Ministro da Defesa do Brasil rejeita possível intervenção militar na Venezuela

agenciasenado / Flickr

O ministro da Defesa do Brasil, Fernando Azevedo e Silva

Na semana passada, o cenário não foi descartado pelo Presidente Jair Bolsonaro. No entanto, o ministro da Defesa coloca essa hipótese de lado.

O ministro da Defesa do Brasil, Fernando Azevedo e Silva, rejeitou, esta terça-feira, uma possível intervenção militar de Brasília na Venezuela, um cenário que na semana passada não tinha sido descartado pelo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro.

Essa não é uma hipótese que estamos a considerar, o Brasil está a procurar uma solução pacífica e rápida para a crise na Venezuela”, disse o ministro aos jornalistas, em Washington, depois de um encontro com o secretário da Defesa interino norte-americano, Patrick Shanahan.

Na semana passada, durante a sua viagem oficial a Washington, Bolsonaro deu uma resposta ambígua sobre este tema na conferência de imprensa após o encontro com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

“Existem algumas questões que, se você fala sobre elas, não são mais estratégicas. É uma questão de estratégia, tudo o que discutimos aqui (em privado) vamos cumprir, mas algumas possibilidades não são ditas em público”, afirmou Bolsonaro.

“Temos alguns assuntos em que estamos a trabalhar em conjunto, reconhecendo, obviamente, a capacidade económica, bélica, entre outras, dos Estados Unidos. Temos de resolver a questão da nossa Venezuela”, afirmou na Câmara do Comércio norte-americana, acrescentando: “O povo venezuelano tem de ser libertado e acreditamos e contamos, obviamente, com o apoio norte-americano para que esse objetivo seja alcançado”.

Em resposta, o Governo venezuelano condenou as “declarações perigosas” dos presidentes dos Estados Unidos, e do Brasil e manifestou-se preocupado pela influência norte-americana sobre o dirigente brasileiro.

“O Governo da República Bolivariana da Venezuela manifesta a sua contundente condenação pelas declarações perigosas dos presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e do Brasil, Jair Bolsonaro”, lê-se num comunicado divulgado em Caracas.

O documento, divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores, sublinha que ser “grotesco ver dois chefes de Estado com responsabilidades internacionais conjuntas, fazerem apologia de guerra sem qualquer distensão, em flagrante violação da Carta das Nações Unidas”.

“A influência belicista norte-americana sobre o Brasil e as teses supremacistas de Donald Trump sobre Jair Bolsonaro são muito preocupantes. Os dois presidentes, sem dúvida, refletem as ideias mais retrógradas para os povos da região, assim como para a paz e a segurança mundial”, acrescenta.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Desmantelada rede criminosa ligada à imigração ilegal para a Europa

A polícia italiana deteve hoje 19 pessoas de uma rede criminosa dedicada ao tráfico e transporte ilegal de migrantes do Afeganistão, Irão, Iraque e Paquistão para a Itália e, posteriormente, para o norte da Europa, …

Nasceu o SeeArch, uma espécie de colete salva-vidas para resgates em mar aberto

Se uma pessoa se separar da sua embarcação em mar aberto, permanecer à tona não é o único desafio. Ser visto pelos salvadores é uma missão importante que o novo SeeArch, usável e insuflável, vai …

Há 127 concelhos que vão manter os limites no fim de semana. Saiba quais

Os concelhos que mantém risco muito elevado e extremamente elevado terão de manter até dia 23 deste mês as atuais restrições, incluindo de limitação de circulação ao fim de semana. Houve 27 concelhos que saíram …

Piscina mais profunda do mundo inaugurada na Polónia

Com 45 metros de profundidade, a piscina Deepspot foi recentemente inaugurada na Polónia. Vai servir de zona de treino para mergulhadores, bombeiros e forças armadas. A piscina mais profunda do mundo foi inaugurada esta semana em …

Mais 6087 novos casos de covid-19 em Portugal. Este é o maior número da semana

Portugal registou este sábado 6087 novos casos e 73 mortes por covid-19. No total, mais de 318 mil pessoas já foram infetadas com o novo coronavírus e 4876 morreram. Nas últimas 24 horas, mais 6165 …

Sedada e com um capuz sobre os olhos, a girafa Asiwa foi resgatada de uma ilha no Quénia

Conservacionistas, autoridades do Governo e membros da comunidade local uniram-se para resgatar oito girafas numa ilha no Quénia. A população de girafas em África tem diminuído nas últimas décadas devido à perda de habitat e à …

Governo mantém restrições. Exceções no Natal, mas no Ano Novo volta a ser proibida a circulação entre concelhos

António Costa falou hoje ao país para anunciar as novas medidas para a quadra festiva. O primeiro-ministro revelou que no Natal as medidas serão aliviadas, como já se esperava, porém voltam a apertar no Ano …

Joe Biden está a planear uma tomada de posse em versão reduzida. Trump pode não marcar presença

A pouco mais de um mês de tomar posse como Presidente dos EUA, Joe Biden anunciou que está a planear reduzir a dimensão da cerimónia para garantir a segurança devido à pandemia. Segundo o Público, Joe …

O Peru enfrenta o maior desafio político desde a ditadura de Fujimori. A responsabilidade está nas mãos de Sagasti

O novo presidente do Peru assumiu o cargo em 17 de novembro em circunstâncias nada desejáveis. O país, que até ao ano passado vinha a ser apontado como um exemplo na área económica, enfrenta agora …

Três anti-histamínicos mostram eficácia a inibir infeção pelo coronavírus

Três medicamentos anti-histamínicos mostraram alguma eficácia a inibir a infeção de células pelo novo coronavírus responsável pela covid-19, segundo os resultados preliminares de um estudo da Universidade da Florida divulgado na sexta-feira. As descobertas sobre os …