Naufrágio no Nilo é a primeira prova de que Heródoto não estava a mentir sobre os barcos egípcios

Christoph Gerigk / Franck Goddio / Fundación Hilti

Um navio naufragado encontrado no rio Nilo pode ter permanecido inalterado durante mais de 2.500 anos. Agora, está finalmente a revelar os seus segredos: cientistas pensam que este navio revelou uma estrutura cuja existência tem vindo a ser debatida há vários séculos.

No fragmento 2.96 de Histórias de Heródoto, publicado por volta de 450 a.C., o historiador da Grécia Antiga descreve um tipo de barco de cargo do Nilo, chamado baris. Segundo descreveu Heródoto, a navegação foi construída como alvenaria, forrada de papiro e com um leme que passa por um buraco na quilha.

Segundo o ScienceAlert, este sistema havia sido visto em representações e modelos durante o período faraónico, mas não havia nenhuma evidência arqueológica da sua existência. Pelo menos, até agora.

Os arqueólogos exploraram o Navio 17, da cidade portuária de Thonis-Heracleion, agora submersa, perto da Boca Canópica do Nilo, datada do Período Tardio do Egito (664-332 a.C.). Apesar de estar submerso há, pelo menos, 2.000 anos, o Navio 17 tem revelado segredos sem preço. Aliás, os cientistas conseguiram descobrir 70% do seu casco.

“Quando descobrimos este naufrágio, percebemos que Heródoto estava certo“, disse Damian Robinson, arqueólogo do Centro de Arqueologia de Oxford, ao The Guardian.

O navio exibe vários elementos observados por Heródoto. “As articulações das tábuas do Navio 17 são desconcertadas de uma forma que lhe dá a aparência de ‘cursos de tijolo’, como escreveu Heródoto”, afirmou Alexander Belov, do Centro de Estudos Egiptológicos da Academia Russa de Ciências, num artigo publicado em 2013.

“As tábuas do Navio 17 são montadas transversalmente por espingardas notavelmente longas que podem chegar a 1,99m de comprimento e que passam por 11 estacas. Essas alças correspondem às ‘estacas longas e próximas’ da narrativa de Heródoto… Heródoto também menciona a quilha de Baris e o Navio 17 tem uma quilha que é duas vezes mais espessa do que a tábua”, escreveu ainda.

Existem algumas inconsistências – o vaso que Heródoto descreve ter espigas mais curtas, que agiam como nervuras que seguravam as tábuas de acácia do casco; e o facto de o Baris de Heródoto não ter armações de reforço, ao contrário do Navio 17, que tinha vários.

“Heródoto descreve os barcos como tendo longas costelas internas. Ninguém sabia o que isso significava … Essa estrutura nunca foi vista arqueologicamente antes. Mas, finalmente, descobrimos essa forma de construção neste barco em particular e é absolutamente o que Heródoto descreveu”, disse Robinson.

Segundo estas descobertas, os cientistas acreditam que o Navio 17 está muito próximo da descrição de Heródoto e que poderia, até, ter sido construído no mesmo estaleiro.

A exploração de Belov sobre a construção do navio foi publicada numa monografia do Centro de Arqueologia Marítima de Oxford: Ship 17: a baris from Thonis-Heracleion.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

"50 sombras" da Idade Média. Páginas censuradas de um livro francês encontradas nos EUA

As páginas de um romance medieval foram descobertas nos arquivos da Diocese de Worcester, no estado norte-americano de Massachusetts.  Investigadores descobriram uma versão perdida de um romance medieval, que contém cenas eróticas. O poema francês - …

A tecnologia usada na Bitcoin também está a ser usada para encontrar o amor

Várias dating apps (aplicações de encontros) estão a recorrer ao blockchain para que os seus utilizadores possam encontrar a cara-metade de uma forma mais segura e transparente. O Tinder é provavelmente a dating app mais usada …

Elon Musk quer enviar passageiros para o Espaço já no próximo ano

O bilionário Elon Musk, também fundador da fabricante de automóveis elétricos Tesla, fez um anúncio surpreendente: quer que pôr passageiros no Espaço já em 2020. “Isto pode soar totalmente louco, mas queremos tentar entrar em órbita …

Cientistas reverteram principal sintoma da esquizofrenia em camundongos

Um medicamento que está atualmente a ser desenvolvido para tratar a leucemia reverteu (em camundongos) um sintoma de esquizofrenia anteriormente intratável: o enfraquecimento da memória de trabalho. A memória de trabalho é um processo cerebral fundamental usado …

Para as criaturas marinhas, as doenças infecciosas são a sentinela da mudança

Uma recente investigação analisou as mudanças nas doenças relatadas em espécies submarinas num período de 44 anos. A conclusão não surpreende: a saúde dos oceanos está a piorar a passos largos. A compreensão das tendências oceânicas …

Solidariedade e ambiente. Nos EUA, já é possível doar as suas peças Lego

Nunca somos demasiado velhos para brincar com peças Lego. No entanto, se estiver a ficar sem espaço para as arrumar e estiver à procura de uma forma de garantir que os seus blocos acabam em …

Eis os primeiros smartphones pensados e fabricados em África

https://vimeo.com/365789486 No Ruanda nasceram os primeiros rebentos do grupo Mara, que anunciou o lançamento dos seus dois primeiros smartphones. São os primeiros a serem totalmente fabricados em África. Estes são os dois primeiros smartphones totalmente fabricados em …

Siza Vieira recebe Grande Prémio da Academia de Belas-Artes francesa

O arquitecto Álvaro Siza Vieira recebeu o Grande Prémio de Arquitetura da Académie des Beaux-Arts, pelo conjunto do seu percurso, no valor de 35 mil euros. “É uma grande honra, porque é um prémio importante. É …

Para os jovens refugiados, um telemóvel pode ser tão importante quanto comida ou água

Entre 2015 e 2018, mais de 200.000 jovens não acompanhados reivindicaram asilo na Europa. Muitos deles, agora na União Europeia, têm uma coisa em comum: os seus smartphones. Não são apenas ferramentas para entretenimento nem uma …

Cientistas observaram pela primeira vez porcos a usar ferramentas

Uma equipa de cientistas registou pela primeira vez uma família de javalis das Visayas, num jardim zoológico em Paris, a usar paus para cavar e construir ninhos. Os porcos não gostam só de chafurdar na lama …