Morreu o pianista Chick Corea, lenda do jazz

Ice Boy Tell / Wikimedia

O pianista Chick Corea

O lendário pianista e compositor de jazz morreu aos 79 anos, vítima de uma forma rara de cancro, deixando a “esperança” de que o mundo venha a ter ainda “mais arte e diversão”.

Numa mensagem de despedida divulgada pela família do músico através do seu site, Armando Anthony “Chick” Corea agradece aos “formidáveis amigos músicos” que o ajudaram a cumprir “a missão de levar a alegria da criação a todos os lugares possíveis”.

“Ter alcançado esta missão juntamente com os artistas que admiro tanto, esta foi a riqueza da minha vida”, escreve Corea, que morreu esta terça-feira.

Pianista e compositor, surge entre os precursores do jazz de fusão, desde o final dos anos 1960, quando sucedeu a Herbie Hancock, nos agrupamentos do trompetista Miles Davis – com quem trabalhou num dos mais famosos albuns de Jazz de todos os tempos, Bitches Brew – tendo colaborado com músicos como Dave Holland e Jack DeJohnette, cruzando “free jazz”, improvisação e elementos vindos do “rock’n’roll”.

Ao longo de meio século, Chick Corea explorou sempre distintas áreas musicais e as suas zonas de fronteira, e manteve o trabalho com músicos de diferentes expressões. Destaca-se, neste aspeto, o dueto com o pianista austríaco de raiz clássica Friedrich Gulda ou a escolha de peças do compositor húngaro Béla Bartók, para o seu repertório.

Com ascendência espanhola, apelou ao “Concerto de Aranjuez”, de Joaquín Rodrigo, para o prelúdio de uma das suas mais conhecidas obras, “Spain”, e reuniu influências latino-americanas em “My Spanish Heart”.

Na mensagem de despedida, Corea não mencionou alguns dos grandes nomes da música com quem trabalhou, mas a carreira de mais de meio século rendeu-lhe 23 prémios musicais Grammy.

Desde a década de 1960, trabalhou também com Stan Getz ou Herbie Mann, entre outros músicos que despontaram na emergente cena Jazz de Nova Iorque.

A sua própria banda, Return to Forever, é considerada uma das que inaugurou a era do Jazz de fusão.

Uma das mais influentes bandas de Jazz dos anos 1970, os Return to Forever foram sofrendo várias “encarnações”, primeiro com Corea, Stanley Clarke no baixo acústico, Joe Farrell no sax soprano e flauta, Airto Moreira na bateria e percussão e a esposa de Moreira, Flora Purim como vocalista.

Em 1972, a banda grava o álbum Light as a Feather, uma coleção de melodias de Jazz com sabor brasileiro, incluindo novas versões de “500 Miles High” e “Captain Marvel” e ainda aquela que o próprio Corea considerava a sua composição mais conhecida, “Spain”.

Pela banda passaram ainda o guitarrista Bill Connors, o baterista Lenny White e Al Di Meola, que mais tarde viria a tornar-se um virtuoso da guitarra jazz.

Foi também nos Return to Forever que Corea conheceu aquela que se viria a tornar a sua mulher, a vocalista Gayle Moran.

O seu último álbum, Plays, de 2020, é um testemunho ao virtuosismo e ecletismo de Corea, dentro de estilos que ajudou a tornar incontornáveis, como o Jazz bebop, e até música clássica.

De acordo com a família, a forma rara de cancro que vitimou o lendário músico foi descoberta “muito recentemente”.

Apesar de “ele ser o primeiro a dizer que a sua música dizia mais do que alguma vez as palavras conseguiriam”, refere a família, Corea quis deixar umas últimas palavras aos seus amigos e pessoas amadas.

“É minha esperança que todos os que tenham inspiração para escrever, tocar, interpretar ou outro o façam”, diz Corea na sua última mensagem. “Se não por vocês, então façam-no pelo resto de nós. Não se trata apenas de o mundo precisar de mais artistas, também é muito divertido”, escreveu o pianista.

Ao longo da carreira, Chick Corea somou diversas de atuações em Portugal, entre Lisboa e Porto, Cascais, Funchal, Faro, tendo atuado na casa da Música, nos Coliseus e em diferentes edições do Jazz em Agosto, da Fundação Calouste Gulbenkian, assim como no antigo festival Seixal Jazz.

Trouxe diferentes formações a Portugal, como a Chick Corea Elektric Band, que levou aos coliseus de Lisboa e Porto, em 1992. Tocou a solo, como no concerto da Lisboa 94 – Capital da Cultura, no Teatro S. Luiz, e apresentou-se em duo, com a cumplicidade de Herbie Hancock, no seu último concerto no país, em 2015, no cooljazz, em Oeiras.

Um ano antes incluiu o Centro Cultural de Belém, em Lisboa, na sua digressão mundial e, em 2013, foi um dos nomes em destaque no festival de jazz do Funchal.

Entre os seus últimos concertos em Portugal está também a participação no Algarve Jazz, em 2009, no mesmo ano em que foi cabeça de cartaz no Estoril Jazz.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Marinha dos EUA está a desenvolver drones para matar ovos em ninhos de pássaros selvagens

A Marinha norte-americana e a empresa Hitron Technologies uniram esforços para desenvolver um drone autónomo projetado especificamente para procurar e destruir o maior inimigo da Marinha: os pássaros. Os drones, que estão já a ser testados …

Cientistas criam hologramas que se movem pelo ar

Uma equipa de cientistas da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, conseguiu desenvolver um holograma que projeta imagens em movimento. Se é fã de Star Treck, ficará impressionado com a mais recente inovação. Um grupo de …

Gangue detido por falsificar a especiaria mais cara do mundo

As autoridades espanholas detiveram um gangue que fazia milhões de euros por ano a falsificar a especiaria mais cara do mundo: o açafrão. Os 17 membros da quadrilha foram detidos na região de Castela-Mancha. Os criminosos …

Santuário medieval recebe escultura em pedra que usa máscara contra a covid-19

Uma catedral histórica do Reino Unido renovou um santuário do século XIV, acrescentando um detalhe que coloca em evidência o momento pandémico que o mundo vive. Agora, a nova escultura está a usar uma máscara …

Aos 10 anos, Adewumi chegou à elite mundial do xadrez (e fugiu ao Boko Haram)

Tanitoluwa Adewumi foi perseguido pelo Boko Haram, fugiu da Nigéria e foi sem-abrigo nos Estados Unidos. Agora, com apenas 10 anos, chegou à elite mundial do xadrez. Grande Mestre é um dos títulos vitalícios concedidos pela …

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …