Militares americanos criaram uma IA que aprendeu a programar software

A BAYOU é uma ferramenta de aprendizagem que basicamente funciona como um mecanismo de pesquisa para a codificação: insere o tipo de programa que deseja criar, e ela emite o código Java que desempenha a função que está a precisar, com base no seu melhor palpite.

A ferramenta foi desenvolvida por uma equipa de cientistas da computação da Universidade de Rice, nos EUA, com financiamento dos militares americanos e do Google.

Um artigo que descreve o desenvolvimento da BAYOU e os tipos de problemas que pode ajudar a resolver foi publicado, em inglês, no site gratuito arXiv.

Para criar a ferramenta, os cientistas alimentaram o código-fonte de cerca de 1.500 aplicações para Android, que chega a 100 milhões de linhas de código em Java, na rede neural da BAYOU, resultando numa Inteligência Aritificial que pode programar outro software.

Se o código que a BAYOU leu incluía qualquer tipo de informação sobre o que faz, então a ferramenta também aprendeu como esses programas funcionam.

Essa informação contextual é o que permite que a IA escreva softwares funcionais baseados em apenas algumas palavras-chave e informações básicas sobre o que o programador deseja.

Um instrumento como este pode tornar mais simples e mais intuitivo ensinar as pessoas a codificar, já que podem usar essa IA para gerar exemplos de código ou até para verificar o seu próprio trabalho.

Neste momento, a BAYOU ainda está nos estágios iniciais. A equipa por trás da tecnologia ainda está a provar que realmente funciona.

Para os mais assustados, este (ainda) não é o momento em que a Inteligência Artificial se torna autorreplicante: a BAYOU apenas gera o que os investigadores chamam de “esboços” de um programa, relevantes para o que um programador está a tentar escrever.

Depois, os esboços ainda têm que ser organizados e podem ter que ser adaptados ao projeto em questão. Mesmo que a tecnologia seja inicial, representa um passo importante na procura por um programador de inteligência artificial, um objetivo de longa data para cientistas da computação.

Outras tentativas de criar algo parecido com a BAYOU exigiam mais orientações em direção ao tipo correto de código. Como essa IA consegue trabalhar com apenas algumas palavras-chave, é muito menos demorada e muito mais fácil de usar, no geral.

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Suspeitos da morte de jovem cabo-verdiano ficam em prisão preventiva

Os cinco suspeitos da morte do estudante cabo-verdiano vão aguardar julgamento em prisão preventiva, indiciados pelos crimes de homicídio qualificado e três tentativas de homicídio. A decisão, lida aos jornalistas cerca das 23h30 de sexta-feira por …

Cientistas descobriram o ponto fraco dos tardígrados

Os tardígrados, também chamados ursos de água, são conhecidos pela sua resistência. Mas um novo estudo revela agora que estes pequenos organismos também têm um ponto fraco: exposição de longo prazo a altas temperaturas. Em 2018, …

Detetadas "partículas fantasmagóricas" que o Modelo Padrão não pode explicar

O observatório IceCube, localizado no Pólo Sul, revelou que a Antena Antena Antártida de Impulso Transitivo (ANITA) detetou alguns "sinais muito estranhos" que "não pode ser explicados" pelo Modelo Padrão da Física. O projeto ANITA, …

Descoberto primeiro asteróide que se move apenas dentro da órbita de Vénus

Uma rede de telescópios robóticos operados à distância observou um asteróide que, além de ser o asteróide mais próximo do Sol, é também o primeiro asteróide descoberto que se move completamente dentro da órbita de …

Mark Zuckerberg tem medo do TikTok (e já se sabe porquê)

Mark Zuckerberg já deixou claro, mais do que uma vez, que não gosta do TikTok. No entanto, agora sabemos o que está por trás desta hostilidade pelo rival: a aplicação está a crescer muito, mesmo …

A empresa mãe da Google já vale um bilião de dólares

Esta quinta-feira, a Alphabet, empresa mãe da Google, conseguiu uma cotação na bolsa de 1 bilião de dólares, cerca de 900 mil milhões de euros. A Alphabet tornou-se, esta quinta-feira, a quarta empresa norte-americana a conseguir …

Cientistas criam "cimento vivo" capaz de se "curar"

Uma equipa de cientistas dos Estados Unidos criou um "cimento vivo" juntando areia e bactérias num material de construção capaz de se auto-reproduzir, de absorver dióxido de carbono e manter a resistência. "Já usamos materiais biológicos …

Sporting 0-2 Benfica | Águia vence dérbi e foge na frente

O Benfica foi o grande vencedor do dérbi lisboeta. Na visita ao Sporting, os “encarnados” marcaram dois golos sem resposta, ambos na segunda parte, por Rafa Silva, entrado no decorrer da segunda parte, após ter …

Um em cada seis homens é vítima de abuso sexual antes dos 18 anos

Um em cada seis homens é vítima de abuso sexual antes dos 18 anos e podem levam décadas até pedir ajuda, por nem sempre aceitarem e entenderem que sofreram violência sexual. Na maior parte dos …

"Messiah", da Netflix, reacende controvérsia sobre os limites da liberdade de expressão

A série Messiah, disponível na plataforma de streaming Netflix, acende a controvérsia em torno dos limites da liberdade de expressão e da criatividade no mundo das artes e do entretenimento. Messiah, uma série produzida por Michael …