Maurícias estão a abater um morcego ameaçado de extinção por interesses económicos

Jacques de Speville

Morcego das Maurícias está ameaçado de extinção.

O morcego das Maurícias, em perigo de extinção, é mais uma vez o centro de um polémico abate nas mãos do Governo, para alarme das organizações de conservação da vida selvagem.

Sob pressão de agricultores e da opinião pública, o Governo da ilha do oceano Índico anunciou recentemente um plano para abater 10% dos seus cerca de 80.000 morcegos frugívoros para proteger a indústria de fruta do país.

O abate de morcegos nas Maurícias está repleto de profundas divisões e interesses arraigados. Ninguém contesta que o morcego frugívoro pode causar danos às colheitas de lichia e manga. É por isso que a pressão dos produtores de frutas e do público em geral levou o Governo a ordenar o abate de dezenas de milhares de morcegos – pelo menos um terço da população da espécie – em 2015, 2016, 2018 e 2019.

Muitos conservacionistas acham que esses abates violam Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica, que as Maurícias foram a primeira nação a assinar e ratificar em 1992.

Isto tem levado a discussões perpétuas e crescentes divisões entre agricultores, empresas agrícolas, comerciantes de frutas, académicos conservacionistas, agências governamentais, mídia e público.

Estes morcegos não são encontrados em nenhum outro lugar no mundo. É por isso que as organizações de conservação nas Maurícias e em outros lugares levantaram preocupações de que esses abates repetidos poderiam dizimar a sua população.

Os morcegos frugívoros de grandes ilhas são particularmente vulneráveis porque as taxas reprodutivas são baixas, com as fêmeas a darem à luz apenas um filhote por ano, no máximo, o que torna difícil para as populações recuperarem as perdas. Seis das últimas oito extinções de morcegos, incluindo a raposa-voadora de Guam e a raposa-voadora das Mascarenhas, foram espécies semelhantes que sucumbiram a combinações semelhantes de caça intensiva e perda de habitat.

As Maurícias já viram duas espécies de morcegos extinguirem-se e os seus morcegos frugívoros agora encontram-se na mesma situação precária. Restam menos de 4% das suas florestas nativas, então não há muito espaço para os morcegos recuperarem dos abates.

Culpem os pássaros – não os morcegos

No entanto, há mais neste caso de conflito homem-vida selvagem do que parece à primeira vista. Por um lado, embora o Governo e os mídia geralmente retratem isso como um problema agrícola centrado na perda de rendimento dos agricultores, vários estudos académicos mostraram que a maior parte dos danos às frutas da ilha não é causada por morcegos, mas por pássaros. Morcegos, no entanto, são bodes expiatórios muito melhores.

Os morcegos não visam especificamente os pomares, mas, para desespero de muitos mauricianos, também visitam os quintais das pessoas, alimentando-se em grandes grupos e fazendo muito barulho e confusão. Essas intrusões são extremamente irritantes e certamente não ajudam os morcegos com a sua popularidade.

Surpreendentemente, uma equipa de cientistas descobriu, num estudo publicado no ano passado na revista PLOS One, que é o público em geral que tem as atitudes mais hostis em relação aos morcegos, com muitos a quererem a sua extinção.

Enquanto o Ministério da Agroindústria e Segurança Alimentar pode estar a ordenar os abates, as suas próprias subagências de conservação e extensão agrícola também estão ansiosas para explorar soluções mais suaves com recursos mínimos. Para tal, uma série de workshops e diálogos com diferentes grupos e órgãos governamentais entre 2017 e 2018 ofereceu resultados inicialmente promissores.

Enquanto isso, a comunidade científica conservacionista enfatiza repetidamente a importância de decisões baseadas em provas sobre o abate de morcegos. A União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) emitiu cartas oficiais, aprovou uma resolução formal e uma declaração de posição pedindo uma reviravolta no abate.

Existem soluções de controlo de danos não letais. Os pomares podem ser cobertos com redes, por exemplo, ou as árvores podem ser plantadas em fileiras e podadas para ficarem pequenas, o que melhora muito a eficácia da rede, bem como o rendimento da colheita. Estas técnicas têm funcionado bem na Austrália.

Mas o conflito parece ter atingido um impasse, já que as medidas práticas propostas estão a mostrar-se quase impossíveis de implementar. A opinião pública está profundamente dividida e as tensões crescentes entre os agricultores, o público, os conservacionistas e o Governo são o principal obstáculo ao progresso. Em breve, isto pode tornar-se um obstáculo intratável para proceder de qualquer maneira aceitável.

PARTILHAR

RESPONDER

PS diz que Marcelo deve vitória aos socialistas (e cobra-lhe apoio em tempos difíceis)

"A democracia venceu na primeira volta e o extremismo de direita foi derrotado". É desta forma que o presidente do PS, Carlos César, comenta os resultados das eleições presidenciais ganhas por Marcelo Rebelo de Sousa, …

"Liberdade para a Dinamarca". Novos incidentes em manifestação contra restrições

Uma manifestação contra as restrições impostas para conter a pandemia, organizada por um grupo radical, em Copenhaga, originou novos incidentes na noite de sábado e resultou em cinco detenções, relataram a polícia e os meios …

Pela primeira vez, um restaurante vegan ganha uma estrela Michelin em França

Um restaurante de comida totalmente vegan em França foi o primeiro do país a receber a desejada estrela Michelin. Localiza-se perto de Bordéus. A concessão da estrela ao ONA (Origine Non-Animale) é mais uma evidência de …

Onze mineiros resgatados com vida de uma mina de ouro na China

Onze mineiros presos há duas semanas dentro de uma mina de ouro na China, devido a uma explosão, foram hoje trazidos em segurança para a superfície, informou a televisão estatal chinesa. No dia 10 de janeiro, …

Multimilionário oferece 1 milhão em prémios por evidências de vida após a morte

Um empresário de Las Vegas, nos Estados Unidos, está a oferecer um milhão de dólares em prémios em troca de evidências de que existe vida após a morte. O investidor imobiliário e empresário espacial Robert Bigelow, …

Marcelo reeleito com 55% a 62% dos votos. Ana Gomes em segundo lugar

Marcelo Rebelo de Sousa foi reeleito para um segundo mandato como Presidente da República, após vencer as eleições deste domingo com 55% a 62% dos votos.  Segundo as primeiras projeções, Ana Gomes deverá ficar em …

Itália vai processar Pfizer e AstraZeneca devido a atrasos nas vacinas. UE pede "transparência"

A Itália vai processar a Pfizer Inc e a AstraZeneca devido aos atrasos na entrega das vacinas contra a covid-19 e para garantir os fornecimentos – não para obter compensações, disse neste domingo o ministro …

Declínio cognitivo relacionado com a idade pode ser reversível

Cientistas conseguiram reverter em ratos o declínio cognitivo causado pelo envelhecimento. O objetivo dos investigadores é que as farmacêuticas baseiem-se neste estudo para criar um composto que possa ser administrado em humanos. As células específicas do …

Afluência às urnas é menor (mas há mais votantes). Abstenção deverá ficar entre os 56 e 60%

A afluência às urnas às 16:00 nas presidenciais de hoje em Portugal, 35,4%, é a segunda mais baixa desde as eleições de 2006, ano em que este número passou a ser divulgado pela administração eleitoral. Esta …

Reino Unido já vacinou quase 6 milhões. Alemanha aumenta controlo nas fronteiras

O Reino Unido já administrou a primeira das duas doses da vacina contra o novo coronavírus em cerca de seis milhões de pessoas, quando o número de mortes no país devido à pandemia está perto …