“Quem lhe falta?”: Mães da Praça de Maio completam 40 anos de luta pela memória e pela vida

benito roveran / Wikimedia

A ativista argentina Taty Almeida, fundadora da organização Madres de Plaza de Mayo

A ativista argentina Taty Almeida, militante da organização Madres de Plaza de Mayo

No dia 30 de abril de 1977, em plena ditadura militar na Argentina, 14 mulheres reuniram-se na Praça de Maio, em frente à sede do governo em Buenos Aires, para protestar pelos seus filhos desaparecidos, iniciando assim 40 anos de uma luta incansável pela verdade, memória, justiça e pela vida.

“Desgraçadamente, existimos porque nos levaram o que é mais valioso para uma mulher. Lembramos-nos deles sempre com alegria porque eles eram assim: amavam a vida“, diz em entrevista à Agência EFE Taty Almeida, emblemática militante das Mães da Praça de Maio / Linha Fundadora.

Não aceitamos que nos chamem de heroínas, fizemos o que qualquer mãe faria por um filho”, acrescenta a activista argentina.

Este domingo, as Mães da Praça de Maio completam 40 anos desde a primeira vez que se reuniram nessa praça, com seus lenços brancos na cabeça, para pedir uma audiência com o então presidente argentino, o ditador Jorge Rafael Videla.

O estado de sítio estabelecido pela ditadura argentina (1976-1983) proibia as reuniões de três ou mais pessoas, pelo que as mães que nesse dia se encontravam na Praça de Maio decidiram dar voltas, de duas em duas, em torno de um monumento em forma de pirâmide que existe na praça.

Foi assim iniciada a “volta” que, a partir daquele momento, se repete todas as semanas no mesmo lugar, em homenagem aos 30 mil desaparecidos durante o regime ditatorial de Videla.

Além da perseguição permanente, o movimento teve que suportar uma dura repressão desde o primeiro dia, como foi o desaparecimento de três mães, e mesmo após a  democracia, com a aprovação de leis que amnistiaram milhares de acusados de crimes de lesa-humanidade.

Empregada numa família de militares, “gorilas antiperonistas totais”, como diz, Taty Almeida viveu durante algum tempo alheia à repressão exercida pelo exército.

Quando o filho Alejandro, militante de 20 anos, desapareceu um ano antes do golpe de Estado, Taty não entendeu “nada”, porque, como lembrou, “era uma ignorante total”. De fato, demorou a perceber que os culpados não eram os peronistas, mas os “genocidas” que conhecia pessoalmente.

Em 1980, decidiu aproximar-se da sede da organização, onde a única coisa que lhe perguntaram ao entrar foi “Quem lhe falta?”.

Não estavam preocupados com política ou ideologia. Lá fiz a minha catarse. Chorei, emocionei-me… Foi muito doloroso. Não consegui encontrar o meu filho, mas pus o pé no acelerador e assim continuo”, recorda Taty Almeida.

“O melhor que posso fazer é dividir minha dor com minhas companheiras de luta”, diz Taty, já que todas tinham algo em comum: os seus filhos “alegres, com projectos, que queriam viver” e lhes foram arrancados.

As Mães destacam como o período mais positivo para a sua causa o iniciado com a presidência do falecido Néstor Kirchner (2003-2007), que, segundo Taty, converteu os direitos humanos em “política de Estado”.

No entanto, a activista acredita que a chegada do conservador Mauricio Macri ao poder, em dezembro de 2015, foi um revés, pois o actual governo “viola os direitos humanos” e “pretende apagar a memória“.

Com ela concorda Mercedes Colás de Meroño, conhecida como “La Porota” ou “Poro”.

A sua história é muito diferente da de Taty: filha de um sindicalista, deixou a Argentina após um golpe de Estado nos anos 1930 e chegou a Espanha, onde, em plena guerra civil, fuzilaram o seu pai. A tragédia repetiu-se depois, assim que regressou ao seu país natal, onde outra ditadura fez desaparecer a sua filha.

“Demorei muito a recompor-me, todo o período que tinha estado em Espanha voltou à minha mente: outra vez o fascismo, pensava “La Porota”, que admite que passou “a vida” a olhar pela janela, à espera que a filha chegasse.

Até que um dia comprou um lenço e foi até à Praça de Maio. Ali, enquanto chorava sentada num banco, uma mulher aproximou-se para a obrigar a ficar de pé, depois de lhe fazer a conhecida pergunta: “Quem lhe falta?”.

E nunca mais parei“, recorda Mercedes.

Para esta Mãe de Maio, estes 40 anos serviram para reivindicar o carácter “revolucionário” dos seus filhos, que a sua memória seja respeitada “em todo o mundo” e para demonstrar que “a única luta que se perde é a que se abandona“.

Prova disso são as homenagens que as mães receberam nos últimos dias em exposições, almoços e todo tipo de eventos que acontecem neste domingo, no aniversário da primeira volta em trono do monumento em forma de pirâmide.

Todas irão lembrar os  seus filhos, como sempre fizeram, para que nenhuma mãe tenha que ouvir novamente aquela pergunta: “Quem lhe falta?

E elas continuarão a fazer isso “até que o corpo aguente”. “Porque, apesar das bengalas e das cadeiras de rodas, as loucas continuam de pé“, advertiu Taty Almeida.

// EFE

PARTILHAR

RESPONDER

Época balnear arranca no sábado, mas começa mais tarde no Norte

A época balnear arranca no próximo sábado, 6 de junho, mas não em todo o país. No Norte de Portugal só começa a 27 de junho. Segundo o despacho publicado esta quinta-feira em Diário da República, …

Um terço das empresas de restauração não reabriu

Cerca de um terço das empresas de restauração não retomou a atividade e quase metade tem registado uma faturação média inferior a 10%, revelou a associação representativa do setor. A Associação de Hotelaria, Restauração e Similares …

Ministério Público alemão assume que Maddie McCann está morta

O procuradores do Ministério Público alemão acreditam que Madeleine McCann foi assassinada. O investigador Christian Hoppe, do Bundeskriminalamt, revelou que a criança pode ter sido alvejada quando o suspeito assaltava o apartamento da família. O procuradores do …

Nadadores-salvadores devem privilegiar salvamento "sem entrar na água"

A Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores divulgou hoje alguns dos procedimentos que os vigilantes devem adotar na época balnear face à pandemia, como privilegiar o salvamento “sem entrar na água” ou abordar o náufrago pelas costas. “Ainda …

Confederação do Turismo propõe Lay-off simplificado, banco de horas e horário concentrado

A Confederação do Turismo de Portugal (CTP) propôs ao Governo 99 medidas para mitigar as consequências "gigantescas" que a pandemia está a ter no sector, apontando um cenário de "eclipse total e asfixia". Segundo noticiou esta …

Coreia do Norte ameaça romper acordo militar com Seul

A Coreia do Norte ameaçou hoje romper o acordo militar com a Coreia do Sul e fechar o gabinete de ligação transfronteiriça, se Seul não impedir que ativistas continuem a enviar panfletos através da fronteira. A …

Moratórias no crédito prolongadas até 31 de março de 2021

O Governo decidiu estender a moratória nos empréstimos dos bancos às famílias e empresas afetadas pela crise. As prestações e juros só voltarão a ser pagos depois de 31 de março de 2021, apurou o …

Santana Lopes deixou funções executivas no Aliança. Mas não "deserta"

O fundador do partido Aliança deixou, recentemente, as suas funções executivas por "motivos profissionais", mas promete "não desertar", "muito menos em alturas difíceis". No passado dia 15 de maio, Pedro Santana Lopes pediu a suspensão das …

Pela primeira vez em 30 anos, Hong Kong proíbe vigília em memória de Tiannamen

Pela primeira vez em 30 anos, tanto Hong Kong como Macau não vão ter vigílias em homenagem às vítimas do massacre de Tiananmen. A Polícia de Hong Kong proibiu a vigília em memória do massacre de …

Portugal com mais 8 mortos e 331 casos positivos em 24 horas

Portugal registou mais oito mortes e 331 casos positivos de infeção pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde. Esta quinta-feira, Portugal registou 1.455 mortes por …