Maioria dos cuidadores informais desconhecem que podem aceder a um estatuto

Stannah

A maioria dos cuidadores informais inquiridos num estudo do movimento que lhes quer “dar voz” revela desconhecer o estatuto em vigor há um ano e queixa-se da falta de apoios para prestar cuidados, mas também psicológicos e emocionais.

O estudo do Movimento Cuidar dos Cuidadores Informais, que representa 24 associações, ouviu 1.133 pessoas nesta condição e mostra que quase 60% dos inquiridos não conhecem o Estatuto do Cuidador Informal (ECI), que completou a 1 de abril um ano de vigência, sendo que, em 30 concelhos abrangidos pelo projeto-piloto para a sua implementação, os cuidadores têm direito, para além do reconhecimento do estatuto, a um apoio financeiro pelos cuidados prestados.

Dos 40% de cuidadores que declararam conhecer o estatuto, 77,2% consideram-no incompleto, vendo-o como “pouco abrangente”, com acesso “muito burocrático e limitado” e insuficiente nos apoios face às necessidades.

A falta de apoio psicológico e emocional é a principal falha ou dificuldade apontada pelos cuidadores (64,6%), seguindo-se a falta de apoios sociais, sejam do Estado, de instituições ou decorrentes do próprio ECI (59,1%). Cerca de metade (51,8%) referem dificuldades financeiras e 37,4% apontam falta de apoio de recursos humanos na prestação de cuidados.

Perto de 81% dizem não ter acesso a serviços e apoios suficientes e quase metade dos inquiridos indicou que o auxílio na prestação de cuidados seria a ajuda que maior diferença faria na sua situação (46,9%).

Um total de 74,4% dos cuidadores manifestou ainda interesse em ter apoio de voluntários especializados na prestação de cuidados.

Mais de 63% dizem ter informação necessária sobre a doença da pessoa cuidada, mas 41,2% admitem necessidade de mais formação e capacitação específica para as tarefas que desempenham, sobretudo no que diz respeito ao tratamento e manuseamento dos doentes.

Numa escala de 0 a 10, de nenhum desgaste a desgaste extremo, o desgaste físico aparece retratado com o valor de 7,96, enquanto o desgaste emocional regista 8,44 nessa mesma escala entre os inquiridos.

Mais de metade dos cuidadores (56,4%) diz não ter tempo pessoal nem espaço para rotinas e outros papéis sociais e mais de 90% afirmam a vontade de voltar a ter tempo para os hábitos e rotinas anteriores à condição de cuidador.

Apenas 12% dizem receber qualquer tipo de apoio emocional ou psicológico para o desempenho das funções.

A ajuda de familiar e amigos aparece mencionada acima de apoios do Estado, como da Segurança Social, de instituições particulares, do sistema de saúde ou até financeira.

Os cuidadores apontam ainda impactos da sua condição ao nível da sua organização familiar e situação profissional.

Em família relata-se uma diminuição de tempo para estar em conjunto, de reorganização de rotinas ou ausência de férias, fins de semana, vida social e convívio familiar ou com amigos. Em menor número há também referência a perda de rendimentos e até mesmo divórcios.

Quase metade dos inquiridos viu-se forçada a deixar o emprego para assumir a tarefa de cuidador, uma situação que já era prevalente antes da pandemia de covid-19, mas que esta veio agravar.

Mais de 87% dos inquiridos dizem não ter descanso nem férias por não terem uma resposta social de proximidade que o permita, assegurando os cuidados do doente.

Segundo o estudo, os cuidadores são maioritariamente mulheres (86,6%), entre os 45 e os 64 anos, com o ensino secundário ou o ensino superior, em situação laboral ativa.

Os cuidadores informais cuidam maioritariamente de familiares diretos – pais, filhos, avós, cônjuges – mas quase 10% assume a tarefa perante pessoas em relação às quais não existe grau de parentesco.

As demências, os AVC e a diabetes são as principais doenças a motivar a necessidade de cuidados.

Segundo um estudo da ANCI divulgado no final do ano passado, a pandemia terá elevado para cerca de 1,4 milhões o total de cuidadores informais no país.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Gestão do Novo Banco vai receber bónus de 3,9 milhões em 2022

A equipa de administração do Novo Banco tem à sua espera um bónus de 3,9 milhões de euros no próximo ano. O banco registou prejuízos de 1.329 milhões de euros no ano passado. O Novo Banco …

Ainda não há planos para vacinar voluntários com AstraZeneca e Johnson & Johnson (nem dados sobre combinação de vacinas)

A vacinação de voluntários com menos de 60 ou 50 anos que aceitem receber as vacinas da AstraZeneca ou da Johnson & Johnson ainda não tem planos ou datas para arrancar. A Comissão de vacinação …

Celebrar ou cancelar Napoleão? 200.º aniversário da morte do imperador desperta debate em França

No 200.º aniversário da morte de Napoleão Bonaparte, o presidente francês Emmanuel Macron optou por fazer o que os seus antecessores evitaram. Ao escolher colocar uma coroa de flores esta quarta-feira no túmulo de Napoleão sob …

Costa começa a namorar a esquerda. Negociações do Orçamento arrancam em julho

O Governo está a preparar-se para arrancar com as reuniões preliminares de negociação do Orçamento do Estado para 2022. O Público avança, esta quinta-feira, que os encontros formais vão ser realizados com os partidos de esquerda …

O orgulho, os milhões da Champions e (talvez) um título estão em jogo neste Clássico

O FC Porto não desiste da corrida pelo título, mas o segundo lugar é a principal luta deste Clássico. A posição dá acesso direto à Liga dos Campeões. Benfica e FC Porto defrontam-se hoje na Luz, …

"Crise de saúde global". Biden apoia levantamento das patentes das vacinas (e UE segue o exemplo)

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, apoiou a proposta da Organização Mundial do Comércio (OMC) para renunciar às proteções de propriedade intelectual para as vacinas contra a covid-19. "Esta é uma crise de saúde global …

-

Confrontos entre polícia e adeptos em Alvalade. PSP avança com participação ao MP

A chegada da equipa do Sporting ao estádio de Alvalade ficou marcada por confrontos entre vários adeptos e a polícia. A PSP já anunciou que vai fazer uma participação ao Ministério Público. Depois da vitória por …

Centeno pressiona Costa: 6 mil milhões de medidas temporárias devem ser revertidos

Esta quinta-feira, o governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, avisou que "não podemos querer manter no futuro medidas que foram criadas para serem temporárias". As medidas cíclicas e temporárias adotadas no ano passado para responder …

Apoio ao aumento do salário mínimo "vale 84,5 euros por posto de trabalho"

O ministro da Economia explicou que o apoio ao aumento do salário mínimo, que só vai acontecer em 2021 e que custará cerca de 60 milhões de euros ao Estado, corresponde a 84,5 euros por …

Estádio Sp. Braga

Afinal, o Sporting de Braga é mais antigo do que se pensava

Uma investigação de dois sócios do Sporting de Braga descobriu documentos que os levam a concluir que o clube, a comemorar este ano o seu centenário, foi fundado em 1919 e não em 1921. A polémica …