Monumento ancestral revela os segredos da batalha que fez nascer o Império Romano

Arqueólogos e historiadores estão a lançar uma nova luz sobre um dos eventos mais importantes da história da humanidade – a terrível batalha que deu origem ao Império Romano.

Um estudo detalhado de um único monumento da vitória, com vista para o mar no noroeste da Grécia, revela alguns dos segredos perdidos deste compromisso militar crucial – uma grande batalha marítima entre o filho adotivo e herdeiro de Júlio César, Octávio – que se tornou o primeiro imperador de Roma – e a rainha Cleópatra do Egito (e seu amante romano, Marco António).

Os restos do monumento da vitória ainda sobrevivem adjacentes a Nicópolis – a maior cidade antiga e arruinada da Grécia.

Octávio, que recebeu o título de Augusto quando se tornou imperador de Roma, venceu o confronto naval em 31 a.C. Agora, mais de dois mil anos depois, a análise detalhada do seu grande monumento à vitória, com vista para o local da batalha perto do santuário religioso grego de Actium, está a ajudar os estudiosos a entender melhor como a sua vitória foi alcançada.

Sempre se pensou que muitos dos navios de Cleópatra e Marco António eram maiores do que os de Octávio – e, portanto, menos manobráveis. Dados arqueológicos cruciais obtidos nas escavações do monumento da vitória nos últimos anos forneceram a primeira confirmação arqueológica de que alguns dos navios de Cleópatra e de Marco António eram realmente muito grandes.

Isso teria dado a Octávio – que tinha embarcações menores e mais rápidas – uma vantagem. A evidência também está a permitir que os arqueólogos comecem a elaborar a lógica militar por trás das táticas de batalha de Otaviano.

Os dados cruciais são de uma série de cerca de 35 nichos colocados na frente do grande monumento da vitória de Octávio. É sabido, em parte de um poema romano do século I, que os nichos foram feitos para conter os grandes aríetes de bronze marinhos de alguns dos mais importantes navios de guerra de Marco António e Cleópatra.

Octávio capturou 350 dos seus navios – e escolheu os aríetes de apenas 35 como troféus de guerra para exibição permanente no seu monumento à derrota dos seus inimigos. A análise dos nichos revelou que são de dimensões diferentes e, portanto, foram feitos para conter aríetes inimigos específicos de diferentes formas e tamanhos.

O desenho detalhado de alguns dos nichos revela as dimensões e formas verticais dos lados de cada aríete – e a partir desses detalhes, os arqueólogos puderam deduzir que a crucial curvilínea horizontal chamada “wale” de cada embarcação era extraordinariamente massiva. É concebível que alguns dos navios de guerra de António e Cleópatra tenham até 40 metros de comprimento.

Prevê-se que futuras análises das dimensões do nicho revelarão detalhes sobre as madeiras horizontais e sobre a quantidade de força envolvida no ataque a um navio inimigo. Por sua vez, ajudará a avançar ainda mais a compreensão dos académicos sobre a enorme escala do poder militar e da capacidade dos navios envolvidos.

As dimensões do nicho sugerem que os aríetes de bronze dos navios de guerra de António e Cleópatra tinham pelo menos quatro vezes o tamanho dos maiores aríetes antigos já encontrados por arqueólogos.

O maior nicho parece ter sido construído para abrigar um imenso aríetes de 1,7 metros de largura. Além disso, a evidência de nicho sugere que alguns dos aríetes tinham 1,6 metros de altura e 2,5 metros de comprimento.

Embora o objetivo principal dos aríetes gigantescos fosse romper as defesas de entrada do porto, o papel pretendido nesta batalha era perfurar os cascos dos navios inimigos abaixo da linha de água, potencialmente afundando-os.

Os detalhes desta investigação, financiada pelo Ministério da Cultura da Grécia e pela Fundação Stavros Niarchos, foram revelados numa conferência arqueológica internacional organizada em San Diego, Califórnia, pelo Instituto Arqueológico da América.

O arqueólogo sénior, Konstantinos Zachos, curador emérito de antiguidades do Ministério da Cultura da Grécia, disse ao The Independent que a análise dos dados arqueológicos cruciais do monumento da vitória deve continuar. “Histórica e arqueologicamente, esta estrutura romana é de tremenda importância internacional”.

O monumento não foi a única coisa que Octávio construiu para celebrar a sua vitória histórica e para comemorar a criação oficial do grande império de Roma. Ele construiu uma cidade em grande escala – Nicópolis -, que cresceu até ter uma população de mais de 20 mil pessoas.

Os portões e muros antigos da cidade, os teatros, banhos e estádio e vilas romanas, igrejas e sistema de aqueduto ainda sobrevivem até hoje e podem ser visitados por turistas. É a maior cidade antiga em ruínas da Grécia – localizada a seis quilómetros a norte da cidade de Preveza, na região grega de Épiro. O enorme teatro da cidade há muito abandonada está a ser conservado atualmente.

Embora o monumento da vitória e muitos dos edifícios impressionantes da cidade tenham sobrevivido ao longo dos séculos, todos os 35 aríetes de bronze desapareceram há muito tempo – com exceção de alguns fragmentos.

É provável que os aríetes tenham sido derretidos por pessoas locais, milícias ou Bárbaros entre os séculos IV ou V, o mesmo período que viu o enfraquecimento e colapso de grande parte o império Romano. Nesse sentido, o sítio representa não apenas o nascimento, como também o início do seu desaparecimento.

ZAP ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

Cavaco acusa Governo de Costa de continuar a alimentar "monstro" da despesa pública

Cavaco Silva volta a criticar o Governo de Costa, desta vez por criar “impostos adicionais” sobre “tudo o que mexe” para alimentar “o monstro” da despesa pública. O ex-primeiro-ministro e antigo Presidente da República Aníbal Cavaco …

Dívidas de Vieira investigadas. Com falência à vista, grupo do líder do Benfica pagou viagens de luxo

Afinal, o Fundo de Resolução nunca aceitou a reestruturação das dívidas do grupo empresarial de Luís Filipe Vieira, ao contrário do que foi dito aos deputados na Comissão Parlamentar de Inquérito aos grandes devedores do …

João Rendeiro condenado a 10 anos de prisão

João Rendeiro, antigo presidente do Banco Privado Português (BPP), foi condenado a 10 anos de prisão efetiva esta sexta-feira. O tribunal condenou o ex-presidente do Banco Privado Português (BPP), João Rendeiro, a 10 anos de prisão …

Bloqueio de migrantes. Salvini não vai a julgamento

Matteo Salvini, líder do Liga, não vai a julgamento na sequência do bloqueio do desembarque de migrantes a bordo do navio da Guarda Costeira italiana "Gregoretti", em julho de 2019. Esta sexta-feira, um tribunal italiano decidiu …

Promulgado diploma sobre acesso às praias (com alerta para novo regime de multas)

O "regime contraordenacional, que está previsto para o não cumprimento de um conjunto de regras que temos na área covid, também é aplicado" às regras relativas às praias. O Presidente da República promulgou, esta sexta-feira, o …

PCP vai votar contra reforma das Forças Armadas

Os comunistas consideram tratar-se de uma "alteração significativa" da estrutura de comando, sem dar resposta "a problemas que persistem há largos anos" na instituição militar". O PCP vai votar contra as propostas do Governo para a …

Biden diz que ataque a oleoduto veio da Rússia. Mas exclui envolvimento do Kremlin

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, afirmou na quinta-feira que o ciberataque que paralisou durante vários dias a maior rede de oleodutos do país foi proveniente da Rússia, mas exclui envolvimento do Governo …

Máscaras vieram para ficar. Mas pode haver exceções

A máscara de proteção individual vai continuar a fazer parte do nosso dia-a-dia. No entanto, pode haver exceções para os já vacinados contra a covid-19. O Governo convidou os especialistas a criarem um novo plano e …

Chega quer que agentes da PSP e GNR usem câmaras de vídeo nas lapelas e nas viaturas

O deputado único do Chega entregou esta quinta-feira um projeto de resolução no Parlamento que recomenda a colocação de câmaras de vídeo nas lapelas das fardas e nas viaturas das forças de segurança, a fim …

Em dia sem registo de mortes, Portugal contabiliza 450 novos casos

Esta sexta-feira, Portugal não regista qualquer óbito. Nas últimas 24 horas, houve 450 novos casos positivos de infeção, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Não morreu ninguém infetado com o novo …