Martin Shkreli multado e banido da indústria farmacêutica para sempre

5

House Committee on Oversight and Government Reform / Wikimedia

Martin Shkreli — para alguns, O Homem Mais Odiado do Mundo

Martin Shkreli, também conhecido como “o empresário mais odiado do mundo”, foi proibido de trabalhar na indústria farmacêutica para sempre.

Segundo a Chemistry World, o empresário terá de pagar uma multa de 65 milhões de dólares (58 milhões de euros) por práticas anticoncorrenciais (colocam em causa o normal funcionamento de um mercado competitivo), enquanto liderava a Turing Pharmaceuticals, agora conhecida como Vyera Pharmaceuticals.

O antigo chefe executivo do grupo farmacêutico foi condenado a pagar a multa, num processo de concorrência interposto pela Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FTC) e sete estados.

Na sua decisão, a juíza Denise Cote, do Tribunal Distrital dos Estados Unidos, descreveu o comportamento do empresário como “deliberado, repetitivo, de longa duração e, em última análise, perigoso“.

A juíza acusou-o de violar as leis estatais e federais, ao envolver-se em condutas anticoncorrenciais, para proteger os lucros monopolistas do medicamento Daraprim (pirimetamina), que é usada para tratar a toxoplasmose.

Esta doença é particularmente perigosa para mulheres grávidas e com sistemas imunitários deficientes, tais como doentes com SIDA.

O julgamento de Shkreli foi realizado num tribunal federal em Manhattan, em dezembro de 2021. Descreveu os acordos restritivos de distribuição e fornecimento, juntamente com o sigilo de dados, que a empresa tinha instituído para dificultar a entrada no mercado de concorrentes com custos mais baixos.

Shkreli foi considerado responsável pelas acusações, e proibido, para sempre, de trabalhar em qualquer ramo da indústria farmacêutica.

“A decisão da juíza de impedir Shkreli de voltar às farmácias é uma vitória significativa para os consumidores americanos”, afirmou a presidente da FTC, Lina Khan.

“Este alívio deve ser um aviso aos executivos das empresas em todo o lado que podem ser considerados individualmente responsáveis pela conduta anticoncorrencial que dirigem ou controlam”.

A decisão contra Shkreli segue-se a um acordo feito em dezembro com Vyera, e com o seu antigo chefe executivo Kevin Mulleady. Ele foi banido da indústria durante sete anos, e a empresa teve de pagar cerca de 40 milhões de dólares.

“Vyera e Mulleady, juntamente com Martin Shkreli, envolveram-se sem vergonha numa conduta ilegal que lhes permitiu manter o preço exorbitante e monopolista de um medicamento que salva vidas — deixando os farmacêuticos enriquecerem, enquanto outros pagavam o preço”, sublinhou a Procuradora-Geral de Nova Iorque Letitia James, uma das que liderou a acção judicial.

“[Nós] tomaremos todas as medidas possíveis para responsabilizar empresas — e indivíduos — pelo seu comportamento ilegal e anticoncorrencial”, acrescentou.

Shkreli tem um longo historial de atividades comerciais questionáveis, no setor farmacêutico. Formou a Turing no início de 2015, com a aquisição de três produtos genéricos de outra empresa.

A Retrophin (fórmulas nasais de cetamina e oxitocina), e o anti-hipertensivo Vecamyl (mecilamina). Shkreli foi também o fundador da Retrophin, e o seu principal executivo até 2014. A Retrofina foi rebatizada Travere Therapeutics em 2020.

A Turing adquiriu o Daraprim à Impax Pharmaceuticals pouco depois, em setembro de 2015. O seu preço foi aumentado de um dia para o outro, de 12 euros por dose, para os 670 euros.

Na altura, a Turing era o seu único fornecedor aprovado pelos EUA, apesar de ter estado no mercado desde o início dos anos 50, e não tinha proteção de patentes.

A empresa procedeu então à alteração do seu processo de distribuição e fornecimento, de forma a impedir que outras empresas se abastecessem dos produtos e realizassem os estudos necessários para a aprovação de versões rivais. Como resultado, o Daraprim permaneceu sem competição no mercado dos Estados Unidos, até março de 2020.

Shkreli está actualmente na prisão por crimes cometidos antes do seu tempo com Turing. Foi condenado por fraude em agosto de 2017, tendo os procuradores alegado que as suas atividades se assemelhavam a um esquema Ponzi.

Estes crimes foram cometidos enquanto ele dirigia o fundo de cobertura MSMB Capital Management, como chefe executivo da Retrophin.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Nesse caso, os procuradores disseram que entre 2009 e 2014, ele tinha mentido aos investidores da MSMB sobre como a Retrophin estava a correr bem.

Foi também acusado de usar a empresa como o seu “mealheiro pessoal“, para pagar aos investidores na MSMB, e de usar o seu dinheiro para benefício pessoal.

Inicialmente foi libertado sob fiança, após a condenação e antes da sentença, mas esta foi revogada um mês depois de ter oferecido uma recompensa de cinco mil dólares a quem “arrancar uma madeixa” do cabelo de Hillary Clinton.

Acabou por ser condenado a uma pena de prisão de sete anos, e foi-lhe ordenado que perdesse 7,4 milhões de dólares em bens.

Está a cumprir a sua pena numa prisão federal em Allenwood, Pensilvânia, tendo sido transferido para lá de uma prisão de segurança inferior em Nova Jersey, depois de ter sido encontrado a usar um telemóvel de contrabando, para continuar a gerir o seu negócio. Está atualmente previsto ser libertado em novembro de 2022.

Ainda não é assegurado que Shkreli tem realmente o dinheiro para pagar o acordo no caso mais recente.

Os seus bens, antes da condenação por fraude e apreensão de títulos, incluíam um quadro de Picasso, e o álbum único do Clã Wu-Tang “Era uma vez em Shaolin” que  comprou num leilão online por 2 milhões de dólares, em 2015. Este foi um dos bens apreendidos e vendidos em 2021 pelo Departamento de Justiça dos EUA.

  ZAP //

5 Comments

  1. Viva a Iniciativa Liberal do capitalismo norte-americano! Doentes, sejam resignados com a compaixão de eles aumentarem de 12 para 670! E ainda tem comentário que adora o liberalismo econômico, pelo menos enquanto não ficar doente e precisar de tal medicamento superfaturado.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE