Naufrágio no Nilo é a primeira prova de que Heródoto não estava a mentir sobre os barcos egípcios

Christoph Gerigk / Franck Goddio / Fundación Hilti

Um navio naufragado encontrado no rio Nilo pode ter permanecido inalterado durante mais de 2.500 anos. Agora, está finalmente a revelar os seus segredos: cientistas pensam que este navio revelou uma estrutura cuja existência tem vindo a ser debatida há vários séculos.

No fragmento 2.96 de Histórias de Heródoto, publicado por volta de 450 a.C., o historiador da Grécia Antiga descreve um tipo de barco de cargo do Nilo, chamado baris. Segundo descreveu Heródoto, a navegação foi construída como alvenaria, forrada de papiro e com um leme que passa por um buraco na quilha.

Segundo o ScienceAlert, este sistema havia sido visto em representações e modelos durante o período faraónico, mas não havia nenhuma evidência arqueológica da sua existência. Pelo menos, até agora.

Os arqueólogos exploraram o Navio 17, da cidade portuária de Thonis-Heracleion, agora submersa, perto da Boca Canópica do Nilo, datada do Período Tardio do Egito (664-332 a.C.). Apesar de estar submerso há, pelo menos, 2.000 anos, o Navio 17 tem revelado segredos sem preço. Aliás, os cientistas conseguiram descobrir 70% do seu casco.

“Quando descobrimos este naufrágio, percebemos que Heródoto estava certo“, disse Damian Robinson, arqueólogo do Centro de Arqueologia de Oxford, ao The Guardian.

O navio exibe vários elementos observados por Heródoto. “As articulações das tábuas do Navio 17 são desconcertadas de uma forma que lhe dá a aparência de ‘cursos de tijolo’, como escreveu Heródoto”, afirmou Alexander Belov, do Centro de Estudos Egiptológicos da Academia Russa de Ciências, num artigo publicado em 2013.

“As tábuas do Navio 17 são montadas transversalmente por espingardas notavelmente longas que podem chegar a 1,99m de comprimento e que passam por 11 estacas. Essas alças correspondem às ‘estacas longas e próximas’ da narrativa de Heródoto… Heródoto também menciona a quilha de Baris e o Navio 17 tem uma quilha que é duas vezes mais espessa do que a tábua”, escreveu ainda.

Existem algumas inconsistências – o vaso que Heródoto descreve ter espigas mais curtas, que agiam como nervuras que seguravam as tábuas de acácia do casco; e o facto de o Baris de Heródoto não ter armações de reforço, ao contrário do Navio 17, que tinha vários.

“Heródoto descreve os barcos como tendo longas costelas internas. Ninguém sabia o que isso significava … Essa estrutura nunca foi vista arqueologicamente antes. Mas, finalmente, descobrimos essa forma de construção neste barco em particular e é absolutamente o que Heródoto descreveu”, disse Robinson.

Segundo estas descobertas, os cientistas acreditam que o Navio 17 está muito próximo da descrição de Heródoto e que poderia, até, ter sido construído no mesmo estaleiro.

A exploração de Belov sobre a construção do navio foi publicada numa monografia do Centro de Arqueologia Marítima de Oxford: Ship 17: a baris from Thonis-Heracleion.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Reaberto ao público o primeiro palácio de Nero, construído há 2.000 anos

O primeiro palácio do imperador Nero, localizado no Monte Palatino, em Roma, foi reaberto ao público na passada semana. Depois de uma década de reformas, o monumento construído há 2.000 anos volta a poder ser …

Cria de lobo-marinho voltou a aparecer no areal do Porto Santo

A cria de lobo-marinho que tem feito do areal da ilha do Porto Santo o seu local de descanso voltou a aparecer hoje, depois de ter desaparecido desde terça-feira à noite. A bióloga Rosa Pires, do …

Há um fóssil único de tiranossauro bebé à venda no eBay (e os cientistas estão indignados)

O esqueleto "único" de um filhote de tiranossauto (Tyrannosaurus rex) com mais de 60 milhões de anos foi posto à venda na plataforma eBay nos Estados Unidos. O vendedor pede quase 3 milhões de dólares …

Agência francesa adverte: troque ibuprofeno por paracetamol

A agência francesa do medicamento ANSM fez uma advertência a médicos e pacientes sobre riscos decorrentes do uso do ibuprofeno e do cetoprofeno, que podem agravar infeções em tratamento, e pediu uma investigação a nível …

"Lendária" e misteriosa espécie de orca avistada por cientistas

Cientistas admitem o possível avistamento de uma das espécies de orca mais misteriosas da natureza. A orca é conhecida como o "Tipo D", mas muito raramente foi vista ou ouvida. A orca foi avistada no Cabo …

Nacional vs Sporting | Triunfo curto para tanto domínio

O Sporting foi à Madeira somar a sua sétima vitória consecutiva na Liga NOS. No terreno do Nacional, os “leões” ganharam por 1-0, num jogo em que o resultado não espelha a grande superioridade da …

Titã pode ter "lagos fantasmas" e cavernas

Titã, a lua e Saturno, é surpreendentemente semelhante à Terra. Tem lagos, rios e oceanos profundos (e possivelmente cavernas) que poderiam sustentar vida. Em Titã, a chuva não é água, mas sim metano líquido. Duas …

As barbas podem ter mais bactérias do que o pêlo dos cães

Uma equipa de investigadores suíços descobriu que as barbas podem ter mais micróbios prejudiciais à saúde humana do que o pêlo dos cães. Uma recente investigação realizada pela clínica Hirslanden, na Suíça, descobriu que as barbas …

Há uma cidade onde é proibido morrer

Longyearbyen, capital do arquipélago de Svalbard, na Noruega, deu o passo muito incomum de proibir a morte naquela região. Desde 1950, ninguém está legalmente autorizado a morrer na cidade. Até uma pessoa que lá tenha vivido …

Este ano já morreram 129 pessoas na estrada. O telemóvel leva as culpas

A Secretaria de Estado da Proteção Civil informou hoje que morreram 129 pessoas nas estradas portuguesas, menos uma morte do que em período homólogo de 2018 e o telemóvel ao volante tem contribuído para aumento …