//

Mário Centeno tocou o sino e já é presidente do Eurogrupo

3

Etienne Laurent / EPA

Mário Centeno, ministro das Finanças, e agora também presidente do Eurogrupo, com o homólogo holandês Jeroen Dijsselbloem

O ministro das Finanças português, Mário Centeno, já assumiu a liderança do Eurogrupo numa cerimónia na embaixada de Portugal em Paris. A 22 de janeiro terá a primeira reunião enquanto presidente.

Em comunicado, o Conselho da União Europeia (UE) refere que a “passagem de testemunho” da presidência do Eurogrupo do holandês Jeroen Dijsselbloem para Mário Centeno ocorreu pelas 12:00 na embaixada de Portugal em Paris (11:00 em Lisboa). O Eurogrupo é considerado um órgão informal, pelo que não houve tomada de posse formal.

Centeno recebeu das mãos do holandês Jeroen Dijsselbloem o sino usado pelo presidente do Eurogrupo nas reuniões do grupo informal dos ministros das Finanças da Zona Euro, simbolizando a passagem de testemunho entre os dois governantes.

Centeno foi eleito presidente do Eurogrupo a 4 de dezembro de 2017, ao impor-se na segunda volta da votação realizada em Bruxelas.

O ministro das Finanças português foi o mais votado na primeira volta (oito votos), após a qual saíram da “corrida” a letã Dana Reizniece-Ozola e o eslovaco Peter Kazimir, tendo depois derrotado o candidato luxemburguês Pierre Gramegna na segunda volta da eleição.

Centeno é o terceiro presidente da história do fórum de ministros das Finanças da zona euro, depois do luxemburguês Jean-Claude Juncker e do holandês Jeroen Dijsselbloem, assumindo hoje funções para um mandato de dois anos e meio, até meados de 2020.

Para cumprir o mandato até ao fim, Centeno terá, contudo, de se manter como ministro das Finanças depois das eleições legislativas de 2019, já que só titulares desta pasta podem assumir a liderança do Eurogrupo.

No dia em que foi conhecida a sua eleição, Mário Centeno afirmou que “é uma honra ser o próximo presidente do Eurogrupo” e salientou que a candidatura portuguesa à presidência do fórum de ministros das Finanças da zona euro foi construída “com muita credibilidade e esforço”.

“E é uma honra ser o novo presidente devido à relevância deste grupo, à qualidade dos meus colegas e à importância do trabalho que temos de fazer nos próximos anos”, declarou Centeno, sublinhando que esse trabalho “tem de ser feito por todos os membros que pertencem ao euro, Comissão, instituições europeias”.

Numa deslocação a Bruxelas na passada segunda-feira para uma reunião com o vice-presidente da Comissão responsável pelo Euro, o ministro das Finanças português antecipou que o seu trabalho à frente do Eurogrupo será “bastante exigente“, à luz do seu lema de “geração de consensos”.

  ZAP // Lusa

3 Comments

  1. Estamos safos, desta é que vamos passar para a linha da frente do pelotão europeu e sem suar muito como muitos desejam!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.