Milhares de pessoas processam jornal japonês por artigos sobre escravas sexuais

Jim O'Connell

-

Mais de 8.700 pessoas intentaram uma ação contra o diário japonês Asahi pelos artigos sobre as escravas sexuais na II Guerra Mundial, exigindo uma indemnização por ter “difundido dados errados à comunidade internacional”, informa esta terça-feira o jornal Mainichi.

Segundo a acusação, apresentada esta segunda-feira junto do Tribunal do Distrito de Tóquio, os demandantes, em que se incluem investigadores, jornalistas e deputados, exigem ao Asahi uma indemnização de dez mil ienes (75 euros) por pessoa, considerando que o jornal “causou danos ao direito individual e à honra dos japoneses”.

Mais pessoas planeiam juntar-se à ação, pelo que se espera que, no futuro, o número de demandantes ronde os 13 mil, disse um porta-voz do grupo à agência noticiosa japonesa Kyodo.

A ação tem lugar depois de um pedido de desculpa apresentado pelo jornal em agosto último por causa de uma série de reportagens, publicadas há décadas e aparentemente assentes em falsos testemunhos, sobre o recrutamento de mulheres na ilha coreana de Jeju para servirem como escravas sexuais do exército nipónico durante a II Guerra Mundial.

Os demandantes criticaram o jornal dizendo que o “Asahi simplesmente pediu desculpa aos leitores, não fazendo qualquer tipo de esforço para restabelecer a honra pública [das japonesas] diante da comunidade internacional”.

Shoichi Watanabe, professor emérito da Universidade Sophia de Tóquio, que lidera o grupo, afirmou em conferência de imprensa sentir-se “enojado” com o jornal por fazer os japoneses se envergonharem. Um membro do jornal disse que a empresa vai analisar de que forma irá lidar com o assunto após ler, em profundidade, a denúncia.

Cerca de 200 mil mulheres, incluindo adolescentes, foram recrutadas, à força, na Coreia e na China durante a II Guerra Mundial (1939-1945) pelo exército japonês para proporcionar serviços sexuais aos soldados sob o eufemismo de “mulheres de conforto“, um episódio histórico que hoje continua a ser um tema sensível nas relações entre o Japão e os dois vizinhos.

Em 1993, o Japão admitiu a sua responsabilidade com a “declaração Kono”, do nome do secretário-geral do governo da época, apresentando “as desculpas e os remorsos” do país, após ter negado durante anos a existência desse sistema de escravidão sexual.

Contudo, continuam a existir movimentos que sustentam – como a ação apresentada – que “não há provas de que as autoridades japonesas tomaram as ‘mulheres de conforto’ à força”.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

De que forma é o universo? Astrofísicos acreditam que pode ser um donut 3D gigante

Um novo estudo pode vir mudar a percepção de que o universo é infinito. Será que o universo é infinito? Qual será a forma do cosmos? Já há séculos que estas perguntas andam nas mentes dos …

"Checkmate". Rússia apresenta o seu novo jacto de combate revolucionário

O novo jacto é a aposta do governo russo para as exportações e pode vir a ditar o fim da supremacia (aérea e no mercado) do F-35 norte-americano. A Rússia apresentou o protótipo do novo jacto …

"É demasiado tarde". As palavras dos médicos aos doentes com covid-19 que recusaram a vacina

Estados Unidos da América contam com 48.49% da população totalmente vacinada, apesar de o processo ter estagnado nas últimas semanas. Os números de novas infeções crescem, assim como as mortes face ao crescimento galopante da …

"Pingdemic". Há uma nova "pandemia" a causar escassez de comida e combustível no Reino Unido

As medidas de distanciamento social no Reino Unido caíram e, como consequência, centenas de milhares de pessoas estão a ser notificadas para cumprir isolamento. A partir desta segunda-feira o uso de máscara e outras medidas de …

O lago mais improvável de Roma é um refúgio urbano (que impulsiona o ativismo ambiental)

O lago mais improvável de Roma, que nem sequer devia existir, motivou uma luta pela proteção ambiental do local. No anos 90, num local de construção a apenas alguns quilómetros a leste do Coliseu de Roma, …

Afeganistão. EUA lançam ataques aéreos enquanto Talibãs exigem a renúncia do Presidente

Os Estados Unidos (EUA) entraram num confronto pela cidade de Kandahar, realizando ataques aéreos em apoio às forças afegãs, enquanto os Talibãs apelam ao Presidente Ashraf Ghani para renunciar. O porta-voz do Pentágono, John Kirby, avançou …

A primeira casa impressa em 3D no Canadá é inspirada na sequência de Fibonacci

Depois de ter inspirado inúmeros edifícios, a sequência de Fibonacci serviu de musa à empresa de impressão em 3D Twente Additive Manufacturing (TAM), que criou a primeira casa impressa em 3D do Canadá. A Fibonacci House é …

Marcha do Orgulho de Budapeste será um protesto contra as leis anti-LGBTQI, diz organização

A marcha do Orgulho em Budapeste, que ocorrerá no sábado, será "uma celebração, mas também um protesto", disseram os organizadores, enquanto a comunidade LGBTQI húngara se prepara para desafiar a escalada da campanha anti-homossexual do …

PSD propõe máximo de 215 deputados e divisão de grandes círculos eleitorais

O PSD apresentou, esta sexta-feira, a sua proposta para a reforma do sistema eleitoral, que fixa um máximo de 215 deputados, menos 15 do que o total atualmente em vigor. A proposta do PSD para a …

Variante Lambda: o que saber sobre a nova mutação que preocupa as autoridades

Está a ter um foco mais circunscrito à América Latina, mas já houve dois casos desta mutação em Portugal. A OMS está atenta e de momento classifica a Lambda como uma variante de interesse. Foi inicialmente …