Não há um nível seguro no consumo de álcool, aponta estudo

Pode ser más notícias para os amantes de vinho e cerveja. Um novo estudo internacional confirmou o que pesquisa anteriores já tinham revelado: não existe um nível seguro para o consumo de álcool.

Os investigadores admitem que beber álcool de forma moderada pode proteger contra doenças cardíacas, mas sugerem que o risco de desenvolver cancro ou outras complicações de saúde se sobrepõe ao benefícios.

De acordo com os autores do estudo, publicado nesta quinta-feira na revista The Lancet, estas são as descobertas mais significativas realizadas até então, devido à variedade de fatores que foram avaliados durante a pesquisa.

O estudo analisou os níveis de consumo de álcool e os seus efeitos sobre a saúde em 195 países entre 1990 e 2016. Na pesquisa, que contou com participantes dos 15 aos 95 anos, os investigadores compararam pessoas que não bebem álcool com consumidores assíduos.

As conclusões indicam que dos 100 mil participantes que não bebem, 914 apresentaram problemas de saúde relacionados com o consumo de álcool ou sofreram alguma lesão.

Já os participantes que bebem diariamente – cerca de 10 gramas de álcool puro – apresenta um risco 0,5% maior, comparativamente aos que não bebem. Quando o consumo atinge as duas doses diárias, o risco sobe para 7%. Com 5 doses, o risco é 37% maior.

“Estudos anteriores identificaram um efeito protetor do álcool em relação a algumas condições de saúde, mas descobrimos que os riscos associados ao consumo de álcool aumentam com qualquer quantidade consumida”, explicou Max Griswold, autora principal do estudo, da Universidade de Washington, nos EUA.

Sonia Saxena, investigadora do Imperial College London, no Reino Unido, recorda ainda que a maioria das pessoas não bebe apenas uma dose diária.

“Nível seguro”

Sonia Saxena sublinha este estudo é o mais importante já realizado sobre o tema. “Este estudo vai mais além de outros ao levar em conta uma série de fatores, incluindo as vendas de álcool, dados sobre a quantidade de álcool ingerida, abstinência, informações sobre turismo e taxas sobre comércio ilegal e cervejarias artesanais”, explica.

Estima-se que em todo o mundo uma em cada três pessoas consuma álcool – responsável por quase um décimo da mortalidade entre os 15 e os 19 anos.

Já David Spiegelhalter, cientista da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, divulgou uma nota de advertência relativamente ao estudo publicado: “Tendo em conta o prazer associado ao consumo de álcool ainda que moderado, dizer que não há um ‘nível seguro’ não parece um argumento para a abstenção”, considera.

“Não há um nível seguro para conduzir, mas o Governo não recomenda que as pessoas não o façam. Devemos refletir um pouco sobre a questão. Não existe um nível seguro para viver, mas ninguém recomenda que desistamos de viver” concluiu.

ZAP // BBC

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Igrejas evangélicas cultivam violência doméstica ao defender a supremacia dos homens sobre as mulheres

O facto de a igreja evangélica defender que o homem deve controlar a mulher apenas agrava o problema de violência doméstica, justificando os atos dos homens. Jane (nome fictício) era membro da comunidade cristã evangélica da …

A Cidade do México está a pagar aos seus polícias para que percam peso

A Polícia da Cidade do México está a levar a cabo um programa para combater o excesso de peso e a obesidade no seu efetivo através de incentivos financeiros.  Ao todo, escreve a agência AFP que …

Há um novo método para medir buracos negros

Os buracos negros supermassivos são os maiores buracos negros, com massas que podem exceder mil milhões de sóis. Apenas esta primavera foi divulgada a primeira imagem do buraco negro supermassivo no centro da galáxia M87, …

E Tudo o Vento Levou… há 80 anos

E Tudo o Vento Levou celebra este domingo 80 anos de vida, marcando a data da sua estreia nos Estados Unidos. Oito décadas depois, o filme mantém-se como uma das maiores obras primas do cinema …

O problema impossível mais simples do mundo está a levar matemáticos à loucura

Matemáticos avisam os seus colegas para se manterem longe da conjetura de Collatz. No entanto, Terence Tao decidiu arriscar, e está muito perto de resolver aquele que muitos chamam de o problema impossível mais simples …

Soldados da Guerra Civil dos EUA pintavam o cabelo para ficar melhor nas fotografias

Investigadores encontraram evidências que indicam que soldados da Guerra Civil norte-americana pintavam o cabelo para ficar melhor nas fotografias. Escavações em Camp Nelson, no Kentucky, revelaram restos de um estúdio de fotografia com 150 anos, o …

Chuva, vento forte e neve. Mau tempo vai agravar-se nas próximas 48 horas

A Proteção Civil alertou este domingo para um agravamento do estado do tempo nas próximas 48 horas, com períodos de chuva, possibilidade da queda de neve nas terras alta do norte e centro e ainda …

Descoberta nova espécie de aranha-violinista no Vale do México

Cientistas identificaram, no México, uma nova espécie de aranha com um veneno que, apesar de não ser fatal, é capaz de causar necrose na pele humana. Uma equipa de cientistas da Universidade Nacional Autónoma do México …

Já sabemos sobre o que conversam os orangotangos

Um novo estudo da Universidade de Exeter, em Inglaterra, desvendou a linguagem secreta dos orangotangos, descobrindo o que significam 11 sinais vocais e 21 gestos. Os investigadores passaram dois anos a filmar mais de 600 horas …

COP25 aprovou conclusões. Não há acordo para regulação dos mercados de carbono

A cimeira da ONU sobre o clima terminou hoje em Madrid assinalando a urgência para conter as alterações climáticas, mas a mais longa cimeira sobre o clima de sempre sem chegar a acordo nos pontos …