Não há explosões suficientes no Espaço que expliquem os estranhos sinais de rádio

OzGrav, Swinburne University of Technology

Muitos dos mais brilhantes e estranhos fenómenos no espaço vêm de eventos cataclísmicos, como explosões ou colisões.

As rajadas rápidas de rádio são um dos fenómenos mais intrigantes de todo o Universo. Estes sinais cósmicos são extremamente poderosos, podendo mesmo gerar tanta energia como centenas de milhões de sóis. Apesar da sua energia, estas emissões são breves e pontuais, sendo, por isso, difícil de as detetar e estudar diretamente.

Ou seja, os cientistas não conseguem “prever” a observação destes fenómenos. A menos que um radiotelescópio – com um campo de visão relativamente estreito – esteja direcionado exatamente na área exata do céu em que essa explosão é dispara, o sinal cósmico é perdido.

FRBs são rajadas de milissegundos de poderosas ondas de rádio que vêm das profundezas do espaço. Já se pensou ter diversas fontes diferentes, desde fusões de estrelas de neutrões a naves espaciais alienígenas, mas nenhuma explicação está, para já, confirmada.

Os astrónomos falaram pela primeira vez da existência de misteriosos explosões rápidas de rádio (FRB) em 2007, quando foram descobertas acidentalmente enquanto se observavam os pulsares de rádio com o Telescópio Parks na Austrália.

Nos anos subsequentes, os cientistas encontraram vestígios de mais três dezenas de tais explosões, cuja comparação mostrou que poderiam ser de origem artificial, e até mesmo ser potenciais sinais de civilizações extraterrestres, por causa da periodicidade inexplicável da sua estrutura.

Todas elas tinham uma coisa em comum – a potência extremamente elevada e a distância invulgarmente longa até às suas fontes. Assim, os astrónomos assumiram inicialmente que tais rajadas surgem durante a fusão de estrelas de neutrões ou de outros objetos compactos que se transformam num buraco negro.

A maioria dos FRBs que encontramos aparecem apenas uma vez, mas três parecem repetir-se, enviando várias ondas de rádio pelo espaço. Esses três não podem vir de eventos cataclísmicos como colisões de estrelas de neutrões ou supernovas que destroem seus progenitores.

Agora, Vikram Ravi, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, calculou que o resto dos sinais provavelmente também não virá desses eventos. O cientista usou algumas das FRBs não repetitivas mais próximas para calcular um limite inferior de frequência com que ocorrem e comparou essa taxa com as taxas de eventos cataclísmicos no universo próximo.

“A taxa de FRBs parece ser maior do que a taxa de qualquer coisa que podemos realmente pensar que pode fazer uma FRB apenas uma vez”, disse Ravi, de acordo com o New Scientist. Isso significa que um único tipo de explosão ou colisão não pode contabilizar todos os FRBs.

É possível que todas as propostas de fontes cataclísmicas sejam simultaneamente corretas, mas talvez seja mais provável que a maioria – ou mesmo todas – das FRBs sejam, na verdade, repetidoras.

Dessa forma, cada fonte produz várias explosões ao longo da sua vida útil. Podemos não estar a detetar todas as explosões repetidas porque são mais lentas ou mais fracas do que as fontes repetidas.

“Não acho que podemos descartar que haja várias classes de coisas que surgem no céu da rádio”, afirmou Victoria Kaspi, da McGill University, em Montreal, Canadá. “Suspeitamos e temos alguma evidência de que existem várias classes e que fração pertence a cada classe é desconhecida.” Como nenhum dos modelos atuais se encaixam bem, a cientista diz que também é possível que os FRBs se formam através de eventos que nunca vimos .

“Precisamos de dizer muito especificamente de que tipo de galáxias FRBs vêm e de onde vêm essas galáxias”, disse Ravi. Apenas três foram localizados até agora. “Se estamos a fazer o nosso trabalho corretamente, devemos coneguiu descobrir isso nos próximos cinco anos.”

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Com tantos problemas e conflitos de interesse que contribuem para a crise da Humanidade neste planeta que se chama Terra, por que alguém se lembraria de investigar um tema como este? E outros, tais como, por exemplo: Será que deus existe? Será que o Big Bang existiu? Por que é que somos os únicos seres pensadores (no sentido forte do termo) deste planeta terra?

    “Não acho que podemos descartar que haja várias classes de coisas que surgem no céu da rádio… “Se estamos a fazer o nosso trabalho corretamente, devemos coneguiu descobrir isso nos próximos cinco anos.”

    Bem, humildemente aconselho a Ciência a trabalhar em descobrir a forma de resolver os problemas reais da Humanidade, como a sustentabilidade, a saúde, a tecnologia ao serviço da dignidade humana.

    • Caso não saiba, existem várias áreas da ciência, e aquelas que lidam com os problemas que referiu, estão a trabalhar no assunto.
      Por tal deixe os astrónomos continuarem com a sua ciência, que também faz parte das n/vidas.

    • Cara Ana Dias, penso que há lugar para todas as investigações tenhamos nós seres humanos inteligência para entender isso.

  2. A ciência não pode virar as costas a qualquer das suas sub-areas, inclusive a procura de vida noutros pontos do universo. Isso seria abrir as portas à ignorância.

RESPONDER

"Nunca vi nada assim." Ameaça terrorista é mais intensa do que nunca em França (e mais difícil de travar)

O ataque terrorista dentro de uma Igreja em Nice, com a morte de 3 pessoas, veio reforçar a ameaça do terrorismo islâmico em França. Já havia sinais e alertas oficiais de perigo numa altura em …

Costa recebe partidos esta sexta-feira. "Nenhuma medida está excluída", garante Costa

O primeiro-ministro recebe esta sexta-feira, em São Bento, os partidos com representação parlamentar para procurar um consenso para a adoção de medidas imediatas de combate à pandemia de covid-19. Além disso, o Governo vai auscultar …

Ratos-toupeira-nus foram apanhados a raptar bebés de outras colónias

Cientistas descobriram dois casos em que ratos-toupeira-nus foram raptados da sua colónia, tendo sido transformados em escravos. De acordo com o site Science Alert, embora os ratos-toupeira-nus (Heterocephalus glaber) sejam pequenos, têm grandes colónias compostas por …

Não houve multas por falta de máscaras (e o Canhão da Nazaré não desiludiu)

Milhares de pessoas juntaram-se, algumas das quais sem máscaras, para ver as ondas gigantes da Nazaré, nesta quinta-feira, mas nenhuma delas foi multada, apesar de violarem as regras da Direcção-Geral da Saúde (DGS). No mar, …

Bolsonaro afirma que vai "erradicar o comunismo" do Brasil

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, afirmou na quinta-feira, num evento público, que "se Deus quiser, poderá comemorar-se em breve a erradicação do comunismo" no país. "Vamos, num curto espaço de tempo, expulsar o comunismo do país", …

Deslocações entre concelhos proibidas a partir de hoje. Marcelo desautoriza juridicamente o Governo

A circulação de pessoas para fora do concelho de residência está limitada em Portugal a partir das 0h desta sexta-feira até às 6h de terça-feira, no âmbito das medidas para conter a pandemia de covid-19. A …

Afinal, os bioplásticos não são mais seguros do que os plásticos tradicionais

Nos últimos anos, os bioplásticos surgiram no mercado como uma alternativa ao plástico convencional. O bioplástico tem algumas vantagens aparentes pois geralmente é feito de material reciclado ou celulose vegetal. Contudo, um novo estudo mostra …

Cristais do tempo poderiam permitir simular toda a Internet com poucos qubit

Uma equipa de cientistas japoneses propôs um método que usa cristais do tempo para simular redes massivas com muito pouco poder de computação. Os cristais do tempo podem ser o próximo grande salto na pesquisa de …

Psyche, o planeta fracassado, pode ser o único asteróide inteiramente feito de ferro e níquel

Um estudo da cientista planetária Tracy Becker, do Southwest Research Institute, analisou as primeiras observações ultravioleta do trilionário asteróide metálico Psyche. Com aproximadamente 200 quilómetros de diâmetro, Psyche é um dos objetos mais massivos do cinturão de …

Cientistas criam tinta ultra-branca que ajuda a arrefecer as superfícies

Cientistas criaram uma nova tinta ultra-branca que pode refletir 95,5% da luz solar que chega à sua superfície. De acordo com o site IFLScience, esta propriedade permite que algo revestido com esta tinta ultra-branca, como, por …