Monumento ancestral revela os segredos da batalha que fez nascer o Império Romano

Arqueólogos e historiadores estão a lançar uma nova luz sobre um dos eventos mais importantes da história da humanidade – a terrível batalha que deu origem ao Império Romano.

Um estudo detalhado de um único monumento da vitória, com vista para o mar no noroeste da Grécia, revela alguns dos segredos perdidos deste compromisso militar crucial – uma grande batalha marítima entre o filho adotivo e herdeiro de Júlio César, Octávio – que se tornou o primeiro imperador de Roma – e a rainha Cleópatra do Egito (e seu amante romano, Marco António).

Os restos do monumento da vitória ainda sobrevivem adjacentes a Nicópolis – a maior cidade antiga e arruinada da Grécia.

Octávio, que recebeu o título de Augusto quando se tornou imperador de Roma, venceu o confronto naval em 31 a.C. Agora, mais de dois mil anos depois, a análise detalhada do seu grande monumento à vitória, com vista para o local da batalha perto do santuário religioso grego de Actium, está a ajudar os estudiosos a entender melhor como a sua vitória foi alcançada.

Sempre se pensou que muitos dos navios de Cleópatra e Marco António eram maiores do que os de Octávio – e, portanto, menos manobráveis. Dados arqueológicos cruciais obtidos nas escavações do monumento da vitória nos últimos anos forneceram a primeira confirmação arqueológica de que alguns dos navios de Cleópatra e de Marco António eram realmente muito grandes.

Isso teria dado a Octávio – que tinha embarcações menores e mais rápidas – uma vantagem. A evidência também está a permitir que os arqueólogos comecem a elaborar a lógica militar por trás das táticas de batalha de Otaviano.

Os dados cruciais são de uma série de cerca de 35 nichos colocados na frente do grande monumento da vitória de Octávio. É sabido, em parte de um poema romano do século I, que os nichos foram feitos para conter os grandes aríetes de bronze marinhos de alguns dos mais importantes navios de guerra de Marco António e Cleópatra.

Octávio capturou 350 dos seus navios – e escolheu os aríetes de apenas 35 como troféus de guerra para exibição permanente no seu monumento à derrota dos seus inimigos. A análise dos nichos revelou que são de dimensões diferentes e, portanto, foram feitos para conter aríetes inimigos específicos de diferentes formas e tamanhos.

O desenho detalhado de alguns dos nichos revela as dimensões e formas verticais dos lados de cada aríete – e a partir desses detalhes, os arqueólogos puderam deduzir que a crucial curvilínea horizontal chamada “wale” de cada embarcação era extraordinariamente massiva. É concebível que alguns dos navios de guerra de António e Cleópatra tenham até 40 metros de comprimento.

Prevê-se que futuras análises das dimensões do nicho revelarão detalhes sobre as madeiras horizontais e sobre a quantidade de força envolvida no ataque a um navio inimigo. Por sua vez, ajudará a avançar ainda mais a compreensão dos académicos sobre a enorme escala do poder militar e da capacidade dos navios envolvidos.

As dimensões do nicho sugerem que os aríetes de bronze dos navios de guerra de António e Cleópatra tinham pelo menos quatro vezes o tamanho dos maiores aríetes antigos já encontrados por arqueólogos.

O maior nicho parece ter sido construído para abrigar um imenso aríetes de 1,7 metros de largura. Além disso, a evidência de nicho sugere que alguns dos aríetes tinham 1,6 metros de altura e 2,5 metros de comprimento.

Embora o objetivo principal dos aríetes gigantescos fosse romper as defesas de entrada do porto, o papel pretendido nesta batalha era perfurar os cascos dos navios inimigos abaixo da linha de água, potencialmente afundando-os.

Os detalhes desta investigação, financiada pelo Ministério da Cultura da Grécia e pela Fundação Stavros Niarchos, foram revelados numa conferência arqueológica internacional organizada em San Diego, Califórnia, pelo Instituto Arqueológico da América.

O arqueólogo sénior, Konstantinos Zachos, curador emérito de antiguidades do Ministério da Cultura da Grécia, disse ao The Independent que a análise dos dados arqueológicos cruciais do monumento da vitória deve continuar. “Histórica e arqueologicamente, esta estrutura romana é de tremenda importância internacional”.

O monumento não foi a única coisa que Octávio construiu para celebrar a sua vitória histórica e para comemorar a criação oficial do grande império de Roma. Ele construiu uma cidade em grande escala – Nicópolis -, que cresceu até ter uma população de mais de 20 mil pessoas.

Os portões e muros antigos da cidade, os teatros, banhos e estádio e vilas romanas, igrejas e sistema de aqueduto ainda sobrevivem até hoje e podem ser visitados por turistas. É a maior cidade antiga em ruínas da Grécia – localizada a seis quilómetros a norte da cidade de Preveza, na região grega de Épiro. O enorme teatro da cidade há muito abandonada está a ser conservado atualmente.

Embora o monumento da vitória e muitos dos edifícios impressionantes da cidade tenham sobrevivido ao longo dos séculos, todos os 35 aríetes de bronze desapareceram há muito tempo – com exceção de alguns fragmentos.

É provável que os aríetes tenham sido derretidos por pessoas locais, milícias ou Bárbaros entre os séculos IV ou V, o mesmo período que viu o enfraquecimento e colapso de grande parte o império Romano. Nesse sentido, o sítio representa não apenas o nascimento, como também o início do seu desaparecimento.

ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

Cérebros de pessoas que pintam com os pés revelam uma adaptação neurológica brilhante

https://vimeo.com/361083247 Numa nova investigação que demonstra o quão flexível é o nosso cérebro, cientistas mostraram que os cérebros das pessoas que pintam com os pés estão a mapear os membros inferiores quase como se fossem mãos. No …

Afinal, o universo pode ser 2 mil milhões de anos mais novo do que pensávamos

Novos cálculos sugerem que o universo pode ser dois mil milhões de anos mais novo do que aquilo que se pensava. Contudo, é difícil saber com exatidão a sua verdadeira idade. Os cientistas calculam a idade …

O maior vulcão de uma lua de Júpiter pode estar prestes a entrar em erupção

O maior vulcão de Io, uma das quatro grandes luas de Júpiter, pode estar prestes a explodir. Décadas de observação mostram um ciclo periódico nas erupções deste vulcão. De acordo com o Science Alert, o vulcão …

Crianças e adolescentes são quem mais consome açúcar em Portugal

Um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), que teve por base o Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física, concluiu que as crianças e os adolescentes são quem mais consome …

A Rússia já sabe como apareceu a fissura na nave Soyuz (mas não revela)

A Corporação Espacial Estatal da Rússia, Roscosmos, já sabe qual é a origem da fissura encontrada há um ano na nave Soyuz MS-09, acoplada à Estação Espacial internacional. Mas não revelará mais informações. "O buraco foi …

SIVRAC, a bicicleta elétrica que se dobra em apenas um segundo

Com um quadro em forma de "X" e dobrável num estalar de dedos, a nova SIVRAC promete ser uma solução prática para quem viaja, por exemplo, de bicicleta para o trabalho. A bicicleta é um …

Porto 2-1 Young Boys | Dragão de duas faces com estreia feliz

O FC Porto entrou na Liga Europa com o pé direito, ao vencer o Young Boys por 2-1, no Estádio do Dragão. Uma primeira parte de enorme qualidade, na qual os suíços só por uma …

Dois turistas foram apanhados a nadar nus em Veneza. Vão pagar 3 mil euros cada um

Os homens checos estavam em Itália para apoiar a sua equipa de futebol - o Slavia de Praga que jogou contra o Inter em Milão -. Os dois visitantes, em Veneza, decidiram dar um mergulho. Um …

Voar sobre as águas do Sena. Paris testa "bolha do mar", um barco-táxi amigo do ambiente

Paris está a testar um novo meio de transporte mais amigo do ambiente: um barco-táxi ecológico que desliza nas águas do rio Sena. Esta semana, o sea bubble (bolha do mar) está em testes no rio …

Há uma "Matilde" na Bélgica que também precisa do medicamento mais caro do mundo

Mais de 950 mil belgas responderam ao apelo de um casal, que precisava de reunir 1,9 milhões de euros para comprar o medicamento mais caro do mundo para a filha. Pia, de nove meses, sofre de …