Medicina destronada, Engenharias ganham terreno

Marcos Santos / USP Imagens

Com 49 mil e 363 inscrições, quase 90% dos alunos que se candidataram à 1ª fase encontraram curso. Medicina foi destronada pelas engenharias e o curso com a média mais alta tem apenas um aluno e é venezuelano.

Apostar num diploma ainda faz diferença. Que o digam os 43 mil e 992 estudantes que, de acordo com a lista de colocações disponível no site da Direção-Geral do Ensino Superior, entraram na 1ª fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior público.

Apesar da diminuição no número de candidaturas, este ano a quebra foi mais ligeira e interrompeu a tendência verificada nos quatro anos anteriores onde cada vez menos eram aqueles que se inscreviam na 1ª fase do concurso nacional.

Pedro Dominguinhos, presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnincos, destaca o crescimento do emprego jovem, que tem colocado o sistema de ensino superior “a concorrer com o mercado de trabalho” como um dos fatores a ter contribuído para a quebra da procura.

Segundo aponta o Diário de Notícias, o aumento das ofertas de emprego é uma das razões para a dispensa ou o adiamento na entrada no ensino superior. Mas na realidade, ainda compensa investir no diploma.

De acordo com o último relatório Education at a Glance da OCDE, de 2017, os portugueses licenciados ganham, em média, 69% acima de quem apenas tem o secundário. E mesmo com curso de especialização tecnológico, a diferença mantém-se nos 65%. E mesmo na Europa, a médio salarial entre diplomado e não diplomado anda na ordem dos 53%.

Segundo o mesmo relatório, quem estuda mais tem também mais momentos de progressão salarial ao longo da carreira e Portugal é registado como um dos países onde o ensino superior mais funciona como elevador social da população.

Talvez por estas razões se tenha verificado uma alteração na tendência registada nos últimos quatro anos.

Há menos 2% de colocados

Numa redução de colocados (menos 2%) bastante inferior ao que era esperado, o concurso deste ano teve a maior taxa de sucesso desde 2013/2014. Dos 49 mil e 363 alunos que se candidataram, 89,1% foram colocados, um crescimento de 3,4 pontos percentuais face ao ano anterior.

Dos 43 mil e 992 colocados, 54,7% entraram na sua primeira escolha, 22% na 2ª e 11,8% na 3ª opção. A quarta, quinta e sexta opção tiveram respetivamente percentagens de 6,1%, 3,7% e 2%.

O concurso nacional deste ano também revelou outra tendência: medicina perde cada vez mais terreno como um dos cursos mais competitivos no acesso ao ensino superior. A ultrapassar medicina estão a surgir os cursos de engenharia, focados em setores de ponta.

Pela primeira vez, não existe nenhum curso de medicina entre os cinco cursos com notas de ingresso mais altas. Para encontrar medicina no ranking dos cursos com média mais alta, é preciso descer até ao sétimo posto onde aparece o curso de medicina do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto (18,22).

Acima de medicina o top cinco de cursos com médias mais elevada é quase exclusivo das engenharias. Matemática Aplicada e Computação (18,35), Engenharia e Gestão Industrial (18,63), Engenharia Aeroespacial (18,85), Engenharia Física Tecnológica (18,90) e em primeiro lugar na lista, Engenharia Civil com ensino em inglês da Universidade da Madeira com a nota do último classificado a atingir 18,94.

Melhor aluno é luso-venezuelano

Esta nota do último classificado em Engenharia Civil é também a nota do primeiro classificado. Isto porque o primeiro e último classificado são…a mesma pessoa. Juan Emanuel Baptista, luso-venezuelano é o único aluno neste curso.

“Sinto-me muito bem por ter sido o único”, disse à Lusa o novo estudante que colocou Engenharia Civil no topo da lista de cursos com a média mais alta e que tem, à partida, 20 vagas.

Emanuel Baptista nasceu na Venezuela mas tem pais e avós madeirenses. A situação política e económica no país fez esta família trocar Caracas pela Madeira.

“Vim com a minha avó em 2015, viemos os dois primeiros, e só depois chegu a minha mãe com o meu avô”, conta Emanuel Baptista ao Diário de Notícias que revela ainda que o pai está na Venezuela com os dois meios-irmãos.

Sempre bom aluno, como revela a sua nota de candidatura, Emanuel tinha tudo para ingressar na universidade mais conceituada na área das engenharias do país: o Instituto Superior Técnico, em Lisboa. E chegou a fazê-lo. Mas o custo da cidade de Lisboa, mais as propinas, atingiram um limite que a família de Emanuel não conseguia suportar.

Sem dinheiro para pagar um quarto, Emanuel candidatou-se à bolsa e estava esperançoso que chegasse a tempo. “Pedi a bolsa assim que entrei, mas só comecei a receber informações sobre o processo depois de ter passado todo o primeiro semestre. Falei com professores, falei com o Técnico, mas eles não podiam fazer muito mais”, revelou.

Impossibilitado de alugar um quarto por 400 euros, Emanuel teve de tomar uma decisão. Revoltado, fez as malas e regressou à Camacha, na Madeira onde acabou por se inscrever em Engenharia Civil na ilha, colocando o curso no topo da lista dos cursos com média de acesso mais elevada.

Após a 1ª fase do concurso nacional, sobram ainda 7290 vagas das 50852 vagas iniciais. Estas 7 mil vagas estarão disponíveis na 2ª fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior que começa na próxima segunda-feira e se prolonga até 21 de setembro.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Uma vergonha que um bom aluno seja privado de estudar na universidade que escolheu por não ter dinheiro para arrendar um quarto em lisboa… Mais vergonha ainda ter-se candidatado a uma bolsa que não lhe deu resposta em tempo útil…

  2. Pode-se pedir adiantamento. Mas é um processo complexo. Aliás, hoje em dia conseguir ter bolsa de acção social é, por si só, um mérito, devido a tantas barreiras que colocam, e é preciso estar numa situação familiar má para poder ter direito.
    O maior problema dele era ter quarto onde ficar no primeiro ano. Teria de ficar numa residência universitária. Só que a prioridade é para os bolseiros. E como a resposta demora meses, ele não teria resposta em tempo útil. Ou seja, é excluído por ser pobre, por mais inteligente que seja.

  3. “Não podiam fazer nada”… Talvez não, no país que isto é. Nos EUA, as Universidades pagariam para terem esta rapaz. É por isso que continuam a ser o país que são, mesmo com Trump’s e quejandos.
    Boa sorte a esta português que veio.

  4. Caro AM,

    Acho que deu um mau exemplo.
    O ensino na América é praticamente todo liberalizado, com propinas anuais de 10000$USD para cima. Os estudantes têm acesso a empréstimos “bonificados” dos bancos que só começam a pagar depois de acabarem o curso (ou atingindo um certo limite de anos). E depois de conseguirem acabar o curso deparam-se com uma dívida enorme às costas sem quaisquer garantias de serem absorvidos pelo mercado de trabalho na sua área de especialização. Acontece a muitos terem mais do que um emprego em várias áreas diferentes da do próprio curso..

RESPONDER

Vulcão, La Palma

O Cumbre Vieja também tem negacionistas. "É tudo orquestrado"

Nos últimos dias, as redes sociais têm-se tornado o palco dos "negacionistas dos vulcões" que defendem que, por trás da erupção do Cumbre Vieja, há mão humana. Nas redes sociais já há negacionistas do vulcão Cumbre …

Selecção da Lituânia falhou os Mundiais porque...chegou atrasada

Per Strand venceu, António Morgado ficou em sexto, mas os ciclistas da Lituânia acabaram por marcar a prova de estrada de juniores, nos Mundiais em Flandres. Per Strand Hagenes é o novo campeão mundial júnior de …

Gil Vicente 1-2 Porto | Dragão canta de galo com dois golaços

Foi sofrer até ao fim. Sérgio Conceição tinha alertado que não seria fácil bater o Gil Vicente e foi isso que ocorreu na noite desta sexta-feira em Barcelos. O FC Porto apenas a um minuto dos …

Na II Guerra Mundial, um erro "humilhante" destruiu dois imponentes navios de guerra da Marinha Real

No dia 10 de dezembro de 1941, os japoneses afundaram os imponentes Prince of Wales e Repulse. A culpa foi do almirante Thomas Phillips que, na sequência de um "erro humilhante", acabou também por falecer. Winston …

O robô Atlas, da Boston Dynamics, faz parkour (e até dá um mortal para trás)

O Atlas é, sobretudo, um projeto de investigação: um robô que ajuda os engenheiros da Boston Dynamics a trabalhar em melhores sistemas de controlo e perceção. O parkour é um verdadeiro desafio para os seres humanos, …

Na Tailândia, um "cemitério" de táxis foi transformado numa horta sobre rodas

Desde pimentos a pepinos, beringelas e até mangericão. Num parque de estacionamento ao ar livre em Banguecoque, os táxis abandonados transformam-se em hortas para alimentar os trabalhadores. A pandemia de covid-19 obrigou os táxis de Banguecoque …

Morreu o "último nazi" canadiano, aos 97 anos

Um ucraniano que serviu como tradutor no regime nazi morreu na quinta-feira na sua casa, em Ontário, no Canadá, encerrando uma luta de décadas para deportá-lo e acusá-lo de cúmplice no assassinato de dezenas de …

No Sri Lanka, elefantes traficados foram resgatados. Mas voltaram às pessoas que os compraram ilegalmente

Um tribunal do Sri Lanka devolveu elefantes resgatados a pessoas influentes que foram acusadas de os terem comprado ilegalmente. Durante alguns anos, elefantes selvagens permaneceram na corda bamba de uma intensa batalha de custódia judicial entre …

Sporting 1-0 Marítimo | Porro volta a decidir de penálti

Que sofrimento! É normal ver os “grandes” dominarem por completo os seus adversários, mas nesta partida entre Sporting e Marítimo, em Alvalade, praticamente só houve uma equipa a atacar e a procurar o golo. Ainda assim, …

A falhar pagamentos e com 260 mil milhões de dívida - como é que a Evergrande chegou até aqui?

A situação da imobiliária chinesa Evergrande, que tem uma dívida maior do que a economia portuguesa, está a deixar o mundo ansioso sobre uma eventual repetição da história da crise de 2008, que começou com …