Marcelo homenageou em França filha de sobrevivente da Batalha de La Lys

Etienne Laurent / EPA

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, nas celebrações oficiais do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas em Paris

Com 90 anos, Felícia Glória da Assunção-Pailleux, filha de um soldado português, é um símbolo do Corpo Expedicionário Português que combateu no norte de França durante a I Guerra Mundial, e mantém viva, até hoje, a memória do pai.

O seu pai, João Manuel da Costa Assunção, era serralheiro em Portugal quando, com 22 anos, deixou o país para se juntar ao Corpo Expedicionário no norte de França.

Foi um dos sobreviventes da Batalha de La Lys, em 1918, que aconteceu na sequência da ofensiva alemã contra as forças britânicas, nas quais se encontrava inserido o Corpo Expedicionário Português.

Este sábado, a filha do militar, Felícia Glória d’Assunção Pailleux, foi vivamente cumprimentada pelo Presidente da república na homenagem que prestou aos soldados portugueses que participaram na Primeira Guerra Mundial em França, em La Couture, no norte de França.

À semelhança do que tem feito nos últimos 40 anos, Felícia d’Assunção levou a bandeira de Portugal para as cerimónias evocativas da Grande Guerra no cemitério militar português de Richebourg e no monumento aos soldados lusos em La Couture, na região de Nord-Pas-de-Calais, no norte de França.

A bandeira original chegou a França em 1924, requerida por João Assunção e por outros soldados, tendo ficado nas mãos de Felícia desde a morte do pai, em 1975, até 2010, ano em que a doou a um museu português em troca de uma “cópia exata” aquando da visita a Portugal e ao Palácio de Belém.

Felícia fez 90 anos a 5 de abril, dias antes das comemorações do 09 de abril de 1918, o início das operações conhecidas como a Batalha de La Lys.

Foi na famosa Batalha de La Lys, considerada como “a Alcácer Quibir do século XX”, que morreram cerca de dois mil soldados do Corpo Expedicionário Português, nas vésperas do render de tropas.

João Manuel da Costa Assunção perdeu a batalha, mas sobreviveu à guerra e ganhou uma esposa.

“A frente era a cerca de 15 km daqui. Os soldados portugueses vieram duas vezes à granja da família e viram toda a família incluindo Mélanie, a minha mãe. Foi amor à primeira vista“, conta Felícia, a terceira dos 15 filhos de João e Mélanie.

Quando a guerra terminou, João Manuel da Costa Assunção “ainda foi até ao barco para regressar a Portugal mas voltou atrás” e foi bater à porta da avó de Felícia, onde ficou a dormir no corredor até se casar com Mélanie.

“Como não tinha dinheiro, foi trabalhar nas minas, e todos os dias ia vestido de soldado. Depois, montou uma oficina de bicicletas com outros portugueses e trabalhava ao mesmo tempo nas minas e na oficina”, continuou Felícia que nasceu portuguesa devido às leis de outrora, mas foi naturalizada francesa aos quatro anos quando o pai adquiriu a nacionalidade francesa para poder abrir a sua oficina de bicicletas.

Nasci portuguesa, voltei a ser francesa em 1930, aos quatro anos, e em 2004 voltei a ter a nacionalidade portuguesa porque a pedi”, conta Felícia, que nunca aprendeu a língua de Camões em casa porque a mãe teve medo que os habitantes de Ecquedeques mandassem a família embora já que “todas as pessoas da aldeia queriam que os portugueses partissem”.

“Mais do que uma história de família, é um compromisso”, considera Aurore Rouffelaers, neta de Felícia e bisneta de João Assunção, que há cerca de dois anos criou uma agência de turismo com visitas temáticas aos grandes campos de batalha da Flandres, nas quais também fala “da memória de Portugal” .

“Nós continuamos a fazer o que o João começou em 1917. É um dever de memória para com todos os contingentes militares – não apenas o português – que vieram para França defender uma ideia de liberdade, de independência, de resistência face à opressão”, explicou a francesa, de 37 anos.

À imagem da avó, no futuro, Aurore quer desfilar com a bandeira da Associação de Ex-Combatentes Portugueses naquilo que considera como “um destino, uma missão”.

Para a bisneta de João Manuel da Costa Assunção, a visita do presidente da República e do primeiro-ministro ao Cemitério Militar de Richebourg e ao monumento aos combatentes portugueses em La Couture “é o coroar de vários anos de compromisso e de determinação de uma senhora de um metro e cinquenta, a sua avó, que foi a primeira mulher porta-estandarte, contra tudo e contra todos”.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"DeepNude". Inteligência Artificial "tirou a roupa" a mulheres nas redes sociais

A empresa de informação Sensity alertou que mais de 100 mil imagens foram carregadas para um canal de Telegram onde um bot "tirou a roupa" de mulheres. A empresa de segurança Sensity revelou recentemente que existe …

Poluição atmosférica "custa" a cada citadino europeu 1.276 euros por ano

A poluição atmosférica "custa" 1.276 euros por ano a cada cidadão europeu residente em cidades, de acordo com um estudo da Aliança Europeia de Saúde Pública (EPHA) divulgado esta quarta-feira. O estudo chegou ao valor médio …

"Emergência arqueológica". O degelo dos Alpes está a "libertar" artefactos escondidos há milhares de anos

As alterações climáticas podem estar a ajudar os arqueólogos a encontrar artefactos escondidos nos glaciares do Alpes há milhares de anos. O derretimento dos glaciares dos Alpes está a "liberta" objetos que permaneceram congelados no tempo …

Thermite RS3 é o primeiro robô de combate a incêndios dos EUA (e está pronto a entrar ao serviço)

O Corpo de Bombeiros de Los Angeles, nos Estados Unidos, deu as boas-vindas ao mais recente membro da equipa: um bombeiro robótico. O Thermite RS3 é um rover de controlo remoto capaz de bombear milhares de …

Inventor dinamarquês que matou jornalista no seu submarino escapou da prisão (mas já foi apanhado)

O inventor dinamarquês Peter Madsen, condenado a prisão perpétua por torturar e assassinar a jornalista sueca Kim Wall, fugiu da prisão esta terça-feira.  As autoridades dinamarquesas capturaram-no minutos depois. Peter Madsen, o dinamarquês condenado a prisão …

Molécula descoberta por menina de 14 anos pode levar a uma cura para a covid-19

A jovem norte-americana de 14 anos, Anika Chebrolu, descobriu uma molécula que pode levar a uma potencial cura para a covid-19. Enquanto cientistas dos quatro cantos do mundo trabalham no desenvolvimento de uma vacina para a …

Cerca de 1.300 reclusos fogem de prisão no Congo após ataque do Estado Islâmico

Cerca de 1.300 reclusos escaparam de uma prisão na República Democrática do Congo na manhã de terça-feira, após um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico, informou a Organização das Nações Unidas (ONU). Embora as autoridades locais tenham …

Amesterdão vai usar flores para impedir que os ciclistas estacionem bicicletas nas pontes

A cidade conhecida pelo uso de bicicletas, vai agora tomar uma medida em relação ao estacionamento destas nas pontes. Tudo para proteger as vistas para os seus famosos canais. Amesterdão orgulha-se de ser uma das cidades …

Morreu voluntário envolvido no ensaio da vacina de Oxford. Tinha 28 anos e era médico recém-formado

As autoridades de saúde brasileiras divulgaram esta quarta-feira a morte de um voluntário dos testes da vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), …

Milo, o "comunicador de ação" que permite conversar em grupo durante atividades ao ar livre

Chegou o Milo, o novo aparelho que vai revolucionar as aventuras em grupo. Este pequeno dispositivo permite-lhe conversar com o seu grupo à distancia sem precisar de levar o smartphone para o meio da montanha, …