NASA planeia nave para destruir asteroide que pode colidir com a Terra em 2135

JPL-Caltech / NASA

Há uma pequena probabilidade de em 2135 o asteróide Bennu atingir a Terra. Atentos a essa probabilidade, cientistas da NASA começaram a desenhar uma nave espacial que usa armas nucleares para rebentar com o corpo celeste.

Cientistas da agência espacial norte-americana NASA desenvolveram um plano para “tratar” de um asteróide que tem 1 em 2.700 hipóteses de atingir a Terra a 21 de setembro de 2135. A solução? Desfazê-lo com armas nucleares.

O asteróide, conhecido como Bennu, está atualmente em órbita do Sol a cerca de 16 mil milhões de quilómetros da Terra e provavelmente nunca chegará a atingir a Terra, mas o Governo dos EUA quer estar preparado para todas as situações.

A NASA e dois laboratórios de armas do Departamento de Energia reuniram-se para projetar uma nave espacial que pode explodir Bennu caso este se chegue demasiado perto do planeta Terra.

De acordo com o Buzzfeed News, a Missão de Mitigação de asteróides a Hipervelocidades, Hammer, poderia usar uma de duas táticas para combater um impacto.

Se um asteróide é suficientemente pequeno, o HAMMER usaria um “impactor” de 8,8 toneladas para esmagar o objeto. Se o asteróide for muito grande, a nave espacial usa um dispositivo nuclear para o explodir.

O físico David Deadborn, do Laboratório Nacional Lawrence Livermore, sugeriu que várias embarcações do HAMMER poderiam atirar-se para a frente do asteróide de forma a diminuí-lo e obrigá-lo a mudar de rumo.

A ideia do HAMMER surgiu de um relatório de 2010 publicado na revista Acta Astronautica sobre a defesa do nosso planeta a partir de objeto próximos da Terra. “As duas respostas realistas consideradas são o uso de uma nave espacial que funciona como um pêndulo cinético ou um transportador explosivo nuclear para desviar o objeto que se aproxima”, afirmava o relatório.

Infelizmente, a nave espacial nunca pôde ser construída e os cientistas da NASA recusaram-se a fornecer uma estimativa do custo do projeto. A recente missão OSIRIS-REx – já em direção a Bennu -, custou mais de 800 milhões de dólares (646 milhões de euros), pelo que o custo pode ser um sério impedimento à aprovação do HAMMER.

Os cientistas por trás do projeto vão apresentar o seu trabalho em maio de 2018 na oficina de disrupção Catastrófica no sistema Solar, no Japão.

Estar preparado, especialmente se os cientistas estão conscientes da probabilidade de uma colisão de asteróides, é imperativo, mas é improvável que este asteróide cause qualquer tipo de cenário do dia do juízo final semelhante ao do filme Armageddon.

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Se a probalidade é tão pequena como dizem porque querem fazer uma nave para o destruir?, quem se informa sabe mt bem que esse asteroide irá colidir com a terra e que não há maneira de o desviar da rota de colisão se é em 2135 não sei mas esse asteroide é estudado há muito tempo a nasa sabe da sua existência e da probalidade de acabar com o nosso planeta caso colida com a terra, já o presidente Obama alertou para isso é só uma questão de tempo

  2. Será que não é possível destruir um asteróide como o Bennu com um ou vários feixes de luz laser em vez de ser com armas nucleares… Já que o laser é usado como ferramenta de corte, podia se experimentar cortar ou explodir uma rocha ou mineral desses aos pedacinhos…! Se quando passamos a luz por uma lente ela amplia e queima como acontece com a luz Solar… Podia resultar!?

RESPONDER

Tony transformou autocarro em Arca de Noé para salvar animais do Florence

Enquanto muitos americanos fugiam do furacão Florence, um camionista de 51 anos fazia o percurso inverso com uma missão em mente. Dentro de um autocarro, Alsup transportou mais de 60 animais da costa da Carolina …

Mais de 500 rinocerontes mortos na África do Sul este ano

A caça furtiva na África do Sul causou a morte a 508 rinocerontes, entre janeiro e agosto deste ano, o que significa um decréscimo no número de espécimes caçados, em relação a 2017, anunciou o …

Número de mortos em naufrágio na Tanzânia sobe para 170

O número de pessoas que morreram no naufrágio de um navio de passageiros no lago Vitória, na Tanzânia, subiu para 170, de acordo com os meios de comunicação locais. As operações de resgate recomeçaram na manhã …

Há um satélite-pescador no espaço

O Satélite britânico RemoveDebris está a navegar no espaço desde junho e lançou com sucesso uma rede em órbita com o objetivo de capturar material que anda à deriva em redor da Terra. O satélite-pescador britânico …

Governo cumpriu “rigorosamente” acordo com setor do táxi

O Ministro Ambiente, João Matos Fernandes, disse este sábado que o governo cumpriu “rigorosamente” o acordo que assinou com a duas associações que representam os taxistas para a modernização do setor. "Não é verdade que se …

Juízes defendem acórdão que desvaloriza violação de mulher inconsciente

A Associação Sindical dos Juízes Portugueses sai em defesa dos dois magistrados, um dos quais o presidente da entidade, que assinaram o acórdão que desvaloriza a gravidade da violação de uma mulher inconsciente, numa discoteca, …

Salas para maiores de 18 anos levam à demissão do director de Serralves

O director artístico do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, João Ribas, demitiu-se do cargo depois de a administração ter limitado a maiores de 18 anos uma parte da exposição dedicada ao fotógrafo norte-americano Robert …

Isabel do Santos desmente ação contra João Lourenço mas processo deu entrada no Supremo

Isabel do Santos, filha do antigo Presidente da Angola, desmente ter entrado com uma ação contra o atual Presidente João Lourenço. No entanto, o processo cível contra o Estado deu entrada no Supremo. De acordo …

Arqueólogos fazem "descoberta do Século" no Tejo (e tem pimenta)

Uma equipa de arqueólogos da Câmara Municipal de Cascais, do Projeto Municipal da Carta Arqueológica Subaquática do Litoral, descobriu uma nau que terá naufragado entre 1575 e 1625, e que é considerada a “descoberta do …

ADSE adia implementação de novas regras para tentar acordo com privados

Os hospitais privados e ADSE continuam com o braço de ferro, mas, por agora, os privados não vão deixar de operar beneficiários da ADSE. O boicote anunciado esta manhã foi adiado. Esta manhã, o o semanário …