Mistério dos buracos “saca-rolhas” de Nazca resolvido a partir do espaço

Abel Pardo López / wikimedia

Buracos saca-rolhas de Nazca, Peru, conhecidos como Puquios, integravam "sistema hidráulico sofisticado".

Buracos saca-rolhas de Nazca, Peru, conhecidos como Puquios, integravam “sistema hidráulico sofisticado”.

Foi preciso olhar do espaço para as marcas da civilização Nazca, no Perú, para resolver um dos grandes mistérios arqueológicos dos nossos tempos: a origem dos chamados puquios.

Segundo a investigadora Rosa Lasaponara, do Instituto italiano de Metodologias para a Análise Ambiental, estes buracos em forma de saca-rolhas serviam para captar o vento e levar a água a fluir pelos canais subterrâneos.

Estas formações faziam parte de um “sistema hidráulico sofisticado construído para retirar água dos aquíferos subterrâneos”, explica a cientista à BBC.

Já se sabia que estes buracos, construídos há mais de 2 mil anos pela civilização Nazca, como uma espécie de chaminés com o formato de saca-rolhas afunilados, situadas acima de canais subterrâneos, eram usados como aquedutos.

Mas só agora, depois uma análise de imagens de satélite, foi possível perceber qual era a sua verdadeira função dos puquios.

Foram construídos para canalizar o vento até aos canais subterrâneos para ajudar a água a fluir, transportando-a assim, até onde era precisa, constatou a equipa de Rosa Lasaponara.

As imagens de satélite analisadas permitiram fazer o mapeamento detalhado dos puquios, cruzando a sua localização com outras infraestruturas da civilização Nazca, ajudando a resolver um dos grandes enigmas arqueológicos dos nossos tempos.

(cv)

“Os puquios foram o projecto hidráulico mais ambicioso na área de Nazca e tornavam a água disponível para todo o ano, não apenas para a agricultura e irrigação, mas também para necessidades domésticas”, constata Rosa Lasaponara na BBC, onde realça que algumas destas estruturas, ainda funcionam hoje em dia.

“Explorando uma inesgotável fonte de água, ao longo do ano, o sistema puquio contribuiu para uma agricultura intensiva dos vales num dos lugares mais áridos do mundo”, diz também a investigadora, referindo que a região era afectada por secas que podiam durar durante muito tempo, anos por vezes.

Outra ideia que sai desta investigação é que “a construção destes puquios envolveu o uso de uma tecnologia particularmente especializada“, diz Rosa Lasaponara.

A investigadora realça o facto de os nativos de Nazca terem um conhecimento avançado da geologia e das variações anuais das fontes de água da região.

Manter os canais a funcionar exigia também, uma habilidade técnica grande, porque estavam situados em falhas tectónicas e a investigadora realça que “é realmente impressionante” os “grandes esforços, organização e cooperação exigidos para a sua construção e manutenção regular”.

Rosa Lasaponara prevê que a manutenção dos puquios devia funcionar num “sistema social e colaborativo organizado”, semelhante ao que levou ao “desenho” das famosas linhas de Nazca, algumas das quais estarão também relacionadas com a água, nomeadamente indicando a corrente da água subterrânea e os seus reservatórios.

Em termos sociais, estas estruturas únicas eram também usadas como arma política, com os que detinham o poder a afirmarem-no “controlando a distribuição de água”.

A investigação ainda não foi publicada, o que está previsto acontecer ainda neste ano.

SV, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

As colónias espaciais de Bezos flutuam, são auto-sustentáveis e até se podem parecer com Florença

O CEO da Amazon e fundador da empresa de transporte aeroespacial Blue Origin levantou o véu sobre os seus planos futuros, detalhando as suas ideias para a colonização do Espaço. Jeff Bezos sonha com "cápsulas" …

Descoberta nova espécie de rã de cristal na Colômbia

Uma rã de cristal com um coaxar peculiar foi descoberta na Sierra Nevada de Santa Marta, uma cordilheira localizada na Colômbia. "Foi um golpe de sorte", revelou o cientista que encontrou o novo espécime. Segundo …

O café mais caro do mundo vende-se na California. Custa 66 euros

Um café na California, nos EUA, prepara o que apresenta como o café mais caro do mundo. Chama-se Elida Natural Geisha 803 e custa 75 dólares (66 euros) por chávena. A rede Klatch Coffee Roasters, que …

Inglês pagou 265 euros por um Picasso falso. Afinal, era verdadeiro

Um residente da cidade de Crawley, na Inglaterra, comprou por 292 dólares (cerca de 261 euros) uma pintura que achava ser uma boa farsa de um conhecido trabalho de Pablo Picasso. Porém, seis meses depois, soube …

China cria aplicação de reconhecimento facial para distinguir pandas

Investigadores do Centro de Pesquisa e Conservação da China para Pandas Gigantes, juntamente com a Universidade de Tecnologia de Nanyang, em Singapura, e a Universidade Normal de Sichuan desenvolveram uma aplicação com um software de …

Corvos da Torre de Londres "salvaram" o país. Tiveram crias pela primeira vez em 30 anos

Os icónicos corvos negros da Torre de Londres "salvaram" o Reino Unido das consequências fatídicas de uma antiga profecia ao ter descendentes pela primeira vez desde 1989. O casal formado por Huginn (o pai) e Muninn …

A Estónia só tem um lingote de ouro e nem sequer o pode vender

O Banco Central da Estónia, que completou em maio 100 anos desde a sua função, só tem um lingote de ouro e nem sequer o pode vender, uma vez que o material não é puro …

Explosão atinge autocarro de turistas perto das Pirâmides de Gizé

Uma explosão atingiu um autocarro de turistas perto das célebres pirâmides de Gizé, no Egito, provocando 17 feridos, entre naturais do Egito e da África do Sul, noticia a agência France-Presse. Um engenho explosivo detonou à …

Alerta de erupção vulcânica. Monte Hakone fechado a turistas

As autoridades japonesas activaram este domingo o alerta por possível erupção vulcânica no monte Hakone, e fecharam todos os acessos à popular paisagem natural, que é visitada anualmente por milhões de turistas. A Agência Meteorológica do …

Vírus gigantes nas águas da Índia podem resolver mistério evolutivo

Uma equipa liderada por cientistas do Instituto Indiano de Tecnologia em Bombaim descobriu mais de 20 novos vírus nas águas da cidade, incluindo versões gigantes destes agentes biológicos que podem ajudar a desvendar questões importantes …