Maioria aprova acompanhamento social e psicológico obrigatório antes de um aborto

A maioria PSD e CDS-PP aprovou esta sexta-feira na especialidade a obrigatoriedade de acompanhamento psicológico e social antes da realização de uma Interrupção Voluntária da Gravidez (IVG), perante acusações da oposição de “golpe legislativo” e aprovação à “25ª hora”.

Na comissão de Assuntos Constitucionais foram feitas “votações indiciárias” de todos os projetos em causa, a proposta da maioria PSD/CDS-PP para a obrigatoriedade do acompanhamento psicológico e social e outra para a introdução de taxas moderadoras na IVG, e todos os artigos da iniciativa legislativa de cidadãos “pelo direito a nascer”, mas os documentos voltarão a ser votados em plenário na quarta-feira.

A reunião ficou marcada pelo tom duro da discussão, que levou o presidente, Fernando Negrão (PSD), a assinalar, no final, que “houve excesso”, e também pela partilha emocionada de um relato pela deputada do PS Isabel Moreira sobre a importância da reflexão solitária e autónoma para a mulher antes de interromper uma gravidez que pode ser resultado de “um ato de violência extrema”.

Na primeira intervenção, Isabel Moreira sublinhou que numa “matéria de enorme importância” a discussão foi feita “com grande rapidez, já no final da legislatura”, com pareceres de diversas entidades a chegarem à comissão na quinta-feira.

A deputada socialista citou pareceres da Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres, da Associação das Mulheres Juristas, da professora de Direito Inês Ferreira Leite, do Movimento Democrático de Mulheres e da Associação de mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), que apontavam para violações da Constituição nas propostas da maioria, nomeadamente sobre a impossibilidade de tornar uma consulta médica obrigatória.

A deputada do BE Helena Pinto argumentou que o “problema de fundo” é uma não aceitação do resultado do referendo ao aborto em 2007, estando em causa “um retrocesso” sob a capa de “medidas cirúrgicas”, já que as alterações “estão a dizer que uma mulher por sua opção não pode interromper uma gravidez e tem de ser tutelada nesse processo”.

Pelo PSD, o deputado Carlos Abreu Amorim rejeitou totalmente que se esteja a reabrir o debate do referendo, aconselhou a oposição a não “ver outras coisas” na proposta além do que lá está, recusando que o acompanhamento psicológico e social possa condicionar a mulher, mas “visa melhorar as condições em que as mulheres tomam a decisão”.

A deputada do CDS-PP Inês Teotónio Pereira argumentou que se trata de “proteger as mulheres, dar-lhes mais dados, mais apoio” e sublinhou que o acompanhamento psicológico e social está previsto na lei alemã, “um modelo que o PS tem como referência”.

O PCP, através de António Filipe, defendeu que se está perante “um golpe legislativo”, uma alteração apresentada “à 25ª hora”, apelando ainda a que fosse retirada e, no caso de não ser, expressou a certeza de que será revogada na próxima legislatura.

Numa intervenção posterior, a deputada Isabel Moreira questionou a norma constante da iniciativa legislativa de cidadãos que prevê a auscultação do progenitor, ao mesmo tempo que atacou a obrigatoriedade do aconselhamento psicológico.

Emocionada, a deputada do PS afirmou que “uma mulher pode estar grávida por um ato de violência extrema” e falando de “uma experiência pessoal”, defendeu que o período de reflexão é necessário para a mulher decidir só e autonomamente.

“Sou uma mulher autónoma e tenho 48 horas para decidir e nessas 48 horas esse espaço é meu. O senhor deputado está a dizer-me que isto não é um constrangimento à minha capacidade autónoma? Eu não preciso quando estou a refletir que o Estado diga ‘a senhora não sabe refletir e precisa de acompanhamento psicológico e social”.

Maioria aprova quatro normas da iniciativa legislativa pelo “direito a nascer”

PSD e CDS-PP aprovaram esta sexta-feira na especialidade quarto normas da iniciativa de cidadãos pelo “direito a nascer” relativas à “proteção da maternidade e paternidade” e ao “consentimento informado” da mulher que faz uma IVG.

As quatro normas foram aprovadas com os votos favoráveis da maioria, e rejeitadas por toda a oposição, tendo PSD e CDS-PP chumbado as restantes medidas apresentadas na iniciativa legislativa de cidadãos pelo “direito a nascer”.

Entre as normas aprovadas encontra-se o artigo referente a “consentimento informado“, mas apenas parcialmente, tendo sido chumbada a alínea que estabelecia que devia “também ser auscultado o outro progenitor quanto à sua capacidade no cumprimento dos seus deveres de paternidade”.

Foi aprovado que “na primeira consulta para efeitos de IVG da grávida será fornecida informação clara, verbal e escrita, dos apoios sociais existentes, incluindo os subsídios de parentalidade a que tem direito por efeito da gravidez e do nascimento” e que “tais apoios podem ser de natureza pública ou privada desde que oficialmente reconhecidas, ajudas monetárias ou em espécie”.

Foram também aprovados o artigo 1º, o artigo 10º e 13º da iniciativa legislativa de cidadãos pelo “direito a nascer”.

O primeiro artigo intitula-se de “proteção da maternidade e paternidade” e afirma que “são valores sociais eminentes pelo que, em caso algum pode a mulher ou o homem ser discriminado, preterido, menorizado ou prejudicado em função do seu estado de gravidez ou de prestador de cuidados aos filhos na primeira infância”.

O artigo 10º designado de “remoção de dificuldades“, estabelece que “à grávida deve ser dado o direito de apresentar as dificuldades, estudadas as circunstâncias que ditam o recurso ao aborto, nomeadamente quando resulte de violação dos direitos laborais ou violação de direitos fundamentais por forma a, sempre que possível, remover tais obstáculos, com apoios concretos”.

Finalmente, o artigo 13º sobre “oferta de informação pública” afirma que “nos Centros de Saúde, unidades de saúde familiar, serviços de ginecologia/obstetrícia, Conservatórias de Registo Civil será fornecida informação escrita aos utentes sobre o valor da vida, da maternidade e paternidade responsáveis, nomeadamente quanto a cuidados devidos ao nascituro e criança na primeira infância”.

Na comissão foram feitas “votações indiciárias” de todos os projetos em causa, a proposta da maioria PSD/CDS-PP para a obrigatoriedade do acompanhamento psicológico e social e outra para a introdução de taxas moderadoras na IVG, além dos artigos da iniciativa legislativa de cidadãos, mas os documentos voltarão a ser votados em plenário na quarta-feira.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Investigadores desenvolvem tecnologia que permite datar as impressões digitais

Encontrar as impressões digitais numa cena de crime nem sempre é suficiente para haver condenação, podendo os suspeitos alegar que as mesmas foram deixadas antes de o crime ocorrer. Essa realidade pode estar prestes a …

Coronavírus abala mercados mundiais. Petróleo derrapa mais de 3%

A preocupação com as consequências económicas da propagação do coronavírus na China está a ter um efeito devastador nos mercados. A derrapagem nos mercados acontece numa altura em que o número de mortos pelo surto de …

Prémio Tyler 2020: Defensores de políticas verdes ganham "Nobel do Meio Ambiente"

O Prémio Tyler 2020, também conhecido como o "Nobel do Meio Ambiente", foi atribuído à bióloga Gretchen Daily e ao economista ambiental Pavan Sukhdev, foi hoje anunciado. A bióloga especialista em conservação e o economista são …

Subsídios estão a ser pagos e aumento de 15% no ordenado "não é realista", diz a Ryanair

A Ryanair está a pagar os subsídios de férias e Natal, afirmou hoje um responsável da companhia, salientando que o sindicato dos tripulantes de cabine tenta “forçar” aumentos salariais de 15%, o que “não é …

Tia de Kim Jong-un faz a primeira aparição pública em mais de seis anos

Kim Kyong-hui, tia paterna do líder norte-coreano Kim Jong-un, reapareceu em público este sábado pela primeira vez em mais de seis anos, escreve a BBC. A emissora britânica, que avança a notícia citando a Agência Central …

Coronavírus. Madeira está a preparar-se para eventual surto

Região da Madeira “já está a delinear” quartos com pressão negativa e áreas isoladas, além de “fármacos, oxigénio, fatos protetores, máscaras e capacidade laboratorial”. O presidente do Instituto de Saúde (Iasaúde) da Madeira anunciou esta segunda-feira …

Luanda Leaks. Isabel dos Santos vai processar o consórcio de jornalistas

Depois de Rui Pinto ter assumido a autoria da divulgação dos documentos do caso Luanda Leaks, Isabel dos Santos avança que vai processar o consórcio de jornalistas. A empresária angolana Isabel dos Santos vai processar o …

Portugal vende cinco F-16 à Roménia por 130 milhões de euros

O ministério da Defesa Nacional oficializou hoje, na Base Aérea de Monte Real, no distrito de Leiria, a venda de cinco aviões militares F-16 à Roménia, num negócio de 130 milhões de euros. "Com este processo …

Pedro Proença e a violência no futebol: "É chegada a altura de o Governo assumir responsabilidades"

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol (LPFP), Pedro Proença, disse esta segunda-feira, depois de uma reunião no Ministério da Administração Interna (MAI), que o governo deve assumir responsabilidades sobre os recentes casos de violência …

Reconhecimento facial vai ser testado no acesso a serviços públicos online

O Governo quer criar um sistema de reconhecimento facial para usar a chave móvel digital, ferramenta que já permite aceder a vários serviços online do Estado. O Governo está a planear criar um sistema de reconhecimento …