Mais dois mortos nos protestos em Myanmar. Facebook remove página principal do exército

Lynn Bo Bo / EPA

Protestos em Rangum, Myanmar

Mais duas pessoas morreram em Myanmar, este sábado, depois de uma carga policial na cidade de Mandalay. Várias pessoas ficaram gravemente feridas.

Na sexta-feira, os birmaneses receberam a notícia da morte de Mya Thwate Thwate Khaing, uma jovem, de 20 anos, baleada na cabeça no dia 9 deste mês durante um protesto na capital, Naypyidaw.

Este domingo, uma multidão assistiu ao funeral da jovem. Várias pessoas levantaram silenciosamente as mãos, mostrando os três dedos – um sinal de desafio e resistência adotado pela vizinha Tailândia – e muitos cantaram “A nossa revolta tem de ser bem-sucedida”.

As manifestações prosseguiram noutras cidades, nomeadamente em Mandalay, a segunda maior cidade do país, onde as forças de segurança mataram a tiro duas pessoas, este sábado, perto de um estaleiro onde as autoridades tinham tentado forçar os trabalhadores a carregar um barco.

Uma das vítimas, descrita como um adolescente, também foi baleada na cabeça e morreu imediatamente, enquanto outra foi baleada no peito e morreu a caminho do hospital. Foram também relatados vários outros ferimentos graves.

Relatos de testemunhas e fotografias de cápsulas de balas indicaram que as forças de segurança utilizaram munições reais, além de equipamento convencional de controlo de motins e de fisgas, uma arma de caça tradicional em Myanmar.

A polícia também tem usado balas de borracha, canhões de água e gás lacrimogéneo para dispersar as multidões. Entretanto, a Associação de Assistência aos Presos Políticos birmaneses (AAPP) dá conta da existência de 640 detenções.

Na sua conta do Twitter, o secretário-geral da ONU condenou “o uso da força letal” neste país. “O uso de força letal, intimidação e assédio contra manifestantes pacíficos é inaceitável”, continuou António Guterres.

“Todos têm o direito a uma reunião pacífica. Apelo a todos os partidos para que respeitem os resultados das eleições e regressem ao governo civil”, acrescentou o chefe das Nações Unidas.

Este domingo, o Facebook removeu da sua plataforma a página principal do exército de Myanmar por não cumprir os requisitos de não incitação à violência.

“De acordo com as nossas políticas globais, eliminámos a página Tatmadaw True News por repetidas violações dos nossos padrões, que proíbem o incitamento à violência”, precisou um porta-voz desta rede social numa declaração enviada à agência EFE.

Hoje, os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE) afirmaram “estar dispostos” a adotar medidas restritivas contra as pessoas “diretamente responsáveis” pelo golpe militar.

“Em resposta ao golpe militar, a União Europeia está disposta a adotar medidas restritivas que visam aqueles diretamente responsáveis. Todas as outras ferramentas à disposição da UE e dos seus Estados-membros serão mantidas sob revisão”, lê-se nas conclusões relativas ao Myanmar do Conselho de Negócios Estrangeiros, publicadas enquanto a reunião ainda decorre.

Nesse âmbito, e ainda que ressalvando que irão “evitar medidas que possam afetar adversamente a população do Myanmar, em especial os mais vulneráveis”, os chefes da diplomacia europeia convidam a Comissão Europeia e o Alto Representante da UE para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança, Josep Borrell, a “desenvolverem propostas apropriadas” para esse efeito.

 

O golpe militar atingiu a frágil democracia da Birmânia, depois da vitória do partido de Aung Sang Suu Kyi (Liga Nacional para a Democracia) nas eleições de novembro de 2020. Os militares tomaram o poder alegando irregularidades durante o processo eleitoral, apesar de as autoridades eleitorais terem negado a existência de fraudes.

A junta militar disse que irá manter-se no poder durante um ano, antes da realização de um novo ato eleitoral.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Decisão da insolvência da Groundforce pode demorar dois meses. Salários de maio em risco

Os salários de maio de 2400 trabalhadores da Groundforce devem ser pagos dentro de duas semanas, mas é grande a probabilidade de que isso não aconteça, à semelhança do que ocorreu em fevereiro, elevando as …

Pedro Nuno Santos garante que investimento público em redes de nova geração vai avançar

Pedro Nuno Santos garantiu, na quinta-feira, que o “investimento público” em redes de comunicações eletrónicas “vai avançar”, de forma a levar conectividade às regiões do país onde as redes das operadoras privadas não chegam. O ministro …

PPP hospitalares geraram poupanças para o Estado

O Tribunal de Contas publicou um relatório em que sustenta não ter dúvidas sobre as vantagens que as parcerias público-privadas (PPP) na saúde trouxeram ao Estado, ao longo da última década. Os hospitais em parceria público-privada …

Banco de Fomento está a integrar trabalhadores do antigo BPN

O Banco Português de Fomento está a recrutar colaboradores do antigo BPN para desempenhar funções técnicas, numa altura em que a Parvalorem, onde estão integrados, solicitou ao Executivo o estatuto de empresa em reestruturação. Segundo apurou …

PAN começa a ser julgado por falsos recibos verdes

O PAN vai começar a ser julgado este mês devido ao caso dos falsos recibos verdes. O partido enfrenta três processos judiciais, sendo que o arranque do julgamento do primeiro está marcado para 17 de …

Radovan Karadzic vai ser transferido para o Reino Unido

Radovan Karadzic, antigo líder dos sérvios da Bósnia condenado por genocídio no massacre de mais oito mil muçulmanos bósnios em Srebrenica, em 1995, vai ser transferido para o Reino Unido, onde vai continuar a cumprir …

Adjunta de Matos Fernandes era sócia de empresa que fez negócios com o ministério

Entre 2016 e 2019, a secretária de Estado do Ambiente, Inês Santos Costa, acumulou funções quando integrou o gabinete de João Pedro Matos Fernandes, na qualidade de adjunta, sendo, na altura, sócia de uma empresa, …

Cavaco acusa Governo de Costa de continuar a alimentar "monstro" da despesa pública

Cavaco Silva volta a criticar o Governo de Costa, desta vez por criar “impostos adicionais” sobre “tudo o que mexe” para alimentar “o monstro” da despesa pública. O ex-primeiro-ministro e antigo Presidente da República Aníbal Cavaco …

Dívidas de Vieira investigadas. Com falência à vista, grupo do líder do Benfica pagou viagens de luxo

Afinal, o Fundo de Resolução nunca aceitou a reestruturação das dívidas do grupo empresarial de Luís Filipe Vieira, ao contrário do que foi dito aos deputados na Comissão Parlamentar de Inquérito aos grandes devedores do …

João Rendeiro condenado a 10 anos de prisão

João Rendeiro, antigo presidente do Banco Privado Português (BPP), foi condenado a 10 anos de prisão efetiva esta sexta-feira. O tribunal condenou o ex-presidente do Banco Privado Português (BPP), João Rendeiro, a 10 anos de prisão …