//

O Mar Cáspio está a encolher. Pode deixar a descoberto “um Portugal inteiro”

1

A superfície do maior lago do mundo pode diminuir em mais de um terço até 2100, avisam cientistas. Uma área do tamanho de Portugal pode ficar a descoberto.

Imagine que você está no litoral, a olhar para o mar. À sua frente estão 100 metros de areia estéril que mais parece uma praia na maré baixa. No entanto, não há marés.

Foi isto que os cientistas descobriram quando visitaram o pequeno porto de Liman, na costa do Mar Cáspio no Azerbaijão. O Cáspio é na verdade um lago, o maior do mundo, e está a atravessar um declínio devastador no seu nível de água que está prestes a agravar-se. No final do século, o Mar Cáspio estará de nove a 18 metros mais baixo. Esta é uma profundidade consideravelmente mais alta do que a maioria das casas.

Isto significa que o lago perderá pelo menos 25% do seu tamanho, deixando a descoberto 93.000 quilómetros quadrados de terra seca. Se aquela nova terra fosse um país, seria do tamanho de Portugal.

Um novo estudo revela que a crise pode muito bem resultar num ecocídio tão devastador quanto o do Mar de Aral, algumas centenas de quilómetros a leste. A superfície do Cáspio já está a diminuir 7 cm a cada ano, uma tendência que provavelmente aumentará. Em cinco anos, pode ser cerca de 40 cm mais baixo do que hoje e em dez anos quase um metro mais baixo.

A culpa é das alterações climáticas. As águas do Mar Cáspio estão isoladas, a sua superfície já está cerca de 28 metros abaixo dos oceanos. O seu nível é o produto de quanta água flui dos rios, principalmente do poderoso Volga ao norte, da quantidade de chuva e da evaporação.

No final do século, o Volga e outros rios do norte ainda estarão lá. No entanto, um aumento de temperatura projetado de cerca de 3 ℃ a 4 ℃ na região irá conduzir a evaporação.

A situação clama por ação, mas as possibilidades são limitadas. O aumento dos níveis globais de CO₂, o principal fator das condições climáticas que está a causar a crise do Cáspio, só pode ser resolvido com acordos globais, avisam os cientistas.

Nos tempos soviéticos, desvios de água em grande escala dos rios siberianos foram propostos para lidar com o mar de Aral que encolhia a leste. Mas estas grandes obras – no caso do Mar Cáspio, um canal do Mar Negro pode ser considerado – vêm com enormes riscos ecológicos e geopolíticos.

No entanto, ações são necessárias para proteger as plantas e animais únicos do Mar Cáspio e a subsistência das pessoas que vivem ao redor dele. O pequeno porto encalhado em Liman fica mais longe do mar a cada ano. Se nada for feito, ele será deixado sozinho em mais de uma maneira.

Google Earth

Comparação da costa do Cáspio entre 1995 e hoje.

  ZAP // The Conversation

1 Comment

  1. Tem o mar negro ali bem ao lado e uma depressão de 50 metros abaixo do mar. Já tem até um caminho por onde um canal pode ser feito. Um canal tipo o de Suez ligaria o mar Caspio ao oceano global. Acho estranho só eu ter essa ideia.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE