“Natais Verdes”: Estâncias de esqui alpinas já planeiam futuro sem neve

jamescrook / Flickr

Uma estância de esqui nos Alpes franceses

No Natal passado, pela primeira vez desde que abriu, uma estância de esqui na cidade alpina francesa de Montclar não pôde contar com neve natural nem com as máquinas de neve artificial para produzir o material branco suficiente para cobrir as suas pistas.

Segundo noticiou o Phys Org, a estância de esqui francesa teve que usar um helicóptero para trazer neve dos picos altos dos Alpes e cobrir as suas pistas, nas quais não havia cobertura natural. A situação chocou a comunidade, que depende da neve para a sua sobrevivência financeira.

Os Alpes estão particularmente expostos aos efeitos devastadores do aquecimento global. De acordo com a Comissão Internacional para a Proteção dos Alpes (CIPRA), as temperaturas na cordilheira subiram cerca dois graus Celsius nos últimos 120 anos – quase o dobro da média global, com uma tendência ascendente.

O Instituto WSL de Pesquisa de Neve e Avalanche, em Davos, Suíça, alerta na sua página oficial sobre os “Natais Verdes” cada vez mais comuns nos Alpes, sendo os locais que se encontram abaixo de uma altitude de 1.300 metros os mais afetados.

“A grande maioria das estâncias está a ver uma clara redução no número de dias com solo coberto de neve, independentemente da sua altitude ou localização”, lê-se no comunicado da organização.

A estância de esqui de Montclar fica a 1.350 metros. Todos os anos, a queda de neve diminui em altitudes cada vez mais altas, de cerca de 1.200 metros na ​​década de 1960 para aproximadamente 1.500 metros atualmente.

Com pouca neve, nada pode ser deixado ao acaso. “É por isso que a tendência está a encaminhar-se no sentido de aumentar a capacidade de produção instantânea, a fim de poder cobrir toda a área com o máximo de neve, o mais rápido possível”, disse à AFP o fabricante de neve Bruno Farcy, para quem “os períodos de frio são cada vez mais curtos”.

Montclar foi um dos primeiros resorts, já na década de 1980, a instalar máquinas de neve artificial. Hoje em dia, possui um conjunto de máquinas que disparam automaticamente se a temperatura cair para menos de dois graus Celsius, além de tubos de transporte e tanques de armazenamento.

Mas mesmo essa rede não foi suficiente neste inverno. Não havia caído neve nas pistas a tempo da época do Natal e estava muito quente para operar as máquinas de neve. “Consideramos todas as opções, camiões, tratores …”, referiu Alain Quievre, responsável pela empresa que administra os teleféricos da estância de esqui.

Para resolver a situação, a estância alugou um helicóptero para transportar a neve natural de uma altitude de 2.000 metros, uma “escolha difícil”, dada a preocupação com o impacto ambiental, acrescentou Quievre.

A operação durou três horas e exigiu 400 litros de gasolina – cerca de 0,7% do consumo anual de combustível da estação, indicou, sublinhando que “estava em jogo o emprego de 50 trabalhadores em período integral e 43 trabalhadores sazonais”.

De acordo com o Phys Org, os cientistas têm alertado para a produção de neve artificial, que acaba por ser prejudicial para o ambiente por utilizar grandes quantidades de água e de energia.

Olhando para o futuro, algumas estâncias estão a mudar o foco das suas atividades para o esqui de verão, as caminhadas e o ciclismo, que atualmente representam apenas uma pequena parte da renda dos resorts tradicionais de desportos de inverno.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A Terra em 4K. Empresa vai transmitir vídeos do Espaço em tempo real

A empresa Momentus assinou um novo contrato que fornecerá transporte e implementação no Espaço para a Sen, uma empresa britânica que está atualmente a construir um serviço de streaming de vídeo 4k e em tempo …

Hertz abre falência nos Estados Unidos, mas sobrevive em Portugal

O presidente executivo da Hertz Portugal afirmou esta quarta-feira que, apesar do inevitável “dano reputacional”, a falência da empresa nos EUA não afeta a sua atividade no país, onde opera de forma “independente” em regime …

Sintomas da doença de Lyme podem ser perigosamente confundidos com covid-19

Alguns dos sintomas característicos da doença de Lyme podem ser confundidos com covid-19. Isto pode trazer sérias consequências devido ao diagnóstico tardio da doença. Quando doenças semelhantes a uma gripe se desenvolvem em pessoas que passam …

Revelada a lotação máxima de várias praias portuguesas

Em contexto de pandemia de covid-19, o número de banhistas que pode entrar numa determinada praia será controlado. Foi revelada a lotação máxima das praias para as regiões do Algarve (Barlavento e Sotavento) e de …

Café na Coreia do Sul contrata um robô-barista para evitar a propagação da covid-19

O café Daejon, na Coreia do Sul, "contratou" um barista-robô para servir bebidas aos seus clientes, tentando evitar assim a propagação da pandemia de covid-19, que já matou mais de 350 mil pessoas em todo …

Incêndios: PSD aponta falta de meios aéreos e avisa que covid-19 não justifica atrasos

O PSD apontou hoje falta de meios aéreos de combate a incêndios no terreno e acusou o Governo de ter ficado "aquém" nas reformas e mudanças na floresta, avisando que a pandemia de covid-19 não …

Lançamento da SpaceX adiado devido ao mau tempo

O lançamento da SpaceX, que estava previsto para hoje, foi adiado devido às condições meteorológicas. Haverá uma nova tentativa no sábado, às 20h22 de Lisboa. O esperado era que a SpaceX lançasse esta quarta-feira dois astronautas …

"Não consigo respirar". Protestos nos EUA pela morte de homem negro às mãos da polícia

Milhares de pessoas protestaram, esta terça-feira à noite, em Minneapolis, cidade no estado norte-americano do Minnesota, contra a morte de George Floyd, um homem negro que acabou por falecer depois de um episódio com a …

Um em cada três americanos não acredita que o azeite vem das azeitonas

Um terço dos norte-americanos entrevistados numa sondagem disse não acreditar ou não ter certeza de que o azeite vem das azeitonas. O produto alimentar é usado por menos de metade das famílias do país. Uma sondagem …

A pandemia separou casais de namorados. Dinamarca abre fronteiras a quem prove estar numa relação

Esta segunda-feira, a Dinamarca diminuiu o controlo na fronteira com outros países nórdicos e com a Alemanha para que casais transfronteiriços, separados pela pandemia, se reencontrem. A partir desta segunda-feira, os casais separados pela pandemia podem …