Saúde, Economia e até Passos. Marisa Matias e Tiago Mayan concordaram em discordar

SIC / Lusa

Os candidatos à Presidência da República Marisa Matias (Bloco de Esquerda) e Tiago Mayan (Iniciativa Liberal) protagonizaram este sábado, na antena da SIC, um debate em que discordaram de quase todos os temas abordados de forma clara, à exceção da necessidade de novos apoios para o confinamento que aí vem.

Num debate sempre em tom cordial e moderado pela jornalista Clara de Sousa, a bloquista e o liberal mostram nos mais variados assuntos – Saúde, Economia, Leis Laborais – que se encontram em extremos completamente opostos.

O debate arrancou com a resposta à pandemia de covid-19, com Marisa Matias a considerar que é “irresponsável não fazer tudo” para tentar conter os novos contágios diários, que estão na casa dos 10 mil, que repetiu mais à frente.

Quanto ao estado de emergência, Marisa disse ser favorável, e assinalou que não existe outro quadro legislativo que permita enquadrar as respostas necessárias, mas criticou que nesta situação de exceção esteja “a falhar” a “resposta social e os apoios económicos”.

“Há sinais preocupantes e temos de fazer o que está ao nosso alcance”, frisou.

Já o candidato que é apoiado pela Iniciativa Liberal, partido que está contra o estado de emergência, defendeu que “o país não aguenta um novo confinamento generalizado”, e apontou que o primeiro-ministro também reconheceu isso.

“Se o primeiro-ministro está agora a mudar de opinião é porque algo de muito grave se passa, e eu quero tentar perceber isso”, afirmou, pelo que vai aceitar o convite de participar na sessão com epidemiologistas sobre a evolução da pandemia, na terça-feira.

Se a situação apresentada for “um cenário de guerra”, aí “naturalmente que a situação é distinta”, e isso significa que este Governo “falhou redondamente na gestão da pandemia” e que será necessário “correr atrás do prejuízo” com recurso a “medidas mais robustas”, salientou o candidato a Presidente da República.

“Temos de dar às pessoas condições” para confinar

Ao longo dos 30 minutos que durou o frente a frente, na SIC Notícias, os dois candidatos apenas convergiram na necessidade de apoios no caso de um novo confinamento.

Tiago Mayan Gonçalves pediu ao Governo que assuma responsabilidades caso as novas medidas de combate à pandemia impliquem que as empresas tenham de fechar, e defendeu que “tem que indemnizar direta e indiretamente essas atividades”.

“Pedimos às pessoas o confinamento, pedimos medidas exigentes, e temos que dar às pessoas condições para que elas possam cumprir essas medidas exigentes”, assinalou Marisa Matias. Num comentário à proposta do adversário, a bloquista apontou que esta é “uma perspetiva muito mais socialista da sociedade” e instou Mayan “a decidir qual é a opção que quer, porque está permanentemente em contradição”.

Também no que toca à saúde, os adversários não se encontraram, porque, enquanto a dirigente bloquista defendeu a aposta no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e o recurso a meios privados pagos “a preço de custo”, o candidato liberal classificou a proposta da eurodeputada “impossível”, uma “ficção jurídica” e defendeu que os cidadãos devem poder escolher o setor a que querem recorrer.

“Se quer colar-me à geringonça, cola-me bem”

No plano económico, que ocupou o último terço do debate, os candidatos voltaram a discordar, trazendo à conversa o antigo primeiro-ministro Pedro Passos Coelho e a troika.

Questionado sobre se uma liberalização das leis laborais poderia conduzir a mais injustiças e desigualdades, aumentando a diferença entre ricos e pobres, Tiago Mayan respondeu negativamente, recordando que últimos anos de governação não foram de políticas liberais.

“Não vamos criar uma uma história alternativa. Durante os últimos anos não foram liberais que estiveram no Governo…. Nos últimos 25 [de governação], 19 foram de socialistas e estes últimos apoiados pela geringonça e, portanto, as políticas que temos laborais não são liberais”, disse, sublinhando a contribuição do Bloco de Esquerda no primeiro Governo de António Costa, numa “arranjo político” da qual também fez parte o PCP.

E continuou: “Somos dos países da OCDE com leis laborais mais rígidas e qual é o resultado disso? Baixos salários, taxa de desemprego jovem de 26% e isso nem sequer conta os que já tiver de sair [do país]. É este o resultado de políticas não liberais. E, comparando com quem aplicou políticas liberais, o que é que vemos? Mais emprego, mais salários. É observar”, rematou o candidato apoiado pela IL.

Na resposta, Marisa Matias não menorizou o seu apoio à geringonça, recordando medidas importantes que foram alcançadas durante este período de governação.

“Se quer colar-me à geringonça, cola-me bem. Apoiei e foi aliás durante esse Governo do Partido Socialista apoiado pela esquerda que se conseguiram medidas muito importantes”, disse, elencando, entre outras, o aumento do Salário Mínimo Nacional e das pensões mais baixas, os passes sociais e a redução de propinas no Ensino Superior Público.

“Já cá faltava a teoria de que a culpa é do Passos”

A candidata apoiada pelo BE foi ainda mais longe e trouxe ao assunto o Governo de Passos Coelho (PSD) e a troika. “De facto, não foram políticas liberais [que foram aplicadas nos últimos anos], mas as pessoas em Portugal não se esqueceram ainda do que foram as políticas liberais no emprego, que foram durante o Governo de Passos, com a troika e as pessoas não se esqueceram dessas políticas liberais e da forma como as colocaram no desemprego”, disse, antes de apontar o apoio de Tiago Mayan ao Executivo de Passos.

“Falam das pessoas que tiveram de emigrar? Foram essas pessoas que tiveram que emigrar no contexto das políticas liberais aplicadas ao trabalho e na altura o Tiago Mayan apoiava este Governo. Na altura, não tinha nenhuma palavra a dizer sobre isto”. 

E continuou, dizendo: “Espanta-me que venha colocar o ónus de todas as situações que estamos a viver, de salários baixos, de desemprego, o que seja, nas políticas de um curto período que recentemente tivemos na história em que conseguimos, apesar de tudo, melhorar as condições de vida das pessoas”.

“Já cá faltava a teoria de que a culpa é do Passo”, rebateu Tiago Mayan, considerando que grande parte dessas medidas já foram revertidas e que, na verdade, “nunca houve” políticas liberais aplicadas em Portugal. “Não entre em histórias alternativas”.

Marisa encerrou esta questão vaticinando que a direita não voltará ao Governo tão cedo.

“Por alguma razão, a direita não chegará ao Governo tão cedo novamente. E é por essa memória, pela memoria das políticas liberais, pela memória que foi a destruição dos direitos laborais”, disse, lamentando que não tenha ainda sido possível eliminar completamente os efeitos da troika nas leis laborais portuguesas.

TAP “deve seguir o seu caminho”

Na parte final do debate, Marisa Matias e Tiago Mayan discutiram ainda brevemente sobre a TAP e voltaram a discordar: se para a bloquista a companhia aérea é “uma empresa nacional importante, fundamental”, para o liberal, “o Estado tem de deixar de ser acionista” da transportadora aérea, que deve seguir “o seu caminho”.

Marisa defendeu que a TAP é uma “companhia de bandeira”, exportadora e estratégica em Portugal, mas o argumento não convenceu Tiago Mayan, que elencou exemplos europeus para dizer que não há companhias de bandeira na Europa à exceção de Itália.“A Lufthansa não é uma companhia de bandeira, a British Airwais não é, a Ibéria não é”, disse.

Sobre o Novo Banco, houve também pontos de contacto.

A bloquista considerou que o banco foi “convertido num poço sem fundo”, enquanto Tiago Mayan advogou que o dinheiro que foi injetado no BES teria servido melhor se tivesse sido injetado “nas pequenas e médias empresas”.

O próximo debate presidencial está agendado para próxima segunda-feira e vai juntar todos os candidatos na corrida à Belém. Será transmitido às 22:00 horas na RTP.

As eleições presidenciais estão marcadas para 24 de janeiro.

Sara Silva Alves Sara Silva Alves, ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

União Europeia não vai renovar contrato com AstraZeneca e Johnson & Johnson

A União Europeia não vai renovar os contratos da vacina contra a covid-19 com empresas como Astrazeneca e Johnson & Johnson no próximo ano. A notícia da decisão de não renovação dos contratos da vacina contra …

Entre um Porto "dominante" e "ineficaz", a bicicleta de Taremi foi um "inútil golo de bandeira"

A imprensa internacional realça a boa prestação do FC Porto e o golo de bandeira de Taremi, que acabou por revelar-se insuficiente para dar continuidade às aspirações portistas. O FC Porto está fora da Liga dos …

Eventual criação do indicador "incidência vizinha" pode influenciar planos do Governo

Esta terça-feira, na reunião no Infarmed, o matemático Óscar Felgueiras defendeu a criação de um novo indicador, "incidência vizinha", que teria como vantagens sinalizar risco associado à proximidade de zonas mais críticas e evitar a …

Relatório secreto de Costa Pinto defende que Banco de Portugal podia ter feito mais no BES

O "Relatório Costa Pinto" argumenta que o Banco de Portugal tinha conhecimento dos problemas do BES e tinha poderes para fazer mais, melhor e mais cedo. O "Relatório Costa Pinto" tem vindo a ser negado ao …

Lopetegui viu Corona em Sevilha e pode avançar com proposta

Julen Lopetegui, treinador do Sevilha, está atento a Tecatito Corona. O extremo portista mostrou-se em bom plano frente ao Chelsea. O antigo treinador dos 'dragões' Julen Lopetegui, atualmente no comando técnico do Sevilha, esteve esta terça-feira …

Sob o mote da "prudência", especialistas aconselham Governo a não avançar no desconfinamento

Manuel Carmo Gomes, o epidemiologista que deixou de participar nas reuniões no Infarmed, aconselhou o Governo a não avançar para a terceira fase de desconfinamento. E não é o único a defender a suspensão. De acordo …

Oposição quer redução de portagens. Governo responde com cortes ou aumento de impostos

O Governo disse hoje que a redução de portagens nas ex-SCUT "é legal e constitucional", defendendo que a Assembleia da República deve ajudar a encontrar a compensação para encargos de até 149 milhões de euros …

Bispo do século XVII foi enterrado com um feto. Cientistas já sabem porquê

Cientistas já sabem porque é que foi encontrado o cadáver de um feto junto dos restos mortais de um antigo bispo de Lund, na Suécia. Peder Pedersen Winstrup foi um bispo de Lund, cidade na atual …

Detenção da autarca de Vila Real de Santo António surpreende PSD. Deputado do PS suspeito no negócio

Esta terça-feira, a presidente da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, Conceição Cabrita, foi detida por suspeitas do crime de corrupção num negócio de imobiliário em Monte Gordo.  Fonte da direção do PSD disse, …

Atraso com vacina da Johnson não altera metas do plano de vacinação

O anúncio desta terça-feira do atraso da distribuição da vacina da Johnson & Johnson na Europa não vai afetar o plano de vacinação em Portugal, garantiu a task force. Mais um contratempo para o processo de …