Maior cidade subterrânea do mundo pode ter sido um refúgio dos primeiros cristãos

Investigadores dizem que a área pode ter funcionado como esconderijo ou área de fuga numa altura em o cristianismo era uma religião proibida.

Três semanas após uma equipa de arqueólogos ter revelado a descoberta de uma enorme cidade subterrânea no sudeste da Turquia, suspeita-se agora que esta foi construída há quase 2.000 anos e pode ter sido o lar de até 70.000 pessoas. O complexo subterrâneo pode ter sido usado pelos primeiros cristãos para se esconderem da perseguição romana. As primeiras câmaras subterrâneas do complexo antigo foram encontradas há cerca de dois anos, durante um projeto de limpeza e conservação de ruas e casas históricas na cidade de Midyat.

Inicialmente, os trabalhadores do projeto descobriram primeiro uma caverna de calcário e depois uma passagem para o resto da cidade escondida, descreveu Gani Tarkan, diretor do Museu Mardin e chefe das escavações. Compreensivelmente, alguns dos habitantes locais já sabiam que havia cavernas abaixo de Midyat, mas não sabiam que havia uma cidade subterrânea inteira, disse Tarkan ao Live Science.

Agora, 49 câmaras foram desenterradas no complexo colossal, assim como passagens, poços de água, silos de armazenamento de cereais, salas de casas, e locais de culto, incluindo uma igreja cristã e um grande salão com um símbolo da Estrela de David na parede, que parece ser uma sinagoga judaica. Os artefactos encontrados nas cavernas — incluindo moedas da era romana e candeeiros de petróleo — indicam que o complexo subterrâneo foi construído algures no II ou III séculos d.C., supôs Tarkan à Live Science.

Há ainda uma grande área a escavar, com o responsável a estimar que menos de 5% da cidade subterrânea, agora conhecida como Matiate, tenha sido explorada até agora — numa área de mais de 100.000 metros quadrados. Tarkan consideraou que todo o complexo pode ser superior a 400.000 metros quadrados de área e teria sido suficientemente grande para acomodar entre 60.000 e 70.000 pessoas. É possível que a cidade tenha servido originalmente como refúgio: “Foi inicialmente construída como esconderijo ou área de fuga“, sugeriu.

“O cristianismo não era uma religião oficial no segundo século [e] as famílias e grupos que aceitavam o cristianismo geralmente refugiavam-se em cidades subterrâneas para escapar à perseguição de Roma”, disse Tarkan. “Possivelmente, a cidade subterrânea de Midyat foi um dos espaços de vida construídos para este fim“.

Geógrafos antigos escreveram que a região sul do que é agora a Turquia era habitada por cristãos antes das suas partes mais centrais, e que os cristãos da região eram fortemente perseguidos, não só pelos romanos mas também pelos persas no século IV.

Os viajantes medievais da região também relataram que tinham encontrado cidades e vilas inteiras completamente vazias de habitantes, e por isso era possível que os habitantes se tivessem de facto escondido no subsolo em lugares como Matiate, notou Tarkan.

Lozan Bayar, arqueólogo do Gabinete de Protecção e Supervisão de Mardin, alinha na tese de que Matiate poderia ter sido utilizada pelos primeiros cristãos para escapar à perseguição romana. “No período inicial do cristianismo, Roma estava sob a influência de pagãos antes de mais tarde reconhecer o cristianismo como uma religião oficial”, disse ao Hürriyet Daily News, uma agência noticiosa turca. Tais cidades subterrâneas proporcionavam segurança às pessoas e também aí realizavam as suas orações. Eram também locais de fuga”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.