Movimento quântico observado pela primeira vez

Pela primeira vez, uma equipa de investigadores e colaboradores do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), nos Estados Unidos, encontrou uma forma de observar – e controlar – o movimento quântico de um objeto que é grande o suficiente para se ver.

Seus resultados foram publicados na edição online da revista Science.

Pense no pêndulo de um relógio. Se se esquecer de dar corda, eventualmente o pêndulo ficará em repouso, imóvel. No entanto, esta simples observação – de que os objetos físicos podem estar imóveis – é válida apenas ao nível da física clássica, que engloba as leis e princípios que explicam a física de objetos relativamente grandes, à escala humana.

No entanto, na mecânica quântica – as regras que governam o comportamento fundamental da matéria e da luz em escala atómica -, nada pode estar completamente em repouso.

“Nos últimos dois anos, a minha equipa e algumas outras equipas por todo o mundo tentámos a congelar o movimento de um pequeno objeto de escala micrométrica para produzir este estado fundamental quântico”, diz Keith Schwab, professor de física e física aplicada da Caltech, que liderou o estudo, ao portal Phys.org.

“Mas sabemos que, mesmo no estado fundamental quântico, à temperatura zero, as flutuações de amplitude muito pequenas – ou ruídos – permanecem”.

Vibração e baixas temperaturas

Como este movimento quântico, ou ruído, é teoricamente uma parte intrínseca do movimento de todos os objetos, Schwab e os seus colegas projetaram um dispositivo que lhes permite observar esse ruído e, em seguida, manipulá-lo.

O dispositivo em escala micrométrica consiste numa placa de alumínio flexível, que fica sobre um substrato de silício. A placa é acoplada a um circuito elétrico supercondutor à medida que vibra a uma taxa de 3,5 milhões de vezes por segundo.

De acordo com as leis da mecânica clássica, as estruturas vibratórias, eventualmente, chegam a um descanso completo se arrefecidas até o estado fundamental.

Mas não é isso que Schwab e os seus colegas observaram quando realmente arrefeceram a mola até o estado fundamental nas suas experiências. Em vez disso, a energia residual – o ruído quântico – permaneceu.

“Essa energia é parte da descrição do quantum da natureza – simplesmente não podemos tirá-la”, explica Schwab.

“Todos sabemos que a mecânica quântica explica precisamente porque é que os eletrões se comportam de forma estranha. Aqui, estamos a aplicar a física quântica a algo que é relativamente grande, um dispositivo que pode ser visto ao microscópio ótico, e estamos a ver os efeitos quânticos em um bilião de átomos em vez de apenas um”.

Precisão nas medições

Como este movimento de quantum ruidoso está sempre presente e não pode ser removido, ele impõe um limite fundamental de como se pode medir com precisão a posição de um objeto.

Esse limite, Schwab e os seus colegas descobriram, não é insuperável.

Os coautores Aashish Clerk, da Universidade McGill, e Florian Marquardt, do Instituto Max Planck para a Ciência da Luz, propuseram um novo método para controlar esse ruído quântico, esperando que fosse reduzido periodicamente. A técnica foi então implementada num dispositivo mecânico de microescala no laboratório de baixa temperatura de Schwab na Caltech.

“Há duas variáveis ​​principais que descrevem o ruído ou movimento”, explica Schwab. “Nós mostramos que podemos tornar menores as flutuações de uma das variáveis – à custa de aumentar as flutuações quânticas da outra variável. Isto é o chamado estado quântico espremido; nós esprememos o ruído em um lugar, mas, devido a esta compressão, o ruído tem que sair através de outros lugares. Contudo, desde que estes lugares mais ruidosos não sejam o lugar no qual estamos a fazer a medição, isto não importa”.

A capacidade de controlar o ruído quântico poderia um dia ser usada para melhorar a precisão das medições muito sensíveis, como as obtidas pelo Observatório de Ondas Gravitacionais por Interferometria Laser (LIGO, do inglês Laser Interferometry Gravitational-wave Observatory), um projeto liderado pela Caltech e pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) à procura de sinais de ondas gravitacionais – ondulações no tecido do espaço-tempo.

“Temos pensado muito sobre usar esses métodos para detetar ondas gravitacionais de pulsares – estrelas incrivelmente densas que têm a massa de nosso Sol comprimida num raio de 10 km e com rotação de 10 a 100 vezes por segundo”, explica Schwab. De acordo com artigos da década de 1970, estes pulsares deveriam estar a emitir ondas gravitacionais que são quase perfeitamente periódicas.

Para fazer isto, o dispositivo atual teria de ser aumentado. “O nosso trabalho tem como objetivo detetar a mecânica quântica em escalas cada vez maiores, e a nossa esperança é que um dia isso acabará por tocar em algo tão grande como as ondas gravitacionais”, conclui o investigador.

ZAP / HypeScience

PARTILHAR

RESPONDER

Índice de transmissibilidade sobe. É de 0,71 em Portugal Continental (e acima de 1 nas ilhas)

O índice de transmissibilidade da covid-19 subiu ligeiramente a nível nacional nas últimas duas semanas. Entre 24 e 28 de fevereiro, o índice foi de 0,71. O índice médio de transmissibilidade (Rt) do vírus SARS-CoV-2 está …

Museu Neandertal responde a Joe Biden. "Eram mais espertos do que pensa"

O Museu Neandertal, na Alemanha, endereçou um convite ao Presidente norte-americano Joe Biden, depois de o governante ter considerado a decisão do governador do Texas de acabar com a obrigatoriedade de utilização de máscara um …

Olhos postos no Senegal. Violentos protestos contra a prisão do opositor do Governo

Os confrontos no Senegal, os piores dos últimos anos, foram desencadeados pela detenção do líder da oposição Ousmane Sonko. Os confrontos eclodiram em Dakar, na quinta-feira, depois de o principal líder da oposição, Ousmane Sonko, ter …

Grupo de cientistas questiona missão da OMS e pede investigação independente na China

Um grupo de cientistas está a pedir uma investigação independente sobre a origem do Sars-CoV-2, com acesso total aos registos da China. Um grupo de cientistas escreveu uma carta aberta, divulgada nos jornais Le Monde e …

Brasil a braços com uma tragédia anunciada. República Checa pede ajuda estrangeira

No Brasil, o número diário de mortes já ultrapassou o dos Estados Unidos. Alemanha, Suíça e Polónia estão a disponibilizar os seus hospitais para receber casos graves de covid-19 da República Checa. Em relação a número …

Iniciativa Liberal diz não a Moedas e avança com candidatura em Lisboa

Este sábado, a Iniciativa Liberal rejeitou integrar a megacolicação encabeçada por Carlos Moedas e anunciou um candidato próprio à Câmara de Lisboa.  Foi este sábado, na Praça do Município, que João Cotrim de Figueiredo, líder do …

Agente da PSP que chamou "aberração" a Ventura suspenso por 10 dias

A Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP) confirmou a suspensão de dez dias a Manuel Morais, o agente que chamou "aberração" a André Ventura. O agente da PSP Manuel Morais vai iniciar, este sábado, …

1.007 novos casos e 26 mortes nas últimas 24 horas

Portugal registou este sábado 26 mortes e 1.007 novos casos de infeção nas últimas 24 horas, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico deste sábado, divulgado pela Direção-Geral da Saúde, dá conta de 1.007 …

Publicada lista de entidades abrangidas por alargamento da ADSE

A ADSE já publicou a lista de entidades abrangidas pelo alargamento do subsistema de saúde da função pública aos trabalhadores com contrato individual de trabalho. As entidades reguladoras e a maioria das empresas municipais foram …

O "caminho ainda é longo", mas Portugal já administrou um milhão de vacinas

Esta sexta-feira, Portugal ultrapassou o marco do primeiro milhão de vacinas administradas, mas o "caminho ainda é longo". Portugal ultrapassou, esta sexta-feira, um milhão de vacinas contra a covid-19 administradas, uma marca que o secretário de …