Nenhum país (por maior que seja o seu antigo império) vive melhor fora da UE, diz Costa

Tiago Petinga / Lusa

O primeiro-ministro António Costa

“Nem um antigo império como o Reino Unido tem mais força isoladamente do que qualquer um dos Estados membros no seio da União Europeia”, defendeu esta segunda-feira António Costa.

O secretário-geral do PS, António Costa, defendeu esta segunda-feira que nenhum país “por maior que seja” pode viver melhor fora da União Europeia, pedindo que a campanha eleitoral para as europeias seja um combate “pela confiança contra o medo”.

Numa conferência do Grupo da Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas (S&D) no Parlamento Europeu, em Lisboa, com o tema “Bem-estar para todos numa Europa sustentável”, António Costa reconheceu que, se a Europa tem muitos problemas, “nenhum seria mais bem resolvido fora da União Europeia ou sem União Europeia”.

“Muitos daqueles que venderam o ‘Brexit’ como uma forma de a Inglaterra recuperar uma dimensão global sentem-se hoje frustrados ao verificar que, ao fim de quase três anos de discussão, foi mais fácil aos 27 Estados membros construir uma posição negocial comum do que encontrar unidade dentro do próprio Reino Unido para negociar com a União Europeia”, sublinhou.

O primeiro-ministro português realçou que, na questão decisiva de como regular a fronteira entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte, a solidariedade europeia ficou do lado da Irlanda contra o Reino Unido.

“Nem um enorme país, uma grande potência militar, um antigo império como o Reino Unido tem mais força isoladamente do que qualquer um dos Estados membros no seio da União Europeia”, defendeu.

Quer nas relações económicas com os outros blocos, como os Estados Unidos ou a China, quer no combate ao terrorismo, Costa defendeu a mesma resposta: “Em conjunto, temos mais força”. “Nenhum dos verdadeiros problemas que angustiam os cidadãos europeus estará em melhores condições de se resolver fora ou sem União Europeia”, realçou.

Para a campanha eleitoral das próximas europeias, em 26 de maio, Costa defendeu que a Europa tem de focar-se “nas prioridades, medos e angústias” dos cidadãos europeus. “É focando-nos nesses problemas que podemos reconstruir a confiança e combater o medo”, defendeu, acrescentando que “o medo é o que alimenta o populismo e a confiança é o que reforça a democracia”.

Numa sessão onde foi apresentado o relatório da Comissão Independente para uma Igualdade Sustentável, o secretário-geral do PS retomou os pilares do novo contrato social que os socialistas europeus defendem, e que passa pela aposta no crescimento económico e no emprego, na sustentabilidade e na inovação.

“Fomos alienando o apoio da classe média ao projeto europeu, mas não há democracia sem classe média. O maior desafio da nossa família política é provar à classe média que continuamos a ser a sua família política”, disse.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Este casaco foi desenhado para nos ajudar a dormir em qualquer lado

A britânica Vollebak lançou um casaco, inspirado nos astronautas, que facilita a ideia de poder dormir, literalmente, em qualquer lado. A pensar em todas aquelas pessoas que gostam de fazer uma sesta ou outra, independentemente do …

DJ Juice WRLD morre aos 21 anos

A estrela do hip-hop norte-americano Juice WRLD faleceu este domingo (8), depois de sofrer convulsões no Aeroporto de Midway, em Chicago, avança o TMZ. O rapper tinha feito 21 anos a 2 de dezembro. De acordo …

"A Favorita" arrebata prémios do cinema europeu

O filme "A Favorita", do realizador grego Yorgos Lanthimos, arrecadou oito prémios da Academia de Cinema Europeu, numa cerimónia realizada em Berlim. "A Favorita" conquistou, entre outros, os prémios de Melhor Filme Europeu, Melhor Comédia, Realização …

Belenenses 1-1 Porto | "Dragão" escorrega e deixa fugir líder

O FC Porto não foi além de um empate na visita ao Jamor, ante o Belenenses. André Santos abriu as “hostilidades” e Alex Telles, na marcação de uma grande penalidade, fixou o resultado final. Com esta …

Caligrafia desleixada de Isabel I denuncia-a como a tradutora anónima de um livro romano

A rainha Isabel I de Inglaterra foi identificada como a tradutora anónima do livro "Anais" de Tácito. As idiossincrasias da sua caligrafia acabaram por ser fundamentais para a descoberta. Na análise a uma tradução de século …

Hashtags políticas como #MeToo tornam as pessoas menos propensas a acreditar em notícias

Tendem a passarem despercebidas, mas as hashtags são mais importantes do que julgamos. A questão que se impõe é: serão benéficas para a saúde democrática da Internet? Uma hashtag (#) é uma marca funcional, amplamente usada …

Sporting 1-0 Moreirense | "Leão" resolve à cabeçada

O Sporting regressou às vitórias na Liga NOS, embora não sem sentir algumas dificuldades, em especial no ataque. Os "leões" bateram o Moreirense por 1-0, numa partida em que remataram muito (28, máximo na Liga até …

Orçamento do Estado. "Sentido de voto do BE está completamente em aberto"

A coordenadora do BE afirmou, este domingo, que o sentido de voto do partido sobre o Orçamento do Estado para 2020 está "completamente em aberto", desejando que o Governo socialista atenda às reivindicações bloquistas. "Fizemos uma …

João Cotrim Figueiredo eleito presidente da Iniciativa Liberal com 96% dos votos

João Cotrim Figueiredo foi eleito, este domingo, presidente da Comissão Executiva da Iniciativa Liberal, uma candidatura única que recolheu 96% dos votos na III Convenção Nacional do partido. A III Convenção Nacional do partido decorre hoje …

Inteligência artificial decifra manuscrito que pode mudar história da Austrália

A Terra Australis Incognita, hoje conhecida como Austrália, foi descrita por um jesuíta espanhol quase cem anos antes da descoberta em 1770 pelo marinheiro britânico James Cook, segundo um manuscrito decifrado através de inteligência artificial. A …