Movimento quântico observado pela primeira vez

Pela primeira vez, uma equipa de investigadores e colaboradores do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), nos Estados Unidos, encontrou uma forma de observar – e controlar – o movimento quântico de um objeto que é grande o suficiente para se ver.

Seus resultados foram publicados na edição online da revista Science.

Pense no pêndulo de um relógio. Se se esquecer de dar corda, eventualmente o pêndulo ficará em repouso, imóvel. No entanto, esta simples observação – de que os objetos físicos podem estar imóveis – é válida apenas ao nível da física clássica, que engloba as leis e princípios que explicam a física de objetos relativamente grandes, à escala humana.

No entanto, na mecânica quântica – as regras que governam o comportamento fundamental da matéria e da luz em escala atómica -, nada pode estar completamente em repouso.

“Nos últimos dois anos, a minha equipa e algumas outras equipas por todo o mundo tentámos a congelar o movimento de um pequeno objeto de escala micrométrica para produzir este estado fundamental quântico”, diz Keith Schwab, professor de física e física aplicada da Caltech, que liderou o estudo, ao portal Phys.org.

“Mas sabemos que, mesmo no estado fundamental quântico, à temperatura zero, as flutuações de amplitude muito pequenas – ou ruídos – permanecem”.

Vibração e baixas temperaturas

Como este movimento quântico, ou ruído, é teoricamente uma parte intrínseca do movimento de todos os objetos, Schwab e os seus colegas projetaram um dispositivo que lhes permite observar esse ruído e, em seguida, manipulá-lo.

O dispositivo em escala micrométrica consiste numa placa de alumínio flexível, que fica sobre um substrato de silício. A placa é acoplada a um circuito elétrico supercondutor à medida que vibra a uma taxa de 3,5 milhões de vezes por segundo.

De acordo com as leis da mecânica clássica, as estruturas vibratórias, eventualmente, chegam a um descanso completo se arrefecidas até o estado fundamental.

Mas não é isso que Schwab e os seus colegas observaram quando realmente arrefeceram a mola até o estado fundamental nas suas experiências. Em vez disso, a energia residual – o ruído quântico – permaneceu.

“Essa energia é parte da descrição do quantum da natureza – simplesmente não podemos tirá-la”, explica Schwab.

“Todos sabemos que a mecânica quântica explica precisamente porque é que os eletrões se comportam de forma estranha. Aqui, estamos a aplicar a física quântica a algo que é relativamente grande, um dispositivo que pode ser visto ao microscópio ótico, e estamos a ver os efeitos quânticos em um bilião de átomos em vez de apenas um”.

Precisão nas medições

Como este movimento de quantum ruidoso está sempre presente e não pode ser removido, ele impõe um limite fundamental de como se pode medir com precisão a posição de um objeto.

Esse limite, Schwab e os seus colegas descobriram, não é insuperável.

Os coautores Aashish Clerk, da Universidade McGill, e Florian Marquardt, do Instituto Max Planck para a Ciência da Luz, propuseram um novo método para controlar esse ruído quântico, esperando que fosse reduzido periodicamente. A técnica foi então implementada num dispositivo mecânico de microescala no laboratório de baixa temperatura de Schwab na Caltech.

“Há duas variáveis ​​principais que descrevem o ruído ou movimento”, explica Schwab. “Nós mostramos que podemos tornar menores as flutuações de uma das variáveis – à custa de aumentar as flutuações quânticas da outra variável. Isto é o chamado estado quântico espremido; nós esprememos o ruído em um lugar, mas, devido a esta compressão, o ruído tem que sair através de outros lugares. Contudo, desde que estes lugares mais ruidosos não sejam o lugar no qual estamos a fazer a medição, isto não importa”.

A capacidade de controlar o ruído quântico poderia um dia ser usada para melhorar a precisão das medições muito sensíveis, como as obtidas pelo Observatório de Ondas Gravitacionais por Interferometria Laser (LIGO, do inglês Laser Interferometry Gravitational-wave Observatory), um projeto liderado pela Caltech e pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) à procura de sinais de ondas gravitacionais – ondulações no tecido do espaço-tempo.

“Temos pensado muito sobre usar esses métodos para detetar ondas gravitacionais de pulsares – estrelas incrivelmente densas que têm a massa de nosso Sol comprimida num raio de 10 km e com rotação de 10 a 100 vezes por segundo”, explica Schwab. De acordo com artigos da década de 1970, estes pulsares deveriam estar a emitir ondas gravitacionais que são quase perfeitamente periódicas.

Para fazer isto, o dispositivo atual teria de ser aumentado. “O nosso trabalho tem como objetivo detetar a mecânica quântica em escalas cada vez maiores, e a nossa esperança é que um dia isso acabará por tocar em algo tão grande como as ondas gravitacionais”, conclui o investigador.

ZAP / HypeScience

PARTILHAR

RESPONDER

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …

Irão corta acesso à Internet após protestos contra a subida do preço da gasolina

O Irão cortou o acesso à internet no sábado, após os protestos contra o aumento do preço da gasolina, que provocaram fortes confrontos entre manifestantes e forças de segurança. O Irão cortou o acesso à internet …

A maior parte das Testemunhas de Jeová não apresenta queixa em caso de abuso sexual. Mas uma nova lei pode alterar essa realidade

Em casos de abuso sexual dentro organização religiosa Testemunhas de Jeová, a maior parte das vítimas não acusa os agressores por receio de serem excluídas, revelou um artigo da Vice. Agora, uma nova lei norte-americana, …

Hong Kong. Agente atingido por flecha e operação policial reforçada com canhão de água

Um polícia foi atingido numa perna por uma flecha lançada por manifestantes antigovernamentais e pró-democracia, informaram as forças de segurança, que reforçaram a operação no local com um canhão de água. Um polícia foi atingido …