Médicos chineses estão a usar implantes cerebrais para tratar a dependência de drogas

Twitter

O paciente Yan, à esquerda, durante a cirurgia

Cientistas chineses estão a desenvolver o primeiro ensaio clínico que utiliza a estimulação cerebral profunda para tratar a toxicodependência. O procedimento requer a perfuração de dois orifícios no crânio e a colocação de eletródos no cérebro do paciente, que são estimulados através de um dispositivo portátil.

Segundo a ABC News, citada pela All That’s Interesting, esta nova tecnologia já foi usada para tratar distúrbios como a doença de Parkinson. No entanto, é a primeira vez na História que a estimulação cerebral profunda está a ser utilizada na esperança de extinguir o vício.

O primeiro ensaio foca a dependência em metanfetaminas e está a ser realizado no Hospital Ruijin, em Xangai (China). De acordo com o banco de dados dos Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (EUA), há apenas oito ensaios clínicos com estimulação cerebral profunda para dependência de drogas registados.

Seis dos oito ensaios são na China e, embora o país tenha um passado altamente desconcertante em relação à cirurgia cerebral em dependentes de drogas, tornou-se, de facto, o centro do mundo para pesquisas com estimulação cerebral profunda.

O primeiro paciente submetido a este ensaio clínico, conhecido apenas como Yan, é viciado em metanfetamina. A consumir desde o nascimento do seu filho, em 2011, perdeu 150 mil dólares (cerca de 133 mil euros) em apostas enquanto estava sob o efeito da substância. Depois do divórcio, das raras visitas ao filho e de períodos de reabilitação mal-sucedidos, concordou em participar no ensaio.

“A minha força de vontade é fraca”, disse Yan, num relato sobre a sua luta contra o vício. Estava, portanto, aberto à operação que exigia que o médico Li Dianyou perfurasse o seu crânio e implantasse dois pequenos eletródos numa área próxima ao cérebro anterior, vinculada cientificamente ao vício. Poucas horas depois, foi novamente anestesiado para colocar uma bateria no peito.

O procedimento tem riscos. Os pacientes podem sofrer hemorragias cerebrais, acordar com convulsões, desenvolver infeções ou deixar o hospital com uma personalidade inteiramente nova, referiu o artigo.

Twitter

O paciente Yan depois da cirurgia

Yan, porém, contou que sentiu uma onda de entusiasmo quando a bateria colocou o seu novo cérebro-eletródo em marcha. Como se isso não fosse literal o suficiente para ser inacreditável, Li Dianyou testou o novo cérebro de Yan usando um ‘tablet’ para modificar remotamente a máquina e, portanto, as emoções na sua cabeça.

O médico tinha o poder de fazer o paciente se sentir agitado ou alegre com uma simples tela sensível ao toque. “Esta máquina é mágica”, disse Yan. “Ela ajusta-se para te deixar feliz e ficas feliz, ajusta-se para te deixar nervoso e ficas nervoso”, acrescentou. Há seis meses que não consome drogas.

Ao contrário do que aconteceu na China, a comunidade científica da Europa teve dificuldades em encontrar pacientes para este ensaio. Nos EUA, preocupações éticas e científicas dificultaram a aceitação social quanto ao procedimento.

No entanto, de acordo com o artigo, uma solução para esses obstáculos pode ter surgido sob a forma de epidemia de opiáceos que está a ocorrer no país. Nos últimos anos, a aversão aos riscos apresentados pela estimulação cerebral profunda diminuiu, em comparação com os potenciais benefícios.

Em fevereiro, a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA) concedeu a um ensaio clínico oficial em West Virginia a permissão para experimentar o procedimento, tendo como foco pessoas viciadas em opióides.

Atualmente, a implantação de dispositivos de estimulação cerebral profunda nos EUA pode custar até 100 mil dólares (89 mil euros) e a comunidade científica está em estágios iniciais de avaliação da eficácia dessa técnica. Na China, no entanto, essa nova abordagem para erradicar a dependência de drogas está a aumentar.

Twitter

O médico Sun Bomin, do Ruijin Hospital, quer expandir o tratamento com estimulação cerebral profunda para pacientes com síndrome de Tourette, depressão e anorexia

As rígidas leis anti-drogas da China forçaram inúmeros dependentes a receber tratamento obrigatório – incluindo a “reabilitação” por meio de trabalho físico -, que pode durar anos. Uma das razões pela quais a população chinesa pode estar tão ansiosa para aceitar a estimulação cerebral profunda é que a alternativa anterior era a lesão cerebral.

No passado – e, infelizmente, até hoje – as famílias de dependentes em heroína na China gastaram milhares de dólares em lesões cerebrais. Esse procedimento primitivo, não comprovado e arriscado, leva os médicos a destruir pequenos aglomerados em torno do tecido cerebral do paciente, esperando pelo melhor.

Embora se tenha tornado num elemento lucrativo em vários hospitais do país, esse procedimento deixava os pacientes com transtornos de humor severos e com as memórias a desaparecer, voltando a ter impulsos sexuais erradicados. Em comparação, a estimulação cerebral profunda não mata as células cerebrais e é teoricamente reversível.

O diretor de neurocirurgia funcional do Ruijin Hospital, Sun Bomin, está convencido de que essa abordagem invulgar ajuda realmente os pacientes. Neste momento, está focado em expandir o tratamento para síndrome de Tourette, depressão e anorexia.

“Enquanto médicos, precisamos sempre pensar nos pacientes”, disse. “São seres humanos”.

Como os cientistas ainda não estão totalmente informados sobre como funciona a estimulação cerebral profunda, a sua introdução ao mundo gerou duras críticas, com alguns a pedir a sua proibição. O estado atual da técnica é prematuro e não corrigirá as diversas razões sociais, psicológicas e biológicas associadas ao vício.

Embora seja incerto se o resultado obtido com Yan possa ser facilmente replicado numa escala maior, o ensaio clínico aprovado pela FDA em West Virginia está previsto começar em junho deste ano.

Taísa Pagno TP, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Pois é China vem se utilizando de cobaias drogadas um recurso para suas pesquisas de como se comportaria uma criatura com chips no cerebro. Por que não utilizar de suas sabedorias e ajudar colocar um ponto final na decadência mundial.

RESPONDER

Índice de transmissibilidade sobe. É de 0,71 em Portugal Continental (e acima de 1 nas ilhas)

O índice de transmissibilidade da covid-19 subiu ligeiramente a nível nacional nas últimas duas semanas. Entre 24 e 28 de fevereiro, o índice foi de 0,71. O índice médio de transmissibilidade (Rt) do vírus SARS-CoV-2 está …

Museu Neandertal responde a Joe Biden. "Eram mais espertos do que pensa"

O Museu Neandertal, na Alemanha, endereçou um convite ao Presidente norte-americano Joe Biden, depois de o governante ter considerado a decisão do governador do Texas de acabar com a obrigatoriedade de utilização de máscara um …

Olhos postos no Senegal. Violentos protestos contra a prisão do opositor do Governo

Os confrontos no Senegal, os piores dos últimos anos, foram desencadeados pela detenção do líder da oposição Ousmane Sonko. Os confrontos eclodiram em Dakar, na quinta-feira, depois de o principal líder da oposição, Ousmane Sonko, ter …

Grupo de cientistas questiona missão da OMS e pede investigação independente na China

Um grupo de cientistas está a pedir uma investigação independente sobre a origem do Sars-CoV-2, com acesso total aos registos da China. Um grupo de cientistas escreveu uma carta aberta, divulgada nos jornais Le Monde e …

Brasil a braços com uma tragédia anunciada. República Checa pede ajuda estrangeira

No Brasil, o número diário de mortes já ultrapassou o dos Estados Unidos. Alemanha, Suíça e Polónia estão a disponibilizar os seus hospitais para receber casos graves de covid-19 da República Checa. Em relação a número …

Iniciativa Liberal diz não a Moedas e avança com candidatura em Lisboa

Este sábado, a Iniciativa Liberal rejeitou integrar a megacolicação encabeçada por Carlos Moedas e anunciou um candidato próprio à Câmara de Lisboa.  Foi este sábado, na Praça do Município, que João Cotrim de Figueiredo, líder do …

Agente da PSP que chamou "aberração" a Ventura suspenso por 10 dias

A Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP) confirmou a suspensão de dez dias a Manuel Morais, o agente que chamou "aberração" a André Ventura. O agente da PSP Manuel Morais vai iniciar, este sábado, …

1.007 novos casos e 26 mortes nas últimas 24 horas

Portugal registou este sábado 26 mortes e 1.007 novos casos de infeção nas últimas 24 horas, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico deste sábado, divulgado pela Direção-Geral da Saúde, dá conta de 1.007 …

Publicada lista de entidades abrangidas por alargamento da ADSE

A ADSE já publicou a lista de entidades abrangidas pelo alargamento do subsistema de saúde da função pública aos trabalhadores com contrato individual de trabalho. As entidades reguladoras e a maioria das empresas municipais foram …

O "caminho ainda é longo", mas Portugal já administrou um milhão de vacinas

Esta sexta-feira, Portugal ultrapassou o marco do primeiro milhão de vacinas administradas, mas o "caminho ainda é longo". Portugal ultrapassou, esta sexta-feira, um milhão de vacinas contra a covid-19 administradas, uma marca que o secretário de …