Mais de metade do nosso corpo não é humano

As células humanas representam apenas 43% do total de células do nosso corpo. Os restantes 57% são microrganismos que vivem em nós.

O nosso microbioma está a tornar-se numa área de estudo cada vez mais importante, que, ao mesmo tempo, permite que aumentemos a nossa compreensão sobre a saúde humana. “Os micróbios são essenciais para a nossa saúde”, disse a professora Ruth Ley, do departamento de microbiologia do Instituto Max Planck, na Alemanha, à BBC.

Inicialmente, o cenário era ainda mais intimidante, já que os cientistas pensavam que apenas 10% do nosso corpo era realmente humano. “Esta investigação foi refinada e a estimativa atual é a de que sejamos 43% humanos”, explicou Rob Knight, da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos.

No entanto, ao contrário do que possamos pensar, não se trata de uma questão de higiene. Quase todos os cantos do nosso corpo estão cobertos de criaturas microscópicas – bactérias, vírus, fungos e arqueias – que não desaparecem, mesmo quando tomamos banho. Aliás, a maior concentração desta vida microscópica está nos intestinos.

Geneticamente falando, estamos ainda em maior desvantagem. O genoma humano é composto por 20.000 genes e, se juntarmos os genes do nosso microbioma, temos um número entre os 2 e os 20 milhões de genes microbianos.

“Não temos apenas um genoma. Os genes do nosso microbioma representam um segundo genoma que aumenta a nossa própria atividade genética. O que nos torna humanos é, na minha opinião, uma combinação de nosso ADN com o ADN dos nossos micróbios intestinais”, disse Sarkis Mazmanian, do Instituto de Tecnologia da Califórnia.

Isto significa que não carregamos material microbiano à toa, sem que interaja ou tenha algum efeito nos nossos corpos. Aliás, o microbioma é uma personagem fulcral na regulação do nosso sistema imunológico.

Muitas vezes os micróbios são nossos aliados e não rivais, como são mais comummente conhecidos. Essa é uma das maiores preocupações dos investigadores, que estão preocupados com o facto de os antibióticos e vacinas atacarem não só os “micróbios maus” como também os “micróbios bons”.

Se por um lado a medicina fez um ótimo trabalho na eliminação de doenças infeciosas nos últimos 50 anos, por outro temos observado um enorme aumento de doenças autoimunes.

Mas o microbioma está também a ser associado a doenças inflamatórias, Parkinson, cancro, depressão, autismo e até obesidade. Rob Knight defende que uma dieta baseada em chocolate, por exemplo, afeta o risco de desenvolver esta última condição como também o tipo de micróbios que crescem no nosso trato digestivo.

Para o provar, o investigador realizou experiências com ratos que nasceram no mundo mais higienizado possível, ou seja, toda a sua existência tinha sido completamente livre de micróbios. Knight e os seus colegas inseriram nestes animais o microbioma de humanos magros e obesos e isso fez com que os ratos se tornassem mais magros ou mais gordos.

“Esta é uma descoberta incrível. Apesar disso, estamos concentrados em saber se poderá ser traduzida num tratamento para humanos”, avançou Knight. Esta nova esperança pode traduzir-se num gigantesco passo: transformar os micróbios que habitam os nossos corpos numa forma de medicina.

Apesar de a medicina microbiana estar na sua fase inicial, os cientistas acreditam que a parte não humana do nosso corpo poderá ser lida instantaneamente num futuro próximo e fornecer informações importantes sobre a nossa saúde.

PARTILHAR

RESPONDER

As colónias espaciais de Bezos flutuam, são auto-sustentáveis e até se podem parecer com Florença

O CEO da Amazon e fundador da empresa de transporte aeroespacial Blue Origin levantou o véu sobre os seus planos futuros, detalhando as suas ideias para a colonização do Espaço. Jeff Bezos sonha com "cápsulas" …

Descoberta nova espécie de rã de cristal na Colômbia

Uma rã de cristal com um coaxar peculiar foi descoberta na Sierra Nevada de Santa Marta, uma cordilheira localizada na Colômbia. "Foi um golpe de sorte", revelou o cientista que encontrou o novo espécime. Segundo …

O café mais caro do mundo vende-se na California. Custa 66 euros

Um café na California, nos EUA, prepara o que apresenta como o café mais caro do mundo. Chama-se Elida Natural Geisha 803 e custa 75 dólares (66 euros) por chávena. A rede Klatch Coffee Roasters, que …

Inglês pagou 265 euros por um Picasso falso. Afinal, era verdadeiro

Um residente da cidade de Crawley, na Inglaterra, comprou por 292 dólares (cerca de 261 euros) uma pintura que achava ser uma boa farsa de um conhecido trabalho de Pablo Picasso. Porém, seis meses depois, soube …

China cria aplicação de reconhecimento facial para distinguir pandas

Investigadores do Centro de Pesquisa e Conservação da China para Pandas Gigantes, juntamente com a Universidade de Tecnologia de Nanyang, em Singapura, e a Universidade Normal de Sichuan desenvolveram uma aplicação com um software de …

Corvos da Torre de Londres "salvaram" o país. Tiveram crias pela primeira vez em 30 anos

Os icónicos corvos negros da Torre de Londres "salvaram" o Reino Unido das consequências fatídicas de uma antiga profecia ao ter descendentes pela primeira vez desde 1989. O casal formado por Huginn (o pai) e Muninn …

A Estónia só tem um lingote de ouro e nem sequer o pode vender

O Banco Central da Estónia, que completou em maio 100 anos desde a sua função, só tem um lingote de ouro e nem sequer o pode vender, uma vez que o material não é puro …

Explosão atinge autocarro de turistas perto das Pirâmides de Gizé

Uma explosão atingiu um autocarro de turistas perto das célebres pirâmides de Gizé, no Egito, provocando 17 feridos, entre naturais do Egito e da África do Sul, noticia a agência France-Presse. Um engenho explosivo detonou à …

Alerta de erupção vulcânica. Monte Hakone fechado a turistas

As autoridades japonesas activaram este domingo o alerta por possível erupção vulcânica no monte Hakone, e fecharam todos os acessos à popular paisagem natural, que é visitada anualmente por milhões de turistas. A Agência Meteorológica do …

Vírus gigantes nas águas da Índia podem resolver mistério evolutivo

Uma equipa liderada por cientistas do Instituto Indiano de Tecnologia em Bombaim descobriu mais de 20 novos vírus nas águas da cidade, incluindo versões gigantes destes agentes biológicos que podem ajudar a desvendar questões importantes …