Os Maias usavam o chocolate como moeda

Sidney Oliveira / Arquivo Ag.Pará

Para muitos, um bom chocolate é tão valioso como ouro mas, pelos vistos, a civilização maia já sabia disso. Sim, para os Maias, o chocolate servia como moeda.

Uma nova pesquisa sobre a antiga civilização pré-colombiana revelou que os Maias utilizaram durante séculos o chocolate como unidade monetária, servindo como moeda por troca de serviços, objetos ou outras iguarias.

O estudo, realizado pela arqueóloga norte-americana Joanne P. Baron, da Bard Early College Network, de Nova Jersey, nos EUA, e publicado em maio na revista Economic Anthropology, baseou-se em imagens, murais, pinturas, esculturas e outras obras que retratavam a civilização maia durante o período de 250 a.C e 900 d.C.

De acordo com a Newsweek, esta civilização nunca utilizou moedas mas já era sabido que trocava produtos como, por exemplo, tabaco, milho e têxteis e, segundo a investigadora, é neste período que se começa a observar a “monetização precoce dos grãos de cacau e tecidos de algodão“.

“Acredito que esses produtos, originalmente valorizados por serem usados para exibir o estatuto social, assumiram funções monetárias dentro de um contexto de expansão de mercados entre os reinos maias rivais”, escreveu Baron no estudo.

As imagens mostram representações dessas mesmas “trocas”, em que se pode observar a oferta de chocolate como forma de pagamento não só no comércio mas até mesmo nos impostos pagos às autoridades da civilização.

Inicialmente, o chocolate era oferecido como troca mas, a partir do final do século VII, tornou-se, de facto, numa espécie de moeda, isto é, num meio de pagamento. Os grãos secos de cacau funcionavam como moedas, aparecendo em cerca de 180 cenas retratadas em murais e cerâmicas do período entre 691 d.C e 900 d.C.

A confirmação desta utilização, segundo Baron, apareceu em imagens nas quais os grãos aparecem em sacos com grandes quantidades, notando uma quantidade muito maior do que seria preciso para ser consumido nos palácios. Ou seja, havia um outro propósito, neste caso servia como moeda.

“Como resposta, os regimes políticos e os seus súbditos dedicaram mais trabalho e recursos à aquisição destes produtos”, escreve ainda a arqueóloga no estudo.

Em declarações à revista Science, David Freidel, antropólogo e especialista na civilização maia da Universidade de Washington, em St. Louis, Missouri, que não esteve envolvido na pesquisa, concorda que o estudo está na direção certa porque o chocolate “é uma comida muito prestigiada” e “era quase de certeza uma forma de pagamento”.

No entanto, o especialista não concorda com a teoria de Baron quando a investigadora diz que eventuais perturbações no fornecimento de cacau podem ter levado a um colapso económico. “O meu palpite é que uma queda de uma única coisa não provocaria a queda do sistema”, explica.

ZAP // Hypeness

PARTILHAR

RESPONDER

Ambulâncias rejeitadas no Hospital de Setúbal por sobrelotação das urgências

Ambulâncias que chegavam ao Hospital de São Bernardo, em Setúbal, durante a tarde de domingo, foram encaminhadas para outros hospitais. As urgências do centro hospitalar estavam sobrelotadas. Entre as 12h e as 16h30 deste domingo, o …

Professores regressam à greve ao trabalho extraordinário

A paralisação poderá comprometer as avaliações intercalares dos alunos, alertam os sindicatos que pedem o cumprimento do horário de 35 horas semanais. A greve dos professores ao trabalho extraordinário regressa esta segunda-feira às escolas, sem data …

Caos na Síria. Bombardeamentos turcos levam à fuga de centenas de militantes do Daesh presos

Cerca de 800 militantes do Daesh fugiram neste domingo da prisão de Ain Issa, de acordo com a administração autónoma curda, que acusa a Turquia de ter dado “cobertura aérea” para que a fuga fosse …

Supremo Tribunal espanhol reativa mandado de detenção europeu contra Puigdemont

Um juiz do Supremo Tribunal de Justiça espanhol, Pablo Llarena, aceitou o pedido do Ministério Público e reativou o mandado de detenção europeu para a extradição de Carles Puigdemont. O ex-Presidente do governo regional da Catalunha …

A partir de agora, os saldos têm mesmo que ser saldos

Já estão em vigor as alterações à lei relativa aos saldos e promoções. As novas normas definem que um produto vendido em saldo ou promoção não pode ter um preço mais alto do que o …

Marcelo Rebelo de Sousa critica "instrumentalização do medo" pelo poder

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse hoje haver demasiados poderes com medo que o medo acabe, considerando a "instrumentalização do medo" para acorrentar os outros como um problema na ordem do dia. “Há …

CGTP ameaça Costa: “Ou dá resposta às reivindicações ou conta com contestação” nas ruas

O secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, defendeu a alteração das leis laborais e o aumento do salários na próxima legislatura, avisando que caso estas reivindicações não sejam atendida, o Governo terá forte contestação nas ruas. Arménio …

Das eleições resultou um "Governo instável" e Marcelo foi "o grande ganhador sem ter participado"

Para Luís Marques Mendes, o PS teve mais votos, mas tem piores condições para governar. Além disso, na opinião do comentador político, foi Marcelo quem ganhou estas eleições, por não ter havido maioria absoluta. O Partido …

"Querem que pique a bolha?" Conselheiros do Banco de Portugal compararam Montepio ao caso BES

Numa "discussão acesa" no Banco de Portugal, conselheiros da entidade de supervisão compararam a situação do Banco Montepio ao caso BES, com referências a um "esquema de Ponzi", em pirâmide, e a ideia de que …

CGD e Novo Banco vão atrás da fortuna de Paulo Maló

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o Novo Banco vão tentar executar o património pessoal de Paulo Maló, médico e empresário que fundou a Malo Clinic, empresa especializada em medicina dentária, escreve o Jornal …