ambiciosas numa tentativa de aumentar o seu apoio, incluindo a promessa de anexar o vale do Jordão, uma área que os israelitas veem como estratégica, mas que os palestinianos consideram o celeiro do seu Estado futuro.

Os críticos afirmam que as promessas de Netanyahu, se cumpridas, irão inflamar o Médio Oriente e eliminar qualquer esperança palestiniana remanescente de estabelecer um Estado separado. Os seus rivais políticos rejeitaram a ideia de anexação e consideram-na uma jogada eleitoral, observando que o primeiro-ministro se absteve de anexar qualquer território durante mais de uma década no poder.

Israel retirou a Cisjordânia e Jerusalém Oriental da Jordânia na guerra de 1967. Mais de 2,5 milhões de palestinianos vivem atualmente nos territórios ocupados, além de quase 700.000 colonos judeus. A comunidade internacional, juntamente com os palestinianos, considera ilegais praticamente todos os colonatos israelitas na Cisjordânia e no leste de Jerusalém.

A votação de terça-feira será em grande parte um referendo sobre Netanyahu, que este ano superou o primeiro-ministro fundador de Israel (David Ben-Gurion) como o líder mais antigo do país.

Netanyahu considera-se o único candidato capaz de enfrentar os inúmeros desafios que Israel enfrenta.

No entanto, os seus oponentes dizem que os seus problemas legais — incluindo uma recomendação do procurador-geral para indiciá-lo por suborno, fraude e quebra de confiança — parecem muito grandes para continuar à frente do governo.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Os judeus acham que podem fazer tudo…
    Anexar território em pleno sex XXI é inadmissível, podem-se juntar aos russos com a anexação da Crimeia.
    A comunidade internacional devia atribuir sanções a estes tipos.

RESPONDER

Há uma forma de reduzir erros na computação quântica (e já sabemos qual é)

Na computação quântica, assim como no trabalho em equipa, um pouco de diversidade pode ajudar a melhorar o resultado. Esta pode mesmo ser a chave para pôr fim aos erros na computação quântica. Ao contrário dos …

Coimbrões 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto venceu hoje o Coimbrões, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal que os «dragões» resolveram com três golos nos 12 minutos iniciais. Aproveitando a inexperiência e nervosismo da formação …

Produção de filmes em Hollywood é um inimigo silencioso do ambiente

Hollywood é casa para a maioria dos grandes filmes produzidos que estreiam nas salas de cinema espalhadas por todo o mundo. Contudo, consegue ser bastante prejudicial para o meio ambiente e, mais do que nunca, …

O escorbuto era uma doença comum entre piratas, mas pode estar de regresso

O número de casos de escorbuto no Reino Unido mais do que duplicou nos últimos anos. A desnutrição é um dos principais responsáveis pelo regresso desta doença. O escorbuto está em ascensão no Reino Unido e …

Dois veleiros robotizados vão medir alterações climáticas no Atlântico

Dois veleiros de navegação robotizada vão medir, durante os próximos quatro meses, a pegada das mudanças climáticas no oceano Atlântico e irão passar pela Madeira e Cabo Verde. A Plataforma Oceânica das Canárias (PLOCAN) libertou esta …

A educação científica está sob ataque legislativo nos Estados Unidos

São inúmeros os professores de ciências que trabalham diariamente nas escolas públicas dos Estados Unidos para garantir que os alunos estão equipados com o conhecimento teórico e prático necessário para enfrentar o futuro. No entanto, …

João Félix saiu lesionado com gravidade no jogo contra o Valência

João Félix, avançado português do Atlético de Madrid, saiu este sábado lesionado com "forte torção no tornozelo direito", ao minuto 78 do jogo contra o Valência, da nona jornada da Liga espanhola de futebol, disputado …

As traças ficaram mais escuras por causa da Revolução Industrial? Cientistas já sabem a resposta

No virar do século XIX, na Grã-Bretanha, traças de todo o país começaram a ficar gradualmente mais escuras em resposta à forte poluição provocada pela Revolução Industrial. A Revolução Industrial foi um período de grandes transformações …

Mais de mil médicos foram alvo de processos disciplinares. 45 foram condenados, nenhum foi expulso

Mais de 1.070 processos disciplinares a médicos foram abertos no ano passado pelos conselhos disciplinares da Ordem, tendo sido condenados 45, segundo dados este sábado divulgados. Segundo os dados da Ordem dos Médicos, os conselhos disciplinares …

Publicar no Instagram rende mais a Ronaldo do que jogar na Juve

As publicações pagas no Instagram rendem mais a Cristiano Ronaldo do que jogar na Juventus, revela um estudo do Buzz Bingo. O internacional português foi a personalidade mais bem paga neste rede social em 2018. De …