Marcha de apoio a jornalista levou à detenção de 400 pessoas em Moscovo

Yuri Kochetkov / EPA

Marcha de apoio ao jornalista Ivan Golunov levou à detenção de 400 pessoas em Moscovo, na Rússia

Pelo menos 400 manifestantes foram detidos, esta quarta-feira, durante uma marcha em Moscovo contra os abusos policiais e em apoio do jornalista Ivan Golunov.

Mais de mil pessoas reuniram-se no centro da capital para participar no protesto, que deu origem a detenções particularmente musculadas, segundo referiu a AFP. Entre os detidos encontrava-se Alexei Navalny, um dos principais opositores do Kremlin e alvo de numerosos processos judiciais e detenções nos últimos anos.

Cerca de uma centena de pessoas também se concentrou em São Petersburgo, a segunda cidade do país, em protesto contra a atuação policial, adiantou a mesma agência.

A organização não-governamental OVD-Info, especializada no acompanhamento de detenções, referiu-se a pelo menos 400 manifestantes detidos durante esta marcha destinada a denunciar a atuação da polícia no caso mediático do jornalista Ivan Golunov, que provocou uma mobilização quase sem precedentes da sociedade civil.

Detido na quinta-feira passada, em Moscovo, por polícias que afirmam ter descoberto na sua mochila importantes quantidades de droga durante uma rusga ao seu apartamento, o jornalista foi colocado em prisão domiciliária no sábado antes de ser ilibado e libertado esta terça-feira, um recuo muito raro das autoridades.

“Aquilo que se passou com Ivan Golunov acontece todos os dias neste país. Existem toneladas de histórias de droga como esta. Tivemos a sorte de que tenha sido libertado, mas é apenas uma pequena vitória. A guerra não está ganha“, declarou à AFP Egor, um manifestante de 15 anos com uma t-shirt com a frase “Eu sou Ivan Golunov”.

O repórter de 36 anos, que trabalha para o portal digital independente Meduza, disse que vai aguardar para perceber o que se passou, e assegurou que vai prosseguir as investigações sobre a corrupção das elites e as irregularidades das estruturas mafiosas.

Golunov é responsável por investigações à corrupção na Câmara de Moscovo. Muitos realçam que esta foi uma tentativa da polícia russa de silenciar o jornalista, que se arriscava a apanhar 20 anos de prisão caso fosse condenado.

As autoridades desencadearam um inquérito sobre o comportamento dos polícias que detiveram Golunov, já suspensos das suas funções enquanto decorrem as investigações, e admite-se o afastamento de dois altos responsáveis da polícia moscovita.

Este desfecho não tem praticamente precedentes na Rússia, onde os serviços de segurança e a polícia são frequentemente acusados de simular casos de droga para silenciarem as vozes críticas ou preencherem as suas quotas mensais de detenções.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Desmantelada rede criminosa ligada à imigração ilegal para a Europa

A polícia italiana deteve hoje 19 pessoas de uma rede criminosa dedicada ao tráfico e transporte ilegal de migrantes do Afeganistão, Irão, Iraque e Paquistão para a Itália e, posteriormente, para o norte da Europa, …

Nasceu o SeeArch, uma espécie de colete salva-vidas para resgates em mar aberto

Se uma pessoa se separar da sua embarcação em mar aberto, permanecer à tona não é o único desafio. Ser visto pelos salvadores é uma missão importante que o novo SeeArch, usável e insuflável, vai …

Há 127 concelhos que vão manter os limites no fim de semana. Saiba quais

Os concelhos que mantém risco muito elevado e extremamente elevado terão de manter até dia 23 deste mês as atuais restrições, incluindo de limitação de circulação ao fim de semana. Houve 27 concelhos que saíram …

Piscina mais profunda do mundo inaugurada na Polónia

Com 45 metros de profundidade, a piscina Deepspot foi recentemente inaugurada na Polónia. Vai servir de zona de treino para mergulhadores, bombeiros e forças armadas. A piscina mais profunda do mundo foi inaugurada esta semana em …

Mais 6087 novos casos de covid-19 em Portugal. Este é o maior número da semana

Portugal registou este sábado 6087 novos casos e 73 mortes por covid-19. No total, mais de 318 mil pessoas já foram infetadas com o novo coronavírus e 4876 morreram. Nas últimas 24 horas, mais 6165 …

Sedada e com um capuz sobre os olhos, a girafa Asiwa foi resgatada de uma ilha no Quénia

Conservacionistas, autoridades do Governo e membros da comunidade local uniram-se para resgatar oito girafas numa ilha no Quénia. A população de girafas em África tem diminuído nas últimas décadas devido à perda de habitat e à …

Governo mantém restrições. Exceções no Natal, mas no Ano Novo volta a ser proibida a circulação entre concelhos

António Costa falou hoje ao país para anunciar as novas medidas para a quadra festiva. O primeiro-ministro revelou que no Natal as medidas serão aliviadas, como já se esperava, porém voltam a apertar no Ano …

Joe Biden está a planear uma tomada de posse em versão reduzida. Trump pode não marcar presença

A pouco mais de um mês de tomar posse como Presidente dos EUA, Joe Biden anunciou que está a planear reduzir a dimensão da cerimónia para garantir a segurança devido à pandemia. Segundo o Público, Joe …

O Peru enfrenta o maior desafio político desde a ditadura de Fujimori. A responsabilidade está nas mãos de Sagasti

O novo presidente do Peru assumiu o cargo em 17 de novembro em circunstâncias nada desejáveis. O país, que até ao ano passado vinha a ser apontado como um exemplo na área económica, enfrenta agora …

Três anti-histamínicos mostram eficácia a inibir infeção pelo coronavírus

Três medicamentos anti-histamínicos mostraram alguma eficácia a inibir a infeção de células pelo novo coronavírus responsável pela covid-19, segundo os resultados preliminares de um estudo da Universidade da Florida divulgado na sexta-feira. As descobertas sobre os …