O Mar Cáspio está a encolher. Pode deixar a descoberto “um Portugal inteiro”

A superfície do maior lago do mundo pode diminuir em mais de um terço até 2100, avisam cientistas. Uma área do tamanho de Portugal pode ficar a descoberto.

Imagine que você está no litoral, a olhar para o mar. À sua frente estão 100 metros de areia estéril que mais parece uma praia na maré baixa. No entanto, não há marés.

Foi isto que os cientistas descobriram quando visitaram o pequeno porto de Liman, na costa do Mar Cáspio no Azerbaijão. O Cáspio é na verdade um lago, o maior do mundo, e está a atravessar um declínio devastador no seu nível de água que está prestes a agravar-se. No final do século, o Mar Cáspio estará de nove a 18 metros mais baixo. Esta é uma profundidade consideravelmente mais alta do que a maioria das casas.



Isto significa que o lago perderá pelo menos 25% do seu tamanho, deixando a descoberto 93.000 quilómetros quadrados de terra seca. Se aquela nova terra fosse um país, seria do tamanho de Portugal.

Um novo estudo revela que a crise pode muito bem resultar num ecocídio tão devastador quanto o do Mar de Aral, algumas centenas de quilómetros a leste. A superfície do Cáspio já está a diminuir 7 cm a cada ano, uma tendência que provavelmente aumentará. Em cinco anos, pode ser cerca de 40 cm mais baixo do que hoje e em dez anos quase um metro mais baixo.

A culpa é das alterações climáticas. As águas do Mar Cáspio estão isoladas, a sua superfície já está cerca de 28 metros abaixo dos oceanos. O seu nível é o produto de quanta água flui dos rios, principalmente do poderoso Volga ao norte, da quantidade de chuva e da evaporação.

No final do século, o Volga e outros rios do norte ainda estarão lá. No entanto, um aumento de temperatura projetado de cerca de 3 ℃ a 4 ℃ na região irá conduzir a evaporação.

A situação clama por ação, mas as possibilidades são limitadas. O aumento dos níveis globais de CO₂, o principal fator das condições climáticas que está a causar a crise do Cáspio, só pode ser resolvido com acordos globais, avisam os cientistas.

Nos tempos soviéticos, desvios de água em grande escala dos rios siberianos foram propostos para lidar com o mar de Aral que encolhia a leste. Mas estas grandes obras – no caso do Mar Cáspio, um canal do Mar Negro pode ser considerado – vêm com enormes riscos ecológicos e geopolíticos.

No entanto, ações são necessárias para proteger as plantas e animais únicos do Mar Cáspio e a subsistência das pessoas que vivem ao redor dele. O pequeno porto encalhado em Liman fica mais longe do mar a cada ano. Se nada for feito, ele será deixado sozinho em mais de uma maneira.

Google Earth

Comparação da costa do Cáspio entre 1995 e hoje.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Tem o mar negro ali bem ao lado e uma depressão de 50 metros abaixo do mar. Já tem até um caminho por onde um canal pode ser feito. Um canal tipo o de Suez ligaria o mar Caspio ao oceano global. Acho estranho só eu ter essa ideia.

RESPONDER

Marinha dos EUA está a desenvolver drones para matar ovos em ninhos de pássaros selvagens

A Marinha norte-americana e a empresa Hitron Technologies uniram esforços para desenvolver um drone autónomo projetado especificamente para procurar e destruir o maior inimigo da Marinha: os pássaros. Os drones, que estão já a ser testados …

Cientistas criam hologramas que se movem pelo ar

Uma equipa de cientistas da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, conseguiu desenvolver um holograma que projeta imagens em movimento. Se é fã de Star Treck, ficará impressionado com a mais recente inovação. Um grupo de …

Gangue detido por falsificar a especiaria mais cara do mundo

As autoridades espanholas detiveram um gangue que fazia milhões de euros por ano a falsificar a especiaria mais cara do mundo: o açafrão. Os 17 membros da quadrilha foram detidos na região de Castela-Mancha. Os criminosos …

Santuário medieval recebe escultura em pedra que usa máscara contra a covid-19

Uma catedral histórica do Reino Unido renovou um santuário do século XIV, acrescentando um detalhe que coloca em evidência o momento pandémico que o mundo vive. Agora, a nova escultura está a usar uma máscara …

Aos 10 anos, Adewumi chegou à elite mundial do xadrez (e fugiu ao Boko Haram)

Tanitoluwa Adewumi foi perseguido pelo Boko Haram, fugiu da Nigéria e foi sem-abrigo nos Estados Unidos. Agora, com apenas 10 anos, chegou à elite mundial do xadrez. Grande Mestre é um dos títulos vitalícios concedidos pela …

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …