Desarmados, militares vão ser usados no combate ao terrorismo

José Sena Goulão / Lusa

A secretária-geral do Sistema de Segurança Interna quer por as Forças Armadas no terreno, ao lado e sob o comando das polícias para dar apoio logístico e de patrulhamento. Mas sem autorização para disparar.

Os militares portugueses poderão ser chamados a reforçar patrulhas das forças de segurança para proteção a pontos sensíveis, a partilhar informações com a PSP e a GNR e a disponibilizar meios próprios – como instalações, comunicações ou transporte – em determinados cenários em que esteja em causa a segurança interna do país.

A informação é avançada pelo Diário de Notícias, que acrescenta que os militares atuarão sempre sob o controlo operacional do responsável das polícias que estiver a comandar a operação. Além disso, as Forças Armadas estarão desarmadas e a ação deverá ter um prazo definido no tempo.

Dos sete planos previstos na ENCT, quatro estão concluídos, revela o jornal. Por isso, estão concluídos os planos que definem a intervenção dos militares em solo nacional: proteção de infraestruturas, comunicação com os media e prevenção da radicalização.

Faltando, por outro lado concluir três planos relativos a ataques nucleares, biológicos, químicos e radiológicos, proteção das comunidades portuguesas no exterior e cibersegurança.

O atraso na elaboração destes programas, da responsabilidade do gabinete da secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, deve-se ao facto de envolverem várias forças de segurança, com formas de atuar muito diferentes e difíceis de compatibilizar.

O ENCT estará, apesar disso, concluído em breve e será apresentado nos próximos dias ao almirante Silva Ribeiro, Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, pela secretária-geral do SSI, Helena Fazenda.

Ao contrário do que tem sido a tradição dos chefes das Forças Armadas, Silva Ribeiro terá já manifestado apoio ao plano traçado por Helena Fazenda para chamar os militares a dar apoio num cenário de ameaça à segurança interna.

Um plano com os mesmos objetivos já tinha estado em cima da mesa em 2010, desenvolvido pelo gabinete do então secretário-geral do SSI, Mário Mendes, atualmente juiz conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça, mas a oposição dos chefes militares e até do então ministro da Defesa, Augusto Santos Silva, atual ministro dos Negócios Estrangeiros, deixou o projeto para a gaveta.

Mário Mendes defendia também que para esta articulação não seria necessário mudar a Constituição, porque “o que está em causa é utilizar os militares em complemento das polícias, apenas quando estas não tiverem capacidade para tal e sempre sob o comando da força de segurança competente na operação”.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Os militares portugueses poderão ser chamados a REFORCAR patrulhas das forças de segurança para protecção a pontos sensíveis, a partilhar informações com a PSP e a GNR e a disponibilizar meios próprios – como instalações, comunicações ou transporte – em determinados cenários em que esteja em causa a segurança interna do país.

    A informação é avançada pelo Diário de Notícias, que acrescenta que os militares atuarão sempre sob o controlo operacional do responsável das polícias que estiver a comandar a operação. Além disso, as Forças Armadas estarão desarmadas e a ação deverá ter um prazo definido no tempo.

    ENTÃO QUE ALTEREM O NOME PARA FORÇAS DESARMADAS..

  2. As Forças Armadas estarão desarmadas esta tem piada então que vão lá fazer só se for para ganhar ajudas de custo e se for isto mal estamos

RESPONDER

No debate sobre o Plano de Recuperação, evocou-se Sócrates e Passos

O líder do PSD questionou o primeiro-ministro se pretende "fomentar o desemprego" com o aumento do salário mínimo. O chefe do Governo manifestou-se "completamente perplexo". Na abertura do debate sobre o Plano de Recuperação e Resiliência, …

380 baleias morreram encalhadas na Austrália. Este é o maior incidente registado no país

Morreram pelo menos 380 baleias-piloto presas numa baía remota da Tasmânia. Apesar dos intensos esforços para tentar salvá-las não foi possível evitar este cenário, informou hoje um responsável pelos serviços de socorro. "Temos um número mais …

Ansu vale 400 milhões e é "sucessor" de Lopetegui

A figura mais recente do Barcelona e do futebol espanhol entrou oficialmente na equipa principal e, por isso, a cláusula de rescisão "disparou". Em Barcelona continua-se a falar muito sobre Luis Suárez. Depois de Lionel Messi, …

Deputados chumbam divulgação imediata e integral da auditoria ao Novo Banco

Os deputados da Comissão de Orçamento e Finanças (COF) rejeitaram, esta quarta-feira, o requerimento do Bloco de Esquerda (BE) para divulgação pública imediata e integral do relatório de auditoria especial ao Novo Banco enviado pelo …

Bélgica recoloca Lisboa e região Centro no "vermelho"

As autoridades belgas aliviaram ligeiramente as medidas restritivas no quadro da pandemia da covid-19, apesar do aumento do número de casos, esta quarta-feira, e recolocaram a área metropolitana de Lisboa e a região centro de …

"É bastante provável que já se esteja a formar a covid-21"

Tudo "o que não sabemos" sobre o coronavírus - e é muita coisa! - é o que mais preocupa o especialista de Saúde Global do Conselho de Relações Externas dos EUA, Yanzhong Huang, que alerta …

Bruxelas propõe novo pacto para as migrações e pede compromisso a todos os Estados-membros

A Comissão Europeia propôs, esta quarta-feira, um novo Pacto para as Migrações e Asilo, à luz do qual "todos os Estados-membros, sem exceção", devem assumir as suas responsabilidades. Assumindo que "o sistema atual não funciona" e …

Após ameaças da Al-Qaeda, jornalistas franceses escrevem carta em defesa da Charlie Hebdo

Cerca de 100 órgãos de comunicação social em França publicaram hoje uma carta aberta apelando à defesa da liberdade de expressão, em apoio à revista Charlie Hebdo, quando decorre o julgamento dos atentados de 2015. A …

Lukashenko toma posse em cerimónia "secreta". Oposição apela a mais protestos

O Presidente da Bielorrússia foi empossado, esta quarta-feira, para um sexto mandato numa cerimónia não anunciada. A oposição já apelou a mais protestos. "Alexander Lukashenko prestou juramento na língua bielorrussa, após o qual assinou o ato …

"Não somos uma moeda de troca", diz Presidente do Irão. EUA terão de levantar sanções

O Presidente irianiano, Hassan Rohani, fez na terça-feira um discurso em tom desafiador e inflamado na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), afirmando que os Estados Unidos (EUA) não terão outra alternativa que …