As mulheres têm mais doenças autoimunes do que os homens. A culpa pode ser da placenta

A hipótese da compensação da gravidez mostra que a evolução pode ter tido um papel importante no sistema imunológico das mulheres.

Há cerca de 65 milhões de aos, depois da época dos dinossauros, surgiu o primeiro mamífero do mundo. Pequeno e com uma cauda peluda, este animal muito parecido com um rato tinha também uma placenta, um órgão que cresce no corpo materno para alimentar o feto durante a gravidez.

Um dos mais intrigantes mistérios da medicina tem vindo a confundir os cientistas durante várias décadas: porque é que as mulheres têm mais doenças autoimunes do que os homens? A placenta pode responder a esta questão.

Segundo o Diário de Notícias, as mulheres representam 80% de todos os casos de doença autoimune nos EUA. Aliás, as mulheres são 16 vezes mais propensas do que os homens a contrair a síndrome de Sjögren – uma doença que afeta as glândulas que produzem lágrimas e saliva – e têm nove vezes mais probabilidades de ter tireoidite de Hashimoto. Por sua vez, o lúpus é oito vezes mais comum em mulheres do que em homens.

Em conjunto com a sua equipa da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, a bióloga Melissa Wilson pôs em cima da pesa a “hipótese da compensação da gravidez” para explicar este facto.

À semelhança de todos os mamíferos placentários, as mulheres evoluíram de tal for que poderiam estar grávidas durante grande parte da sua vida adulta. Aliás, antes de haver controlo da natalidade, este era o destino do sexo feminino. Nas sociedades caçadoras-recoletoras, por exemplo, as mulheres tinham, geralmente, oito a 12 filhos.

Para tornar isto possível, o corpo das mulheres desenvolveu-se de modo a conseguir lidar com tantas gravidezes. Quando a placenta se forma, o órgão envia sinais ao sistema imunológico da mãe para alterar a sua atividade, de forma a que o corpo não rejeito o órgão recém-chegado.

Esta alteração pode mesmo significar a suspensão de algumas funções do sistema imunitário durante um certo período, o que representa um risco para as mulheres e para os fetos, uma vez que ficam sensíveis a patógeno.

Em vez disso, explica Wilson, o sistema imunológico da mãe desenvolve capacidades ao longo da sua idade adulta para permanecer vigilante contra os germes, mesmo que algumas das suas partes estejam adormecidas durante a gravidez.

Contudo, em países como os Estados Unidos ou até mesmo Portugal, as mulheres têm menos filhos do que antigamente – menos de dois, em média. A bióloga argumenta que, sem aquele retrocesso mais ou menos constante das placentas durante a gravidez, o sistema imunológico pode ficar muito agressivo e acelerado. É assim que as doenças autoimunes se instalam.

Durante milhões de anos, “o sistema imunológico esperava estar exposto a uma placenta”, detalhou a cientista. Apesar de esta hipótese ter sido bem acolhida pela comunidade científica, a equipa vai continuar a trabalhar para a poder confirmar.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Incêndios em Castelo Branco. Há quatro bombeiros feridos, um está em estado grave

Dois incêndios em Castelo Branco estão a mobilizar mais de 500 operacionais e 15 meios aéreos. Há estradas cortadas e aldeias evacuadas. Dois incêndios em povoamento florestal, todos no distrito de Castelo Branco, um no município …

"É contra a vontade de Deus". Família que se recusou a pagar impostos é condenada na Austrália

Uma família cristã australiana recusou-se a pagar impostos, alegando que é "contra a vontade de Deus". Em tribunal, o juiz obrigou a pagar 1,3 milhões de euros. Em 2017, na Tasmânia, uma família cristã não pagou …

David guardou uma pedra durante anos pensando que era ouro. Afinal, era bem mais raro que isso

Em 2015, David Hole estava a explorar Maryborough Regional Park, perto de Melbourne, na Austrália. Com um detetor de metais, descobriu algo fora do comum: uma rocha avermelhada muito pesada que repousava em argila amarela. Maryborough …

Quadro roubado por soldado nazi é devolvido a museu de Florença

O quadro de natureza-morta tinha sido roubado do museu por um soldado nazi como um presente para a sua esposa. Agora, o quadro foi devolvido ao museu pelos alemães. Um soldado nazi em retirada de Itália …

Um segundo. Foi o tempo que a Inteligência Artificial precisou para resolver um cubo mágico

Investigadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, desenvolveram o DeepCubeA, um algoritmo capaz de resolver o desafio do Cubo de Rubik em pouco mais do que um segundo.  De acordo com a equipa de investigadores …

Investigação revela que ibuprofeno tem efeitos anticancerígenos

O anti-inflamatório ibuprofeno tem efeitos anticancerígenos sobretudo no cancro do colón, inibindo o crescimento de células malignas, revela uma investigação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA). Investigadores do INSA, associados ao Instituto de …

Um pôr do sol apareceu "dividido ao meio" nos EUA

https://vimeo.com/349103840 Recentemente, um efeito ótico incomum fez o pôr do sol assemelhar-se a uma imagem numa tela dividida, mostrando dois céus muito diferentes lado a lado. No lado direito da foto há um horizonte saturado de tons …

Turistas fizeram café em Veneza. Foram multados em 950 euros e convidados a abandonar a cidade

Dois turistas alemães foram multados por fazerem um café nos degraus da famosa ponte Rialto, em Veneza. Depois, tiveram de deixar a cidade, segundo as autoridades municipais. Os dois turistas de Berlim, com idades entre 32 …

Merkel admite: Greta Thunberg teve influência nas novas medidas alemãs pelo ambiente

A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou nesta sexta-feira que o seu governo decidiu ser mais ambicioso nas medidas contra as alterações climáticas como resposta à mobilização e marchas pelo ambiente de crianças e adolescentes inspirados …

Google paga prémios até centenas de milhares de euros para descobrir bugs

A Google aumentou o valor dos prémios que oferece a quem descobrir bugs nos seus produtos e serviços. Alguns dos prémios podem mesmo chegar aos milhares de euros. Ganhar dinheiro ao descobrir bugs é algo desconhecido …