NASA quer saber se é possível fazer bebés no espaço

Matthew priteeboy / Deviant Art

“Origins of Life”

A NASA quer descobrir se é possível o ser humano reproduzir-se no espaço. Para isso, um grupo de cientistas vai enviar para o espaço esperma humano.

No ano passado, a NASA tinha anunciado que ia enviar para o espaço voluntários para descobrirem como se pode ter bom sexo no espaço. Isto a pensar na hipótese de a humanidade se querer reproduzir e colonizar outros planetas.

Agora, um grupo de cientistas da agência espacial disse querer descobrir se é possível a reprodução humana no espaço, em ambiente de gravidade zero, enviando esperma, de forma a analisar o seu comportamento em contexto de microgravidade.

Assim sendo, de acordo com o Futurism, na semana passada, a NASA enviou amostras de esperma humano para a Estação Especial Internacional na última viagem do Falcon 9.

Se à primeira vista parece estranho que a NASA esteja a enviar este tipo de material para o espaço, basta pensar as questões relacionadas com a reprodução humana no espaço estão a começar a ganhar cada vez mais pertinência numa altura em que surge mais interesse em aumentar a presença da humanidade fora do planeta, para perceber que é o passo lógico a dar.

À medida que as missões com humanos se tornem cada vez mais longas – e os planos para enviar humanos para o planeta vermelho implicam viagens de meses – e em que se multiplicam ideias de criar colónias permanentes em ambiente de gravidade zero, falar sobre sexualidade no espaço torna-se cada vez mais incontornável.

Na prática, a Missão Micro-11 consiste em observar o comportamento de esperma humano e de touro e verificar se os espermatozóides se conseguem movimentar de forma livre e veloz o suficiente para se fundirem com o óvulo dentro do espaço de microgravidade da Estação Internacional, apesar de não haver qualquer óvulo envolvido nesta experiência.

Depois, os cientistas vão recongelar o esperma e enviá-lo de volta à Terra, onde outra equipa de cientistas irá usar tecnologia semelhante à fertilização in vitro para testar a sua capacidade de reprodução.

Esta não é a primeira vez que o comportamento de esperma é estudado no espaço. Em 2017, a NASA fez experiências com esperma de rato e concluiu que o mesmo conseguiu sobreviver, congelado, durante uma viagem de 9 meses até à Estação Espacial Internacional, conseguindo produzir ratos saudáveis quando voltou à Terra.

Em 1998, também foi demonstrado que os invertebrados aquáticos conseguem reproduzir-se no espaço, designadamente, caracóis e pulgas de água.

Esta nova experiência é de grande importância uma vez que os cientistas têm provas de anteriores experiências de que a falta de gravidade pode não afetar a “lberdade” do esperma, mas constitui um desafio maior para conseguir que os espermatozoides se fundam como óvulo.

De acordo com o site da NASA, “atrasos ou problemas neste ponto podem impedir a fertilização no espaço”.

Mesmo que se conclua que os espermatozóides humanos são suficientemente eficientes para se fundir com o óvulo, diversas questões ficarão em aberto para a ciência: como se pode viver a sexualidade no espaço? Será concebível uma mulher dar à luz num contexto de microgravidade? As quantidades de radiação deste contexto terão efeitos no bebé? Como é que a falta de gravidade poderá afetar o desenvolvimento físico e cognitivo das crianças?

Questões que, por agora, ainda parecem pertencer ao campo da ficção científica, mas que ganham cada vez mais relevância na comunidade científica.

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

A longo prazo, o distanciamento social pode até ser melhor para a economia

O isolamento social durante uma pandemia, como é o caso da covid-19, que já fez mais de 48.000 vítimas mortais por tudo o mundo, pode revelar-se melhor para a economia a longo prazo, revelou uma …

Elon Musk doou 1.000 ventiladores a hospitais (mas eram do tipo errado)

Nos últimos dias, Elon Musk, CEO da Tesla, recebeu muitos elogios por ter doado mil ventiladores a hospitais da Califórnia, que enfrentam um número esmagador de casos de coronavírus. Porém, os ventiladores não eram do …

Coronavírus pode replicar-se na boca e nariz durante uma semana antes de infetar pulmões

O coronavírus pode permanecer e replicar-se na boca e no nariz durante uma semana antes de infetar aos pulmões, à traqueia e aos brônquios, revela um estudo, que mostra igualmente que é expulso do organismo …

PSP vai utilizar câmaras portáteis em drones no estado de emergência

A PSP vai utilizar 20 câmaras portáteis de videovigilância, 18 das quais vão ser instaladas em ‘drones’, durante o estado de emergência devido à pandemia de covid-19, anunciou esta quinta-feira o Ministério da Administração Interna …

Em Nova Iorque, prisioneiros são usados para cavar valas comuns

Nova Iorque está a oferecer seis dólares por hora e material de proteção individual aos prisioneiros de Rikers Island que aceitem ajudar a cavar valas comuns. Projeções da Fundação Gates apontam que, em Nova Iorque, o …

EUA estará a pagar para desviar carregamentos de máscaras adquiridas por França

As autoridades francesas estão a acusar os Estados Unidos de terem pago para desviar um carregamento de máscaras faciais oriundo da China. Este episódio é apenas mais um na saga sobre a escassez de máscaras de …

Cerca de 1200 reclusos podem vir a ser libertados

Cerca de 1200 reclusos podem vir a ser libertados antecipadamente para prevenir a propagação da pandemia de covid-19 no meio prisional, revelou esta quinta-feira a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, em declarações à RTP3. A …

OMS e EUA ponderam alargar recomendação para uso de máscaras

A Organização Mundial de Saúde (OMS) vai reavaliar as suas recomendações sobre o uso de máscaras para prevenir a contaminação com covid-19, disse esta quinta-feira o presidente do grupo de especialistas que vai discutir o …

Covid-19. Mais de 95% das vítimas mortais na Europa tinham mais de 60 anos

O diretor regional para a Europa da Organização Mundial de Saúde (OMS), Hans Kluge, revelou esta quinta-fera que mais de 95% das vítimas mortais da covid-19 na Europa têm mais de 60 anos de idade. Em …

Curva portuguesa mostra abrandamento de novos casos (mas é preciso "cautela")

Portugal tem assistido desde o dia 25 de março a um abrandamento do aumento percentual diário de novos casos de covid-19, segundo dados divulgados pelo Barómetro Covid-19 da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP). Segundo Carla …