Os últimos mamutes viveram numa ilha remota (e tiveram uma morte repentina)

Segundo o mais recente estudo, os últimos mamutes viveram numa ilha do Ártico. As condições climatéricas e o “dedo” humano poderão ter sido a razão da sua extinção.

Num estudo de 2017, um grupo de cientistas norte-americanos sugeriu que a razão para a extinção dos mamutes foi uma “explosão mutacional” — um aumento acentuado do número de mutações negativas no ADN provocado pela diminuição da espécie.

Agora, um novo estudo publicado este mês na revista Quaternary Science Reviews descobriu onde morreram os últimos mamutes do planeta. As conclusões da investigação apontam que os últimos mamutes morreram há 4 mil anos, na ilha Wrangel, no Oceano Ártico.

A equipa de cientistas explica que uma combinação de fatores pode ter levado à extinção deste majestoso animal. O habitat isolado, as condições atmosféricas extremas e até a ação do homem pode ter levado ao fim das últimas espécimes de mamutes.

De acordo com o EurekAlert, com o aquecimento global que começou há 15 mil anos, os mamutes foram perdendo área habitável. Até mesmo na ilha Wrangel, a subida dos nível do mar tramou os mamutes que lá viviam, e que aguentaram mais 7 mil anos do que os restantes.

Esta previsão vai contra estudos anteriores, que davam conta de que os mamutes se extinguiram há 15 mil anos. Outro estudo indica que desapareceram há 5.600 anos. Em ambos, os espécimes enfrentaram mudanças na sua composição isotópica, mostrando que houve mudanças no seu ambiente antes de se extinguirem localmente.

No caso dos mamutes da ilha de Wrangel, isto não se verificou, com a sua composição a manter-se intacta. Contudo, verificaram-se mudanças na dieta deste animal na região.

“Achamos que isto reflete a tendência dos mamutes siberianos em depender das suas reservas de gordura para sobreviver durante os invernos extremamente duros da era do gelo, enquanto os mamutes de Wrangel, vivendo em condições mais amenas, simplesmente não precisavam disso“, explicou Laura Arppe, que liderou a equipa de investigadores.

(dr) Juha Karhu

Dente de mamute encontrado na ilha Wrangel.

Segundo os cientistas, a sua morte repentina pode ser justificada por extremas condições meteorológicas. Por exemplo, o chão poderia ter ficado coberto por uma espessa camada de gelo, impedindo que estes encontrassem comida suficiente.

“É fácil imaginar que a população, talvez já enfraquecida pela deterioração genética e problemas de qualidade de água potável, poderá ter sucumbido após algo como um evento climático extremo”, disse Hervé Bocherens, coautor do estudo.

É ainda colocada a possibilidade de os humanos terem culpa na trágica extinção dos mamutes. As primeiras evidências arqueológicas de humanos em Wrangel datam de apenas algumas centenas de anos após o osso de mamute mais recente. É improvável que se encontrem provas de que humanos caçavam mamutes nesta ilha, mas esta hipótese não pode ser descartada.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Mulan a preço premium estreia na Disney+ em setembro

A adaptação live-action de Mulan tem nova data de estreia. O anúncio foi feito pela Disney nesta terça-feira (4). O filme chega à plataforma de streaming Disney+ no dia 4 de setembro, estando disponível em …

Belgas trocam as voltas à pandemia e passam férias nas árvores

Enquanto uns passam o verão em casa, outros atrevem-se a ter uma experiência diferente. Alguns belgas estão a passar as noites de verão pendurados em árvores, em tendas em forma de lágrima. A pandemia de covid-19 …

Máscara inteligente traduz até oito línguas (mas não protege do coronavírus)

Esta máscara inteligente, criada por uma empresa japonesa, consegue traduzir o discurso do seu utilizador em várias línguas (mas, por si só, não o protege do novo coronavírus). Quando a pandemia de covid-19 transformou as máscaras …

Empresa fica com excedente de 40 mil quilos de frutos secos devido à covid-19

A GNS Foods, a empresa que nos últimos 30 anos forneceu os frutos secos à American Airlines, ficou com um excedente de 40 mil quilos por causa de restrições impostas devido à covid-19. Servir frutos secos …

Astronautas da NASA fizeram partidas por telefone para "matar" tempo durante o regresso à Terra

Os astronautas da NASA Bob Behnken e Doug Hurley fizeram algumas partidas por telefone durante o regresso à Terra a bordo cápsula Dragon, da empresa SpaceX de Elon Musk, num voo que foi duplamente histórico. …

Em plena pandemia, há um venezuelano que assegura os funerais no Peru

Ronald Marín é a última esperança para os habitantes de Comas, em Lima. O venezuelano é o único que realiza funerais católicos num cemitério longe do centro da capital, em plena pandemia. Vestido com uma túnica …

Covid-19 pôs mais de um milhão de portugueses em teletrabalho no 2.º trimestre

Um milhão de pessoas esteve em teletrabalho no segundo trimestre, sobretudo devido à covid-19, o equivalente a 23,1% da população empregada, enquanto mais de 600 mil não trabalharam nem no emprego nem em casa. De acordo …

Dia da Defesa Nacional regressa ao formato presencial a 2 de setembro

O Dia da Defesa Nacional, que está suspenso desde o dia 9 de março devido à pandemia de covid-19, irá regressar ao formato presencial a 2 de setembro, anunciou o Governo esta quarta-feira. Em comunicado, o …

Norte-americano detido depois de usar fundos da covid-19 para comprar um Lamborghini

As autoridades dos Estados Unidos detiveram um empresário que comprou um carro de luxo da marca Lamborghini com dinheiro que recebeu de programas federais para ajudar os afetados pelo novo coronavírus (covid-19). A notícia é …

FC Porto e Benfica disputam Supertaça a 23 de dezembro

O jogo da Supertaça, que vai opor o FC Porto ao Benfica e que deveria a abrir a temporada 2020/21, vai disputar-se a 23 de dezembro, anunciou, esta quarta-feira, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF). Em …