O mafioso mais perigoso de Boston era português e vai parar ao grande ecrã

(dr) Polícia de Massachuttetts

Joseph Barboza

Joseph Barboza, filho de pais lisboetas, foi o único não italiano a entrar na Máfia da Costa Leste dos Estados Unidos. Tornou-se o pior deles todos e vai parar aos ecrãs de cinema.

Nos anos 1950 e 1960, tornou-se no assassino mais célebre da Máfia da Costa Leste dos Estados Unidos. J. Edgar Hoover, diretor do FBI, definia-o em 1965 como “o mais perigoso indivíduo que conhecemos”.

Joseph Barboza pode ser um desconhecido em Portugal, mas permanece como uma memória incómoda de Boston. Na sua conta, somam-se 30 mortes conhecidas, mais do que qualquer outro membro do clã de Boston da máfia italiana.

Barboza era um assassino impiedoso e foi por esse o motivo que os italianos permitiram pela primeira vez a alguém de outra origem a entrada na Cosa Nostra.

Agora, a 20th Century Fox anunciou a compra dos direitos de “Animal: The Bloody Rise and Fall of the Mob’s Most Feared Assassin” – Animal: a sangrenta ascensão e queda do assassino mais temido da Máfia – , um livro que o jornalista Casey Sherman publicou em 2013 e se tornou em poucos meses num sucesso editorial. A vida do mais famoso luso-descendente da América vai ser adaptada ao grande ecrã, avança o DN.

A infância complicada

Joe Barboza era filho de José Barbosa, um lisboeta que emigrou para New Bedford no início dos anos 1920 e se tornou campeão de boxe na década seguinte. A mãe, Palmeda Camila Barbosa, era costureira numa fábrica de têxteis da cidade.

Barboza nasceu a 20 de setembro de 1932, quando os Estados Unidos atravessavam a pior depressão económica da sua história – e New Bedford via a indústria baleeira que trouxera os portugueses afundar-se.

Joe foi o segundo de cinco filhos. Tanto o pai como a mãe foram presos quando ela era adolescente – ele por agressão e ela por roubar comida.

Foi preso pela primeira vez aos 14, por destruir uma loja, e aos 17 formou um gangue, que em dezembro de 1949, lançaram uma vaga de terror sobre Boston, a capital do estado do Massachussetts.

A sua prisão num reformatório, e depois transferência para a prisão, tornaram-no violento. Foi aí que ganhou a alcunha de Animal. Começou a aprender boxe, a traficar, a levantar pesos e a espancar quem lhe fizesse frente.

O caminho do crime

Barboza andou dentro e fora da prisão até 1958. Correspondera-se com uma mulher 16 anos mais velha, Philomena, e decidira pedir-la em casamento, mas estiveram apenas uns meses juntos.

Voltou aos ringues e criou um novo gangue de uma dezena de homens. Faziam assaltos e serviços por encomenda sob o mais poderoso grupo de mafiosos da região. A sua brutalidade era reconhecida pelo líder da Máfia, Raymond Patriarca, que o contratou para aniquilar uma boa parte dos seus inimigos. Com o tempo, o italiano pediria ao português que eliminasse também os antigos membros do seu grupo.

Passou oito anos na Máfia italiana. Era o primeiro a puxar do revólver e nunca hesitava em premir o gatilho. Oficialmente, Barboza confessaria a morte de sete homens em 1975 numa biografia. Mas gabava-se a toda a gente de ter matadp mais de 30, quase todos a pedido da máfia.

Quando em 1966 ele e mais dois companheiros foram detidos por posse de armas pesadas na zona dos Patriarca, percebeu que os seus dias de Máfia tinham chegado ao fim.

A reviravolta

Os outros dois gangsters saíram, mas para ele a caução era de 100 mil dólares. Então Barboza decidiu fazer um negócio com a polícia – tornar-se informador das autoridades.

Acabou por testemunhar em tribunal contra Raymond Patriarca e os seus colaboradores em 1967, a troco de integrar o programa de proteção de testemunhas. Os perigos eram claros: durante o julgamento a Máfia colocou uma bomba no carro do seu advogado – que o fez perder uma perna.

Cumpriu um ano de prisão e integrou um programa de ensino de culinária, mas a vida como cozinheiro não lhe servia.

Em 1971 confessou-se culpado de homicídio em segundo grau e negociou uma pena de cinco anos. Acabou por sair em liberdade condicional em 1975.

A 11 de fevereiro de 1976, quando saía do seu apartamento em São Francisco, foi morto por quatro tiros à queima-roupa. O seu assassino nunca foi encontrado, mas Ilario Zannino, investigador do caso, não tem dúvidas que foi executado pela Máfia de Boston.

ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Para o DN, era luso-descendente, mas para o ZAP era português!…
    Mais um pouco e, provavelmente, alguém vai dizer que ele era lisboeta…

RESPONDER

"DeepNude". Inteligência Artificial "tirou a roupa" a mulheres nas redes sociais

A empresa de informação Sensity alertou que mais de 100 mil imagens foram carregadas para um canal de Telegram onde um bot "tirou a roupa" de mulheres. A empresa de segurança Sensity revelou recentemente que existe …

Poluição atmosférica "custa" a cada citadino europeu 1.276 euros por ano

A poluição atmosférica "custa" 1.276 euros por ano a cada cidadão europeu residente em cidades, de acordo com um estudo da Aliança Europeia de Saúde Pública (EPHA) divulgado esta quarta-feira. O estudo chegou ao valor médio …

"Emergência arqueológica". O degelo dos Alpes está a "libertar" artefactos escondidos há milhares de anos

As alterações climáticas podem estar a ajudar os arqueólogos a encontrar artefactos escondidos nos glaciares do Alpes há milhares de anos. O derretimento dos glaciares dos Alpes está a "liberta" objetos que permaneceram congelados no tempo …

Thermite RS3 é o primeiro robô de combate a incêndios dos EUA (e está pronto a entrar ao serviço)

O Corpo de Bombeiros de Los Angeles, nos Estados Unidos, deu as boas-vindas ao mais recente membro da equipa: um bombeiro robótico. O Thermite RS3 é um rover de controlo remoto capaz de bombear milhares de …

Inventor dinamarquês que matou jornalista no seu submarino escapou da prisão (mas já foi apanhado)

O inventor dinamarquês Peter Madsen, condenado a prisão perpétua por torturar e assassinar a jornalista sueca Kim Wall, fugiu da prisão esta terça-feira.  As autoridades dinamarquesas capturaram-no minutos depois. Peter Madsen, o dinamarquês condenado a prisão …

Molécula descoberta por menina de 14 anos pode levar a uma cura para a covid-19

A jovem norte-americana de 14 anos, Anika Chebrolu, descobriu uma molécula que pode levar a uma potencial cura para a covid-19. Enquanto cientistas dos quatro cantos do mundo trabalham no desenvolvimento de uma vacina para a …

Cerca de 1.300 reclusos fogem de prisão no Congo após ataque do Estado Islâmico

Cerca de 1.300 reclusos escaparam de uma prisão na República Democrática do Congo na manhã de terça-feira, após um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico, informou a Organização das Nações Unidas (ONU). Embora as autoridades locais tenham …

Amesterdão vai usar flores para impedir que os ciclistas estacionem bicicletas nas pontes

A cidade conhecida pelo uso de bicicletas, vai agora tomar uma medida em relação ao estacionamento destas nas pontes. Tudo para proteger as vistas para os seus famosos canais. Amesterdão orgulha-se de ser uma das cidades …

Morreu voluntário envolvido no ensaio da vacina de Oxford. Tinha 28 anos e era médico recém-formado

As autoridades de saúde brasileiras divulgaram esta quarta-feira a morte de um voluntário dos testes da vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), …

Milo, o "comunicador de ação" que permite conversar em grupo durante atividades ao ar livre

Chegou o Milo, o novo aparelho que vai revolucionar as aventuras em grupo. Este pequeno dispositivo permite-lhe conversar com o seu grupo à distancia sem precisar de levar o smartphone para o meio da montanha, …