MP suspeita que a Caixa favoreceu empresários e escondeu dívidas de clientes

João Carvalho / wikimedia

Edifício-sede da Caixa Geral de Depósitos, CGD

Edifício-sede da Caixa Geral de Depósitos, CGD

As administrações de Santos Ferreira, Faria de Oliveira e José de Matos na Caixa Geral de Depósitos (CGD) estão sob suspeita de “favorecimentos” a empresários na concessão de créditos e de ocultação deliberada de passivos e de incumprimento de clientes.

Estes dados constam do acórdão entregue no Parlamento, redigido pelo Tribunal da Relação de Lisboa sobre o pedido de levantamento de sigilo bancário na CGD, recusado pelo Banco de Portugal, e são divulgados pelo jornal Público.

O diário nota que o Ministério Público suspeita de “gestão danosa” devido a práticas realizadas entre 2007 e 2016, envolvendo assim as administrações de Santos Ferreira, Faria de Oliveira e José de Matos.

O acórdão nota a “suspeita de que a Caixa tem vindo a acumular, desde pelo menos a década de 2000, um conjunto de negócios consubstanciados em concessões de crédito, sem que as mesmas se revelassem colaterizadas por garantias bancárias adequadas“.

O documento menciona ainda “uma deficiente análise de risco” e “negligência na observância dos níveis prudenciais adequados”, concluindo que estão em causa procedimentos que podem “consubstanciar uma intencional prática de favorecimento de determinados agentes económicos em detrimento de outros, face às condições de acesso ao mercado de crédito”, conforme cita o Público.

Há também suspeitas de que as imparidades registadas na CGD foram uma via para “limpar” créditos cuja concessão violou “normas de racionalidade na gestão”.

O acórdão refere que “se detectou que clientes que apresentavam operações vencidas e tido [como] pagas foram classificadas no segmento ‘créditos sem incumprimento'”, situação que “aponta para uma acção deliberada no sentido de omitir o passivo gerado na esfera do banco”.

Estas práticas suspeitas podem ter “relevância criminal, sendo passíveis de configurar, pelo menos, a comissão de crime de administração danosa”, menciona ainda o documento citado pelo Público.

O Banco de Portugal ainda não foi notificado da decisão e não conhece os seus termos, pelo que só depois decidirá como actuar.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. A banca pública que deveria ser um exemplo para o país afinal está metida num atoleiro igualzinho à banca privada, evitam de vir os defensores de alguma das partes dizer que uma é melhor que a outra, são ambas lixo!.

  2. Os meus parabéns ao Ministério Público.
    Têm vindo a mostrar trabalho, agora é preciso conseguir condenações com penas exemplares, que ajam como factor dissuasor para que estes comportamentos não se repitam.

    • Não temos juízes à altura do trabalho do MP ou da PJ. Estão comprados pelo poder político, uns, e outros julgam-se deuses

RESPONDER

Ventura em operação de charme no Porto depois de um atraso muito criticado no Parlamento

O deputado André Ventura, eleito pelo Chega, tem agendada para este sábado uma verdadeira operação de charme no Porto, com encontros com o presidente da Associação Comercial do Porto e com apoiantes do partido. Iniciativas …

Assistente social acusada de maltratar 14 crianças em centro de acolhimento

O Ministério Público (MP) acusa uma mulher de 46 anos, que era assistente social e diretora técnica de um centro de acolhimento na Maia, no distrito do Porto, de maltratar 14 crianças nesta instituição. De …

Marcelo não vê razão de preocupação com empresas portuguesas de Isabel dos Santos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta sexta-feira ter sinais de que não há razão para preocupação nos setores económicos e empresas portuguesas nas quais a Isabel dos Santos está a vender …

Mina de lítio em Montalegre. "Impactes negativos minimizáveis” e 370 empregos

O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) da concessão de exploração de lítio, em Montalegre, conclui que o projeto possui “impactes negativos” que, no entanto, “não são significativos”, “são minimizáveis” e de “abrangência local”. O EIA do …

Cristas faz o mea culpa e abandona o congresso. Corrida à sucessão faz-se a cinco

O 28.º congresso nacional do CDS arrancou este no Parque de Feiras e Exposições de Aveiro com o discurso da líder demissionária Assunção Cristas, que fez uma espécie de mea culpa e agradeceu aos centristas …

Sérgio Conceição sai do FC Porto no fim da época

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, deixará o comando dos dragões no final da temporada. A derrota em casa com o Braga terá ditado a saída do técnico azul e branco. O técnico do FC …

Joacine quer mais direitos para deputados sem partido. "Está a antecipar" o futuro

A deputada Joacine Katar Moreira, do partido Livre, defendeu esta sexta-feira o alargamento dos direitos regimentais dos deputados não inscritos em partidos. A deputada única do Livre assumiu esta posição no final de uma reunião do …

França confirma 3 casos de coronavírus chinês. Já chegou à Austrália e Malásia

Depois de França ter confirmado três pessoas infetadas com o novo coronavírus oriundo da China, também a Austrália e Malásia reportaram casos. As autoridades da Malásia anunciaram este sábado terem registado os primeiros três casos de …

Amadora. Agredido motorista de autocarro que denunciou Cláudia Simões

Foi agredido o motorista de autocarro que chamou a PSP para denunciar a passageira Cláudia Simões, que alegou posteriormente ter sido agredida pelos agentes da polícia. As agressões tiveram lugar na noite desta sexta-feira, em …

"Dos 4 mil euros que ganho, 3 mil vão para os frades". O padre Vítor Melícias recusa que Tomás Correia ainda controle o Montepio

O padre Vítor Melícias, presidente da Assembleia Geral do Montepio, diz que Tomás Correia "faz falta, mas fez muito bem" em abandonar a liderança da mutualista Montepio. "Dizer que Tomás Correia continua a controlar através …