/

Já temos um mapa 3D de uma das fronteiras do Sistema Solar

NASA / IBEX / Adler Planetarium

Diagrama da heliosfera

Os cientistas determinaram, pela primeira vez, a forma da heliosfera, o limite que marca o fim da influência do vento solar da nossa estrela.

O Sol lança constantemente uma corrente de partículas carregadas – um vento supersónico de plasma ionizado – para o Espaço. Eventualmente, esse vento acaba por perder força com a distância, tornando-se incapaz de empurrar a pressão do Espaço interestelar.

O ponto em que tal acontece chama-se heliopausa.

A forma desta fronteira tem sido motivo de debate nos últimos anos, com alguns cientistas a defender que é uma bolha arredondada, outros confiantes de que se parece com um cometa e os mais ousados a garantirem que tem a forma de um croissant.

Recentemente, uma equipa de astrónomos decidiu colocar um ponto final nesta questão e analisou dados do satélite Interstellar Boundary Explorer (IBEX) da NASA, um observatório que mede partículas lançadas da região mais externa da heliosfera.

Segundo o Science Alert, algumas dessas partículas são o que os cientistas chamam de átomos energéticos neutros (ENAs), criados por colisões entre partículas do vento solar e partículas do vento interestelar. A força do seu sinal depende da força do vento solar no momento da colisão.

Segundo os cientistas, descodificar esse sinal para mapear a heliopausa é semelhante à forma com um morcego usa o sonar para mapear os seus arredores físicos.

“Tal como os morcegos enviam pulsos de sonar em todas as direções e usam o sinal de retorno para criar um mapa mental dos arredores, nós usamos o vento solar, que se desloca em todas as direções, para criar um mapa da heliosfera“, explicou Dan Reisenfeld, do Laboratório Nacional de Los Alamos, nos Estados Unidos.

“Ao fazê-lo, somos capazes de ver o limite da heliosfera da mesma forma que um morcego usa o sonar para ‘ver’ as paredes de uma caverna”, acrescentou.

O mapa 3D mostra que a distância radial mínima do Sol até ao “nariz” da heliopausa é de, aproximadamente, 120 unidades astronómicas (AU), ou seja, 120 vezes a distância entre a Terra e o Sol. Em altas latitudes, a heliopausa estende-se por 150 a 175 unidades astronómicas.

A forma é muito semelhante à de um cometa, com uma cauda de pelo menos 350 unidades astronómicas de comprimento (o limite atual do alcance do IBEX), embora o comprimento da cauda seja impossível de avaliar.

O artigo científico foi publicado este mês no The Astrophysical Journal Supplement Series.

  Liliana Malainho, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE