Os micróbios intestinais podem estar a “comer” a nossa medicação

massdistraction / Flickr

A dosagem de medicação ideal varia de pessoa para pessoa e, muitas vezes, por razões misteriosas. Na realidade, até pequenos microrganismos que vivem no nosso corpo podem “comer” a nossa medicação.

Uma recente investigação acaba de concluir que os microrganismos intestinais Enterococcus faecalis e Eggerthella lenta podem intercetar a levodopa (L-dopa) – um fármaco comummente usado em doentes com Parkinson – e transformá-la quimicamente antes de chegar ao cérebro.

Esta investigação concentra-se num tratamento específico para uma condição, mas a equipa de cientistas por trás desta descoberta considera que o papel do nosso microbioma intestinal pode estar a ser subestimado, pelo menos o papel que este representa na eficácia e potência dos medicamentos que ingerimos.

O fármaco L-dopa tem como missão administrar dopamina ao cérebro, substituindo assim a dopamina consumida pela doença de Parkinson. No entanto, desde a introdução da L-dopa na década de 1960, os cientistas sabem que as enzimas no intestino podem impedir a entrega, levando a alguns efeitos colaterais desagradáveis à medida que a dopamina “se perde” antes de chegar ao cérebro.

De forma a manter o L-dopa intacto, foi introduzido um segundo fármaco (carbidopa), mas nem sempre é eficaz. Segundo Maini Rekdal, da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, esta nova investigação identificou as bactérias específicas que são as responsáveis por este “fracasso” da medicação. O artigo científico foi publicado na Science.

Com referência ao Projeto Microbioma Humano, os cientistas descobriram que não apenas as nossas próprias enzimas podem estar a causar estragos na medicação que ingerimos, como também a bactéria Enterococcus faecalis pode converter L-dopa em dopamina antes de chegar ao cérebro.

Além disso, escreve o Science Alert, através de amostras fecais e suprimentos de dopamina, os cientistas identificaram que a bactéria Eggerthella lenta consome dopamina convertida e produz meta-tiramina neuromoduladora como subproduto.

Tanto a E. faecalis como a E. lenta estão aparentemente a trabalhar em conjunto para impedir que a medicação alcance o seu alvo principal: o cérebro. Além disso, apesar de a carbidopa ser usada para impedir que uma enzima intestinal converta a L-dopa em dopamina no sistema digestivo, o fármaco não parece funcionar com a enzima E. faecalis.

Mas há uma boa notícia. A equipa já encontrou uma molécula capaz de impedir que a E. faecalis destrua a L-dopa sem destruir a própria bactéria, atacando uma enzima não essencial – a molécula alfa- fluorometiltirosina (AFMT).

Na prática, isto significa que os cientistas estão perto de encontrar uma forma de tornar o L-dopa significativamente mais eficaz no tratamento da doença de Parkinson.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Há infetados que escondem a doença com medo de perder o salário

O médico António Pais Lacerda, diretor do serviço de Medicina Interna II do Hospital Santa Maria, em Lisboa, alerta que o medo de perder salário ou emprego leva pessoas infetadas com o novo coronavírus …

Tottenham perde frente ao Antuérpia. Mourinho "rasga" equipa: "Queria fazer 11 substituições ao intervalo"

O Tottenham perdeu esta quinta-feira frente ao Antuérpia, na segunda jornada da Liga Europa de futebol, levando o treinador português José Mourinho a criticar a sua equipa. "Queria fazer 11 substituições ao intervalo", admitiu. No …

PCP sobe fasquia no OE2021. Quer mais um escalão de IRS

O PCP quer que o Orçamento do Estado para 2021 contemple a criação de um novo escalão de IRS, segundo uma das dezenas propostas de alteração ao documento que os comunistas fizeram chegar ao Parlamento. Em …

Equipas lusas 100% vitoriosas na jornada europeia. Gaitán estreou-se com um grande golo

O SC Braga e o Benfica venceram esta sexta-feira as partidas a contar para a Liga Europa, depois de o FC Porto ter também saído vitorioso do jogo que disputou frente aos gregos do Olympiacos …

Mutação do coronavírus pode ter tido origem em Espanha (e isso pode explicar a segunda vaga)

Análises realizadas pela Universidade de Basileia, a Escola Politécnica Federal de Zurique e o consórcio espanhol SeqCovid-Spain, liderado pelo Conselho Superior de Investigação Científica, mostram que a nova variante se espalhou pela Europa e outras …

Arqueólogos encontraram lamas sacrificadas pelos Incas no Peru

Arqueólogos encontraram, no Peru, restos mortais mumificados de cinco lamas que foram sacrificadas pelos deuses Incas há cerca de 500 anos. De acordo com o site Live Science, as lamas mumificadas ainda estão adornadas com os cordões …

"Nunca vi nada assim." Ameaça terrorista é mais intensa do que nunca em França (e mais difícil de travar)

O ataque terrorista dentro de uma Igreja em Nice, com a morte de 3 pessoas, veio reforçar a ameaça do terrorismo islâmico em França. Já havia sinais e alertas oficiais de perigo numa altura em …

Costa recebe partidos esta sexta-feira. "Nenhuma medida está excluída", garante Costa

O primeiro-ministro recebe esta sexta-feira, em São Bento, os partidos com representação parlamentar para procurar um consenso para a adoção de medidas imediatas de combate à pandemia de covid-19. Além disso, o Governo vai auscultar …

Ratos-toupeira-nus foram apanhados a raptar bebés de outras colónias

Cientistas descobriram dois casos em que ratos-toupeira-nus foram raptados da sua colónia, tendo sido transformados em escravos. De acordo com o site Science Alert, embora os ratos-toupeira-nus (Heterocephalus glaber) sejam pequenos, têm grandes colónias compostas por …

Não houve multas por falta de máscaras (e o Canhão da Nazaré não desiludiu)

Milhares de pessoas juntaram-se, algumas das quais sem máscaras, para ver as ondas gigantes da Nazaré, nesta quinta-feira, mas nenhuma delas foi multada, apesar de violarem as regras da Direcção-Geral da Saúde (DGS). No mar, …