Aeroporto do Montijo. GEOTA diz que avaliação ambiental a três soluções é “um simulacro”

ANA / VINCI Aeroportos

Projeto para novo Aeroporto no Montijo

A associação ambientalista GEOTA afirmou esta quinta-feira que o processo de Avaliação Ambiental Estratégica (AAE) a três soluções para reforço da capacidade aeroportuária em Lisboa é “um simulacro”, considerando que devem estar “em cima da mesa todas as alternativas viáveis”.

Em declarações à agência Lusa, o presidente do Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente (GEOTA), João Dias Coelho, afirmou que “o Governo está a tentar fazer um simulacro de uma AAE e não está a seguir aquilo que se pretende“.

“Uma AAE séria pressupõe que são avaliadas todas as soluções possíveis nas diversas variantes, sejam socioeconómicas, ambientais, condições de operação aeroportuária, navegação aérea e questões de saúde, como o ruído”, afirmou.

Em 2 de março, o Ministério das Infraestruturas, tutelado por Pedro Nuno Santos, anunciou que o Governo vai avançar com a realização de um processo de AAE a três soluções para o reforço da capacidade aeroportuária em Lisboa.

Em comunicado, o ministério explicou que vai “promover uma avaliação que compare” três soluções: a atual solução dual, em que o Aeroporto Humberto Delgado terá o estatuto de aeroporto principal e o futuro Aeroporto do Montijo o de complementar; uma solução dual alternativa, em que o Aeroporto do Montijo adquirirá, progressivamente, o estatuto de aeroporto principal e o Aeroporto Humberto Delgado o de complementar; e a construção de um novo aeroporto internacional de Lisboa no Campo de Tiro de Alcochete.

Para a GEOTA, o processo a três soluções revela que “não há planeamento estratégico”.

“O Governo tem de dizer o que é que vai estar em cima da mesa em termos de estudo e as alternativas, e aí têm de ser todas as que são viáveis. Não faz sentido limitar isto a duas soluções”, disse, considerando que a solução em que o Aeroporto do Montijo, no distrito de Setúbal, adquire o estatuto de aeroporto principal “não é viável”.

“Acho que esta solução é para esquecer”, referiu, elencando a questão da segurança e da proximidade ao estuário do Tejo.

O presidente da associação ambientalista disse existirem “outras soluções”, como o Aeroporto da Ota (em Alenquer), Alverca (em Vila Fraca de Xira) ou até Beja, e defendeu a “necessidade de a AAE começar com um procedimento público de definição do âmbito”.

“Há alternativas que podem ainda ser estudadas”, disse José Dias Coelho, acrescentando que nesta altura de pandemia é fundamental para o país “pensar que tipo de turismo quer cativar” e refletir sobre o futuro do tráfego aéreo.

“O futuro do tráfego aéreo é uma dúvida a todos os níveis, não só pela pandemia, mas face às metas que temos no Acordo de Paris e no Pacto Ecológico Europeu, que visa a redução das emissões de dióxido de carbono e o corte de voos a menos de 600 quilómetros. Isto tem de ser tido em conta”, referiu.

Para o representante, qualquer solução que venha a ser estudada tem de ter em conta dois aspetos: “o valor patrimonial da paisagem (como é o caso do estuário do Tejo) e a ligação ferroviária”.

“No século XXI, não há nenhum país desenvolvido que construa um aeroporto sem uma ligação ferroviária. É uma necessidade absoluta de qualquer aeroporto moderno estar servido por ferrovia”, salientou.

José Dias Coelho disse ainda que a proposta que o Governo enviou ao parlamento no sentido de eliminar da legislação em vigor a formulação que faz depender do parecer de autarquias locais a construção de um aeroporto nacional é “inaceitável” e “altamente discutível”, defendendo que a mesma deve ser “chumbada pela Assembleia da República”.

“Isto torna a lei abstrata e geral para qualquer circunstância e qualquer aeroporto que se queira construir no futuro. É absolutamente inaceitável porque nos termos em que é feita elimina toda a transparência do processo, bem como parte das competências da Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC)”, referiu.

A proposta, aprovada em Conselho de Ministros eletrónico na passada sexta-feira (dia 09 de março), além de retirar o poder de veto às autarquias em relação a aeroportos nacionais, prevê ainda que, daqui em diante, o parecer das autarquias seja emitido “no prazo máximo de 20 dias”.

Nesta matéria, o responsável alertou ainda que “todos os prognósticos relativamente à recuperação do tráfego aéreo não apontam para recuperações imediatas”.

“Ainda consigo perceber a urgência desta proposta quando o Aeroporto da Portela [Humberto Delgado] estava quase com 32 milhões de pessoas a circular. Neste momento, estamos numa situação diferente, em que a recuperação do tráfego aéreo vai demorar à partida dois a quatro anos. Não há uma urgência como havia”, afirmou.

  // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Entre "bomba atómica" e "cozinhado" de última hora, Marcelo recebeu Rangel (para irritação de Rio)

O Presidente da República recebeu Paulo Rangel numa altura em que tenta ainda "cozinhar" um entendimento de última hora para aprovação do Orçamento de Estado para 2022, de modo a evitar a "bomba atómica" da …

Sarabia (2E) do Sporting disputa a bola com Ricielli (2D) do Famalicão durante jogo da Taça da Liga

Sporting 2-1 Famalicão | Leões roubaram a bola e não deram hipóteses

O Sporting venceu o Famalicão 2-1, em jogo do grupo B da Taça da Liga, no qual, apesar da diferença mínima, não deu hipóteses ao adversário e controlou-o desde o primeiro ao último minuto. Finalmente Rúben …

Cidade australiana está a dar terrenos de graça para atrair novos moradores

Uma cidade em Queensland, na Austrália, está a doar terrenos numa tentativa de aumentar a sua população de apenas 800 pessoas. Em declarações ao site news.com.au, as autoridades da cidade australiana de Quilpie explicaram que estão …

Princesa Mako e o marido Komuro Kei

Entre escândalos na imprensa e stress pós-traumático, nada deteve o amor da Princesa Mako pelo plebeu Kei Komuro

A monarca japonesa vai abandonar a vida real e viver nos EUA com o marido, um advogado plebeu que conheceu em 2012 na Universidade. A imprensa tem escrutinado a vida de Komuro Kei, que consideram …

Depressão: o relato de Vanessa Fernandes

Escrava do seu sucesso, a vencedora de uma medalha nos Jogos Olímpicos confessa que teria ficado destruída, caso não tivesse pedido ajuda. A ideia era sempre "ganhar e ser a melhor" mas, nos bastidores, Vanessa Fernandes …

Squid Game. Coreia do Norte ataca Coreia do Sul com base no novo sucesso da Netflix

A série "Squid Game", que é a mais vista de sempre na Netflix, tornou-se tão popular que nem a Coreia do Norte ficou indiferente — mas por maus motivos. Enquanto a série sul-coreana tem conquistado espectadores …

O jogador do Santa Clara, Chindris, festeja um golo contra o FC Porto

Santa Clara 3-1 FC Porto | Eficácia atira dragões para fora da Taça da Liga

O Santa Clara recebeu e venceu hoje o FC Porto por 3-1, atirando os portistas para fora da Taça da Liga, num jogo em que a eficácia açoriana fez a diferença. Os golos do triunfo açoriano …

O Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque

Albuquerque mostrou-se disponível para negociar o OE, mas Rio diz que "a Madeira não está à venda"

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, manifestou hoje disponibilidade para conversar com o Governo sobre o OE, mas Rui Rio garantiu que os deputados madeirenses não vão contrariar o partido. “Se for para …

Golpe de Estado no Sudão. Confrontos nas ruas causam sete mortos e 140 feridos

Milhares de sudaneses têm saído às ruas para protestarem a tomada do poder pelos militares. A comunidade internacional tem sido unânime na condenação ao golpe de Estado. Na sequência do golpe de Estado de segunda-feira, os …

Amnistia Internacional pede que EUA retirem acusações a Assange e a Londres que evite extraditá-lo

A Amnistia Internacional (AI) pediu aos Estados Unidos que retirem as acusações contra o fundador da Wikileaks, Julian Assange, e ao Reino Unido que evite extraditá-lo, pedido feito hoje antes do início, quarta-feira, de nova …