A maior erupção vulcânica da Antártida ocorreu mais cedo do que se pensava

Antonio Álvarez Valero / Universidade de Salamanca

A Ilha Deceção pertence ao arquipélago das Shetland do Sul, na Antártida

Uma grande erupção vulcânica abalou a Ilha Deceção, na Antártida, há 3.980 anos, e não 8.300, como se pensava anteriormente.

Este evento foi uma das maiores erupções no continente durante o Holoceno, os últimos 11.700 anos depois da última grande período glacial na Terra, e foi comparável em volume de rochas ejetadas à erupção do vulcão Tambora em 1815.

A erupção formou a caldeira do vulcão, um dos mais ativos na Antártida, com mais de 20 erupções registadas nos últimos 200 anos.

De acordo com um novo estudo, publicado a 22 de novembro na revista Scientific Reports, o colapso aconteceu há 3.980 anos. O esvaziamento da câmara magmática, a zona de acumulação de magma que alimentou a erupção, causou uma queda de pressão, provocando o colapso da parte superior do vulcão.

Como resultado, foi formada uma depressão entre oito e 10 quilómetros de diâmetro, o que agora dá à Ilha Deceção a sua forma de ferradura. O colapso da caldeira teria causado um evento sísmico de grande magnitude, cujos traços foram registados nos sedimentos acumulados no fundo dos lagos da Ilha Livingstone, a segunda maior das Ilhas Shetland do Sul, Antártica.

Os núcleos de sedimentos foram recuperados durante campanhas antárticas do projeto HOLOANTAR, entre 2012 e 2014. Este trabalho de campo foi conduzido e coordenado por Marc Oliva, então investigador do Instituto de Geografia e Ordenamento da Universidade de Lisboa.

“O objetivo inicial do estudo era puramente climático, já que queríamos reconstruir as flutuações climáticas desta região nos últimos 11.700 anos usando diferentes indicadores paleoclimáticos naturais proxies – encontradas nos sedimentos dos lagos da Península Byers, a cerca de 40 quilómetros ao norte da Ilha Deceção”, disse Sergi Pla, co-autor do estudo.

Mas o que foi encontrado surpreendeu os investigadores. “Análises geoquímicas e biológicas posteriores indicaram que os sedimentos tinham origem terrestre e foram depositados abruptamente no fundo do lago. Estes resultados sugeriram a ocorrência de um grande terremoto que afetou toda a área e colocou-nos na pista que, talvez, não estivéssemos a enfrentar um terremoto comum, mas um gerado pelo colapso da caldeira do vulcão da Ilha Decepção”, explicou Santiago Giralt, que também é co-autor do estudo.

A data exata da erupção foi obtida usando técnicas geoquímicas, petrológicas e paleolimnológicas aplicadas nos sedimentos de quatro lagos da Península de Byers da ilha de Livingston.

“Os registos sedimentares recuperados mostraram um padrão comum. Primeiro, as cinzas vulcânicas da erupção da Ilha Deceção, cobertas por uma camada de sedimento de quase um metro de espessura composta por material arrastado das margens dos lagos até o fundo devido ao grande terremoto e por sedimentos comuns do lago, que são caracterizados por uma alternação de argilas e musgos“, disse Giralt.

Um dos desafios foi caracterizar a origem das cinzas produzidas durante a erupção vulcânica. Para isso, as condições de pressão e temperatura dos magmas que causaram esta erupção foram calculadas usando as cinzas presentes nos núcleos de sedimentos. “Conseguimos estimar a profundidade de todas as amostras estudadas e determinar se faziam parte do mesmo magma e episódio eruptivo”, disse Antonio Álvarez Valero, investigador da Universidade de Salamanca.

O estudo também estima que a erupção tenha um Índice de Explosividade Vulcânica (que vai de 0 a 8) por volta de seis, o que possivelmente faz dele o maior episódio eruptivo do Holoceno no continente antártico.

“É muito importante ser capaz de datar este tipo de erupção para entender as mudanças climáticas causadas por erupções vulcânicas – neste caso particular, em altas latitudes austrais”, acrescentaram os autores.

A erupção pode ter tido impactos climáticos e ecológicos significativos numa grande área da região sul, embora sejam necessários mais estudos e novos dados para caracterizar precisamente quais os efeitos reais no clima deste evento eruptivo.

ZAP // Phys / Sputnik

PARTILHAR

RESPONDER

Novo comboio-bala entra ao serviço na linha Tóquio-Osaka

O mais novo modelo de comboio-bala do Japão - o N700S - entrou ao serviço no dia 1 de julho, numa jornada inaugural de Tóquio a Osaka. A série N700S (sendo que o "S" significa "Supreme") …

Kanye West anuncia candidatura à Presidência dos EUA

O músico norte-americano Kanye West anunciou este sábado, Dia da Independência dos Estados Unidos, a sua candidatura à Casa Branca, depois de ter apoiado anteriormente o atual Presidente e candidato à reeleição, Donald Trump. "Agora devemos …

Vídeo revela, pela primeira vez, como é que o cérebro se livra dos neurónios mortos

Uma equipa de cientistas conseguiu usar, pela primeira vez, uma técnica que "mata" uma célula cerebral isolada e permite observar o processo de limpeza do sistema nervoso em tempo real. A equipa de investigadores conseguiu registar …

Reutilizável, dobrável e esterilizável. Novo "escudo" protege profissionais de saúde

Uma equipa de cientistas desenvolveu, recentemente, um dispositivo dobrável em forma de tenda que atua como um escudo físico para os profissionais de saúde na linha da frente contra a covid-19. A tenda redutora de gotículas …

O Lamborghini mais potente acelera dentro de água. É um iate com 4.000 cavalos

O resultado da primeira colaboração entre a a Lamborghini e os especialistas da Tecnomar é um iate de luxo, com 4.000 cavalos que recria a sensação de condução de um superdesportivo dentro de água. O mais …

Aproxima-se o lançamento do rover Perseverance

O rover Perseverance da NASA está a menos de um mês da data de lançamento prevista para 20 de julho. A missão de astrobiologia do veículo vai procurar sinais de vida microscópica passada em Marte, explorar …

Benfica 3-1 Boavista | Águias põem fim a quarentena caseira

O Benfica venceu na noite deste sábado o Boavista, naquele que foi o primeiro triunfo caseiro após a retoma da Liga. Poderá ter sido a redenção das águias? Após ter somado apenas dois triunfos, quatro desaires …

Cortina do abraço permite às famílias reencontrar os familiares num lar de São Paulo

Abraçar, tocar e até dançar. Uma cortina do abraço permite que filhos visitem seus pais residentes numa casa de repouso em São Paulo. O empresário Bruno Zani, autor da criação, pretende agora colocar a cortina …

Os golfinhos aprendem a utilizar ferramentas com os amigos

Os golfinhos aprendem a utilizar ferramentas não só com as suas progenitoras mas também com os seus pares, concluiu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Leeds, no Reino Unido. De acordo …

Entre uma "história de recusas" e uma “opção clara” pelos interesses do grande capital

A líder do BE disse hoje que a legislatura do Partido Socialista tem sido a “história das recusas” tanto sobre um acordo no final das eleições 2019, seja na recusa dum Orçamento Suplementar para lá …