Marcelo homenageou em França filha de sobrevivente da Batalha de La Lys

Etienne Laurent / EPA

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, nas celebrações oficiais do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas em Paris

Com 90 anos, Felícia Glória da Assunção-Pailleux, filha de um soldado português, é um símbolo do Corpo Expedicionário Português que combateu no norte de França durante a I Guerra Mundial, e mantém viva, até hoje, a memória do pai.

O seu pai, João Manuel da Costa Assunção, era serralheiro em Portugal quando, com 22 anos, deixou o país para se juntar ao Corpo Expedicionário no norte de França.

Foi um dos sobreviventes da Batalha de La Lys, em 1918, que aconteceu na sequência da ofensiva alemã contra as forças britânicas, nas quais se encontrava inserido o Corpo Expedicionário Português.

Este sábado, a filha do militar, Felícia Glória d’Assunção Pailleux, foi vivamente cumprimentada pelo Presidente da república na homenagem que prestou aos soldados portugueses que participaram na Primeira Guerra Mundial em França, em La Couture, no norte de França.

À semelhança do que tem feito nos últimos 40 anos, Felícia d’Assunção levou a bandeira de Portugal para as cerimónias evocativas da Grande Guerra no cemitério militar português de Richebourg e no monumento aos soldados lusos em La Couture, na região de Nord-Pas-de-Calais, no norte de França.

A bandeira original chegou a França em 1924, requerida por João Assunção e por outros soldados, tendo ficado nas mãos de Felícia desde a morte do pai, em 1975, até 2010, ano em que a doou a um museu português em troca de uma “cópia exata” aquando da visita a Portugal e ao Palácio de Belém.

Felícia fez 90 anos a 5 de abril, dias antes das comemorações do 09 de abril de 1918, o início das operações conhecidas como a Batalha de La Lys.

Foi na famosa Batalha de La Lys, considerada como “a Alcácer Quibir do século XX”, que morreram cerca de dois mil soldados do Corpo Expedicionário Português, nas vésperas do render de tropas.

João Manuel da Costa Assunção perdeu a batalha, mas sobreviveu à guerra e ganhou uma esposa.

“A frente era a cerca de 15 km daqui. Os soldados portugueses vieram duas vezes à granja da família e viram toda a família incluindo Mélanie, a minha mãe. Foi amor à primeira vista“, conta Felícia, a terceira dos 15 filhos de João e Mélanie.

Quando a guerra terminou, João Manuel da Costa Assunção “ainda foi até ao barco para regressar a Portugal mas voltou atrás” e foi bater à porta da avó de Felícia, onde ficou a dormir no corredor até se casar com Mélanie.

“Como não tinha dinheiro, foi trabalhar nas minas, e todos os dias ia vestido de soldado. Depois, montou uma oficina de bicicletas com outros portugueses e trabalhava ao mesmo tempo nas minas e na oficina”, continuou Felícia que nasceu portuguesa devido às leis de outrora, mas foi naturalizada francesa aos quatro anos quando o pai adquiriu a nacionalidade francesa para poder abrir a sua oficina de bicicletas.

Nasci portuguesa, voltei a ser francesa em 1930, aos quatro anos, e em 2004 voltei a ter a nacionalidade portuguesa porque a pedi”, conta Felícia, que nunca aprendeu a língua de Camões em casa porque a mãe teve medo que os habitantes de Ecquedeques mandassem a família embora já que “todas as pessoas da aldeia queriam que os portugueses partissem”.

“Mais do que uma história de família, é um compromisso”, considera Aurore Rouffelaers, neta de Felícia e bisneta de João Assunção, que há cerca de dois anos criou uma agência de turismo com visitas temáticas aos grandes campos de batalha da Flandres, nas quais também fala “da memória de Portugal” .

“Nós continuamos a fazer o que o João começou em 1917. É um dever de memória para com todos os contingentes militares – não apenas o português – que vieram para França defender uma ideia de liberdade, de independência, de resistência face à opressão”, explicou a francesa, de 37 anos.

À imagem da avó, no futuro, Aurore quer desfilar com a bandeira da Associação de Ex-Combatentes Portugueses naquilo que considera como “um destino, uma missão”.

Para a bisneta de João Manuel da Costa Assunção, a visita do presidente da República e do primeiro-ministro ao Cemitério Militar de Richebourg e ao monumento aos combatentes portugueses em La Couture “é o coroar de vários anos de compromisso e de determinação de uma senhora de um metro e cinquenta, a sua avó, que foi a primeira mulher porta-estandarte, contra tudo e contra todos”.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Novas demissões na Agência de Informações Financeiras do Vaticano

Um membro da entidade de regulação financeira do Estado do Vaticano, Marc Odendall, demitiu-se na sequência de buscas realizadas pela polícia e que originaram na suspensão do organismo do sistema de comunicações global. Marc Odendall, banqueiro …

Governo e Liga de clubes discutem redução do IVA para espetáculos desportivos

Secretário de Estado do Desporto afirma querer ouvir as reivindicações do organismo, mas sem se comprometer. O secretário de Estado da Juventude e do Desporto anunciou ontem que vai reunir-se com representantes da Liga Portuguesa de …

Tufão obriga a retirada de cerca de cinco mil pessoas do norte das Filipinas

Cerca de cinco mil pessoas foram retiradas do norte das Filipinas devido à aproximação do tufão Kalamaegi, que deverá tocar terra na província de Cagayan nas próximas horas, disseram esta terça-feira as autoridades locais. "Estamos preparados …

Acabaram-se as trotinetas no Algarve. Duraram 10 meses

A vereadora considera, no entanto, que a experiência foi “positiva”, já que permitiu recolher dados de mobilidade, nomeadamente, da utilização destas soluções em pequenos trajetos, ao mesmo tempo que colocou a questão na agenda pública. Sophie …

EasyJet diz que será a primeira a alcançar a neutralidade carbónica na aviação

A companhia aérea britânica easyJet afirmou esta terça-feira que será a primeira no mundo a alcançar a neutralidade carbónica através das compensações. Num comunicado publicado no seu site oficial, a companhia low cost anuncia ainda um …

Número de pré-avisos de greve até outubro é o mais alto dos últimos quatro anos

O número de pré-avisos de greve até outubro foi o mais alto dos últimos quatro anos, totalizando 781, segundo dados da Direção Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT). Entre janeiro e outubro deste …

Na Índia, já há "bares de oxigénio" para quem quiser respirar ar puro

A Índia é um dos países mais contaminado do mundo. Desde o final de outubro, a poluição alcançou um nível crítico devido à queimada de restolhos nos campos. Agora, há uma solução arrojada para que os …

Depois do Papão Harrison, o novo exame foi "duro" (e muitos jovens médicos já pensam em emigrar)

Foram quatro horas de exame, com 150 perguntas, na temida Prova Nacional de Acesso para a Formação Especializada em Medicina e muitos dos jovens médicos não conseguiram concluí-la. Os que temem não conseguir aceder à …

Situação trágica. "Veneza está a desaparecer"

A situação em Veneza é trágica, com 85% da cidade italiana inundada depois das piores cheias dos últimos anos. Mas estas inundações são apenas um alerta para o que pode vir a seguir, já que …

Documentos internos do governo chinês revelam plano "sem piedade" contra muçulmanos

O jornal norte-americano New York Times recebeu 403 páginas de documentos internos do governo chinês relacionados com a limpeza étnica na província de Xinjiang. Nesta província, foram criados mais de 500 campos de concentração onde uigures, …