Netanyahu quer anexar “todos os colonatos” na Cisjordânia ocupada

World Economic Forum / Flickr

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel

Benjamin Netanyahu afirma que quer “estender a soberania a todos os colonatos”, incluindo alguns que sejam importantes para a herança de Israel. Eleições são esta terça-feira.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, prometeu esta segunda-feira anexar “todos os colonatos” na Cisjordânia ocupada, incluindo um enclave no coração da maior cidade palestiniana, na véspera das eleições em Israel.

“Pretendo estender a soberania a todos os colonatos e blocos (colonatos)”, incluindo “locais que tenham importância de segurança ou que sejam importantes para a herança de Israel”, disse Netanyahu numa entrevista à rádio do exército de Israel. Questionado se isso incluía centenas de judeus que vivem sob pesada guarda militar no meio de dezenas de milhares de palestinianos na volátil cidade de Hebron, Netanyahu respondeu: “É claro”.

Netanyahu luta pela sua sobrevivência política, entre uma corrida eleitoral acirrada e problemas legais que pairam sobre o primeiro-ministro. Os israelitas vão às urnas na terça-feira, pela segunda vez este ano, depois de Netanyahu não conseguir formar governo após a votação de abril, provocando a dissolução do parlamento.

Nas últimas semanas, Netanyahu fez uma série de promessas ambiciosas numa tentativa de aumentar o seu apoio, incluindo a promessa de anexar o vale do Jordão, uma área que os israelitas veem como estratégica, mas que os palestinianos consideram o celeiro do seu Estado futuro.

Os críticos afirmam que as promessas de Netanyahu, se cumpridas, irão inflamar o Médio Oriente e eliminar qualquer esperança palestiniana remanescente de estabelecer um Estado separado. Os seus rivais políticos rejeitaram a ideia de anexação e consideram-na uma jogada eleitoral, observando que o primeiro-ministro se absteve de anexar qualquer território durante mais de uma década no poder.

Israel retirou a Cisjordânia e Jerusalém Oriental da Jordânia na guerra de 1967. Mais de 2,5 milhões de palestinianos vivem atualmente nos territórios ocupados, além de quase 700.000 colonos judeus. A comunidade internacional, juntamente com os palestinianos, considera ilegais praticamente todos os colonatos israelitas na Cisjordânia e no leste de Jerusalém.

A votação de terça-feira será em grande parte um referendo sobre Netanyahu, que este ano superou o primeiro-ministro fundador de Israel (David Ben-Gurion) como o líder mais antigo do país.

Netanyahu considera-se o único candidato capaz de enfrentar os inúmeros desafios que Israel enfrenta.

No entanto, os seus oponentes dizem que os seus problemas legais — incluindo uma recomendação do procurador-geral para indiciá-lo por suborno, fraude e quebra de confiança — parecem muito grandes para continuar à frente do governo.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Os judeus acham que podem fazer tudo…
    Anexar território em pleno sex XXI é inadmissível, podem-se juntar aos russos com a anexação da Crimeia.
    A comunidade internacional devia atribuir sanções a estes tipos.

RESPONDER

Protestos em Hong Kong. LeBron acusado de apoiar regime chinês

A super estrela do basquetebol LeBron James juntou-se à polémica entre a NBA e a China, após apelidar de “mal-informado” o treinador dos Houston Rockets, Daryl Morey, que expressou apoio aos manifestantes em Hong Kong …

Acordo para o Brexit está "prestes a ficar fechado"

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o Presidente francês, Emmanuel Macron, disseram esta quarta-feira que um acordo para o Brexit está em finalização e poderá ser apresentado quinta-feira para aprovação no Conselho Europeu. "Quero acreditar que …

Em Chernobyl, estão a desaparecer "as memórias que as pessoas deixaram para trás"

Chernobyl é, atualmente, a maior atração internacional da Ucrânia e o novo presidente, Volodymyr Zelenski, já apresentou um projeto para trazer ainda mais turistas. No entanto, estão a desaparecer "as memórias que as pessoas deixaram …

Huawei afirma que a tecnologia 6G vai estar disponível daqui a 10 anos

O CEO da Huawei, Ren Zhengfei, assinalou, durante uma entrevista à CNBC, que a sua empresa está a trabalhar em redes móveis 6G, que estarão completamente desenvolvidas daqui a 10 anos.   "Trabalhámos em 5G e 6G …

Nazismo e comunismo classificados em pé de igualdade pelo Parlamento Europeu

No passado dia 19 de setembro, a União Europeia colocou comunismo e nazismo em pé de igualdade, depois de aprovar no Parlamento Europeu uma resolução condenando ambos os regimes por terem cometido "genocídios e deportações …

Conselho da Europa teme que polícia de Malta tenha “recusado provas” no caso da jornalista assassinada

Daphne Galizia era jornalista, acompanhava casos de corrupção no país e foi assassinada há dois anos. Pieter Omtzigt, relator do Conselho da Europa responsável pelo caso, diz que a abordagem da polícia e dos …

Itália quer mudar sede da final da Liga dos Campeões

A Itália quer que a final da Liga dos Campeões deste ano, marcada para o Estádio Olímpico Atatürk Olympic, mude de sede. Os últimos dias não têm sido fáceis para a UEFA. Depois dos incidentes racistas …

CNN coloca broa portuguesa entre os 50 melhores pães do mundo

A propósito das celebrações do Dia Mundial do Pão, que se celebra esta quarta-feira, a CNN fez uma lista com os 50 melhores pães do mundo e um deles é a broa portuguesa. A broa conhecida …

CP lança nova campanha: Lisboa-Porto por cinco euros e mais descontos até 80%

Há 10.300 bilhetes a custos muito reduzidos, anunciou a CP – Comboios de Portugal esta terça-feira. A nova campanha garante viagens nos comboios de longo curso Alfa Pendular e Intercidades “com 80% de desconto”, abrangendo …

"Níveis recorde". Glaciares suíços perderam 10% do seu volume nos últimos cinco anos

Os glaciares suíços perderam 10% do volume nos últimos cinco anos, a maior redução em cem anos, alertou esta terça-feira a Academia Suíça das Ciências. A Academia baseia-se nas medições feitas pelos peritos do painel intergovernamental …