Mercúrio vai passar na segunda-feira à frente do Sol

Mercúrio vai passar esta segunda-feira diante do Sol, um fenómeno raro visível em Portugal, através de telescópios com filtros solares – se o estado do tempo ajudar.

O trânsito de Mercúrio, o planeta do Sistema Solar mais próximo do astro-rei, durará mais de sete horas: começa pelas 12h12 (hora de Lisboa), atinge o ponto máximo às 15h56 e termina pelas 19h41, de acordo com a página na Internet do Observatório Astronómico de Lisboa.

O planeta, que aos olhos de quem o observa surgirá como um pequeno círculo escuro, move-se lentamente ao atravessar o disco solar. Chama-se trânsito porque Mercúrio passa entre o Sol e a Terra.

O fenómeno acontece, na sua plenitude, na Europa Ocidental, no leste da América do Norte, no norte da América do Sul, no Ártico, na Gronelândia, no extremo noroeste de África e no Oceano Atlântico.

Em Lisboa e no Porto – se a meteorologia o permitir, já que estão previstos aguaceiros -, o fenómeno pode ser observado na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, onde um dos telescópios tem capacidade para mostrar as protuberâncias (jatos de gás quente) do Sol, no Planetário Calouste Gulbenkian e no Planetário do Porto, onde investigadores vão falar sobre os trânsitos planetários.

O Centro Ciência Viva de Constância também organiza uma sessão de observação.

Para que o trânsito de Mercúrio ocorra, o planeta tem de, além de estar entre o Sol e a Terra, cruzar o plano orbital da Terra, o chamado plano da elíptica, explicou à Lusa o astrofísico Pedro Machado.

O investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço esclareceu que a raridade do fenómeno se deve ao facto de ocorrer 13 vezes por século, em maio ou em novembro.

Na segunda-feira, como em todos os trânsitos de maio, Mercúrio parece ser 150 vezes mais pequeno do que o Sol. No caso dos de novembro, o tamanho do planeta parece ser 200 vezes menor do que o Sol.

Segundo Pedro Machado, as variações no tamanho aparente de Mercúrio devem-se “à grande excentricidade (alongamento da elipse) da órbita” do planeta.

Anteriormente, o mais recente trânsito de Mercúrio observável em Portugal foi a 7 de maio de 2003. Houve um outro posterior, a 8 de novembro de 2006, mas não pôde ser visto no país por ocorrer durante a noite.

O trânsito de Mercúrio que se segue será a 11 de novembro de 2019, indicou o Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço.

Por orbitar muito próximo a sua estrela, Mercúrio é difícil de observar. O planeta, em termos de tamanho, situa-se entre a Terra e a Lua, é composto sobretudo por ferro e tem uma atmosfera extremamente fina, formada por hélio, oxigénio, hidrogénio, mas também por sódio e potássio.

Apesar da sua proximidade com o Sol, Mercúrio não é o planeta mais quente (é Vénus), mas tem a maior variação de temperatura, entre -180ºC e +450ºC. Orbita o Sol em 87,97 dias e as suas crateras fazem lembrar as da Lua.

À semelhança de Mercúrio, também Vénus pode passar entre a Terra e o Sol, o que acontece duas vezes em cada cem anos.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Isso significa que na Segunda a «temperatura» vai subir… os «termómetros» vão «ferver»…. com «mercúrio» a passar frente ao sol…. LOL

RESPONDER

Parar de comer quando se está cheio nem sempre é fácil (e há uma razão para isso)

Com alguns alimentos, parar de comer — mesmo quando se está cheio — nem sempre é fácil. Isto porque algumas destas comidas podem ter sido feitas de forma a que tal aconteça. Nenhum alimento é criado …

Há milhares de misteriosos buracos no fundo do mar da Califórnia

Surgiu um novo mistério perto da costa de Big Sur, na Califórnia, no fundo do Oceano Pacífico: há milhares de pequenos fragmentos redondos retirados dos sedimentos do fundo do mar.   A descoberta foi feita como parte …

NASA apresenta "mapa do tesouro" para encontrar água em Marte

Uma equipa de cientistas da NASA elaborou um mapa da água congelada que existe em Marte e que se acredita estar a apenas 2,5 centímetros abaixo da superfície do Planeta Vermelho - isto é, à …

Já se sabe como é que planetas florescem a partir de pequenos pedaços de poeira

Uma equipa de investigadores validou uma teoria que pode explicar como é que os planetas crescem a partir de pequenos pedaços de poeira interestelar. O crescimento de um pequeno pedaço de poeira até um planeta inteiro …

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as vespas esfomeadas (e isso é má notícia)

A Zona de Exclusão de Chernobyl é a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat, onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986. Apesar de não haver humanos na região, e …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …

Orcas bebé têm maior probabilidade de sobreviver se viverem com a avó

Crias de orca que vivam com a avó têm uma maior probabilidade de sobreviver quando comparadas às outras orcas. A experiência destas espécimes mais velhas é essencial para o grupo. Tal como nos humanos, as avós …

A "capital mundial das pessoas feias" mora na Itália

Piobbico, na Itália, é uma cidade medieval repleta de grandes edifícios de pedra cercados por florestas exuberantes. No entanto, a cidade é conhecida pela feiura dos seus habitantes. Esta cidade, com cerca de 2.000 habitantes, alberga …